All for Joomla All for Webmasters

A Renault costuma dizer que o Paraná é sua casa no Brasil. Conhecendo a longevidade da relação entre o Estado e a montadora, que completa 20 anos em 2018, entendemos o motivo de tal identificação. E este relacionamento estreito se reflete nas vendas. Por aqui, modelos da Renault têm desempenho bastante superior ao apresentado nacionalmente, contrariando o ditado popular de que “Santo de casa não faz milagre”.

Captur, da Renault: 10º no Paraná não figura nem entre os 40 mais no País

Olhem o desempenho do Captur, SUV que ocupou posição abaixo da 40ª no ranking nacional dos mais vendidos em 2017: por aqui, é o 10º veículo mais emplacado, considerando automóveis e comerciais leves. O Sandero também ganha duas posições no ranking quando comparamos a lista local à nacional, saindo da 6ª para a 4ª colocação. Até mesmo o compacto Kwid, que teve apenas seis meses cheios de vendas no ano, conquistou lugar entre os 20 mais no Paraná – feito que não alcançou nacionalmente.

A Volkswagen, outra montadora sediada no Paraná há quase duas décadas, também agrada mais o mercado local que o nacional, relativamente, com seus modelos mais vendidos. Por aqui, o Gol conquistou a 2ª posição em 2017 e a Saveiro um nobre 7º lugar. Nacionalmente, a picape ficou com a 14ª colocação.

Acontece no Nordeste

Viajando um pouco, parei na Bahia, onde a Ford tem fábrica há 17 anos na cidade de Camaçari. Na terra do Senhor do Bonfim, o EcoSport ainda domina o segmento de SUVs, ocupando a 10ª posição no ranking de mais vendidos – bem diferente da 25ª nacional.

Linha de produção da Ford em Camaçari, de onde sai o veterano EcoSport

Em Pernambuco, onde a Fiat Chrysler mantém fábrica da marca Jeep, o Compass obteve desempenho ainda melhor que o nacional – o modelo fechou o ano como SUV mais vendido do País. Entre os pernambucanos, ele foi o 8º veículo mais emplacado ao longo do ano. Também a picape Toro se destacou, com a 7ª colocação.

O que explica

Ter fábrica em um determinado Estado significa manter projetos sociais que colaborem com o desenvolvimento da população local. Todas as montadoras que conheço fazem isso como contrapartida ao impacto de seus negócios. Essas iniciativas, além de positivas, contribuem para fixar a marca na mente da população.

As montadoras também podem se fazer presentes na comunidade por meio de apoio ao empreendedorismo, à cultura e ao esporte – caso do patrocínio da Renault aos times de futebol de Londrina e Maringá, por exemplo. Tudo é visibilidade.

Renault patrocinou o Londrina Esporte Clube por 2 anos consecutivos

Estar próximo da fábrica também possibilita, ao menos em tese, oferecer melhores condições de compra ao consumidor, gerando maior fluxo de vendas. Não comprovei, mas acredito que a Renault (para ficarmos no caso paranaense) tenha um número maior de concessionárias no Paraná, proporcionalmente. Sendo assim, o acesso do consumidor é facilitado não só ao produto mas também aos serviços de pós-venda.

Eu poderia dar outros exemplos aqui que demonstrariam por A mais B que santo de casa faz milagre no setor automotivo, como a Fiat em Minas Gerais e a Nissan no Rio de Janeiro. Identificação do consumidor com a marca, algo a ser buscado perenemente pelo marketing, reverte em vendas. Estar em primeiro na cabeça do consumidor que quer um carro novo é sair na frente na briga por share, afinal, como diz outro sábio ditado popular: “Quem não é visto não é lembrado”.

Cecília França é jornalista, com passagens pelos diários Tribuna do Norte e Folha de Londrina, onde iniciou da cobertura do setor automotivo. É colunista e mantém o blog Autos Papos (www.autospaposlondrina.com).

“Em São Paulo já passamos por essa experiência e deu no que deu. Corrupção”

“Ingenuidade pensar que carro sem condições de uso e com documento atrasado irá dar as caras nessa vistoria”

“Como sempre no Brasil são criadas dificuldade e sempre terá alguém vendendo facilidade...para driblar as leis”

Para quem está cansado de discutir futebol na roda de amigos, sugiro um tema igualmente espinhoso para substituí-lo: os preços dos carros no Brasil. Tocar neste assunto é certeza de discursos inflamados, mas com uma diferença para qualquer Fla X Flu: haverá consenso.

Dez em cada dez brasileiros consideram altos os preços cobrados por veículos no País. Comparações com os valores vigentes nos EUA (que pululam na internet) fornecem ainda mais munição para estes discursos. Eu mesma já tratei do tema em minha coluna, mostrando o impacto da sangria dos impostos e lucros das montadoras no preço final ao consumidor.

Pagamos caro, é fato. Mas será que já pagamos menos? A pergunta me ocorreu durante leitura do livro “Jornalismo Automotivo”, do jornalista Paulo Campo Grande, em que ele cita o protocolo do “carro popular”, instituído em 1993 no governo Itamar Franco para “ressuscitar” o Fusca - e abordado mais à frente.

O que é carro popular?

Por popular devemos (ou deveríamos) entender o carro mais vendido do País, ou seja, o que tem maior apelo junto à população. Teoricamente, o título seria sempre do carro mais barato do mercado. Porém, se pensarmos no nosso mercado atual, chamar o Onix, um carro que parte de R$ 47 mil, de popular soa estranho.

O conceito de carro “pelado” instituído na época de Itamar, também já não encontra ressonância hoje em dia, quando a maior parte dos motoristas opta por veículos quatro portas, com ar e direção, e a própria legislação exige um bocado de itens de segurança.

Sendo assim, adotei o carro mais barato - e de volume - do mercado atual como o popular do momento e equiparei os preços aos salários mínimos de cada época.

Vejam só.

Comparando

O Renault Kwid tem preço inicial de venda de R$ 29.990, o equivalente a 31 salários mínimos atuais, de R$ 965. Em 1960, o veículo mais barato à venda no Brasil era a pequena Romi-Isetta, que custava 370 mil cruzeiros (38 salários mínimos e meio da época). Em 1970, os carros mais baratos do País eram o Jeep Universal, por 12.002 cruzeiros novos, e o Fusca 1300, por 12.079 cruzeiros novos. Ambos custavam cerca de 77 salários mínimos da época.

 A pequena Romi-Isetta custava mais que 38 salários mínimos na década de 1960 (durante a exposição Do Passado ao Futuro foi um dos modelos mais fotografados)

Na década seguinte, o modelo mais em conta do mercado continuava sendo o VW Fusca 1300, vendido então por 110.450 cruzeiros, valor equivalente a 37 salários mínimos da época. A GM tinha como automóvel mais barato o Chevette, a partir de 147.381 cruzeiros (50 mínimos) e o 147 era o mais acessível da Fiat, custando 143.820 cruzeiros (49 salários).*

Itamar

O carro popular pensado por Itamar tinha IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) de apenas 0,1%, motorização sempre 1.0 (com exceção do Fusca, Kombi e Chevette, que eram 1.6) e preço máximo de US$ 7.200 – o equivalente a 119.378 cruzeiros (moeda da época). Em fevereiro de 1993, quando o protocolo foi instituído, o salário mínimo era de 1.250.700,00 cruzeiros, o que nos leva a um carro popular equivalente a 10,4 mínimos, o mais barato já registrado na história

Porém, como as coisas não podem ser simples no Brasil, matéria do jornal Extra relata um ágio de até 100% na venda dos 0 km na época, justamente em virtude da alta demanda pelos populares. Ou seja, o preço da tabela era quase simbólico.

Em 1994, quando entrou em vigor o Plano Real, o carro mais vendido do País era o VW Gol, que custava R$ 7.243, equivalente a 111 salários mínimos (de irrisórios R$ 64,79).

Fabricação do Fusca voltou em 1993, impulsionada por Itamar Franco.

Anos 2000

Em 1999, o Gol Special era vendido por R$ 12.044, valor referente a 88 salários mínimos da época. Em 2003, o Fiat Palio era anunciado, em propaganda televisiva, por R$ 13.900 ou 58 mínimos.

De lá para cá, o salário mínimo teve aumento real, o poder de compra das famílias melhorou, mas ainda continuamos pagando 31 salários mínimos no carro mais barato do mercado. O mais vendido, Onix, sai por cerca de 49 mínimos. Se somarmos impostos, seguro e um combustível em aumento galopante, comprar e manter um carro não está muito mais fácil do que no início dos anos 2000.

Se alguém levar esta coluna para discussão em uma roda de amigos, certamente pensarão em me condenar a partir do título. Espero que sigam a leitura até aqui. Neste jogo, estamos todos no mesmo time.

Em 1999, Gol Special era vendido pelo equivalente a 88 mínimos

*Os valores das décadas de 1960 a 1980 foram retirados de reportagem do jornal Correio Braziliense.

 

Cecília França é jornalista, com passagens pelos diários Tribuna do Norte e Folha de Londrina, onde iniciou da cobertura do setor automotivo. É colunista e mantém o blog Autos Papos (www.autospaposlondrina.com).

 

O ano de 2017 terminou com a vitória do Jeep Compass como SUV mais vendido do País. Em seu primeiro ano cheio de vendas, o modelo nacionalizado desbancou os colegas compactos, empurrou o Honda HR-V para a segunda posição, e tomou do irmão Renegade o posto de veículo mais comercializado da marca. Mas a análise mais interessante do ranking de utilitários esportivos não está na liderança do Compass e, sim, nos números como um todo.

A economia brasileira vem dando sinais de recuperação e vai ter crescimento de mais de 10% na venda de veículos em 2017 sim. O otimismo parece voltar aos lares, com o consumo das famílias aumentando, enquanto o ministro da fazenda, Henrique Meirelles, sorri diante da previsão de PIB de 2,6% em 2018.

Em 2015 tive a oportunidade de entrevistar o jornalista automotivo Joel Silveira Leite, quando ele esteve palestrando para estudantes da Universidade Estadual de Londrina (UEL). Conversamos sobre jornalismo, mercado, tecnologia e segurança veicular, e em resposta a uma pergunta minha sobre a inserção de novas tecnologias nos veículos nacionais, Joel sentenciou: “O carro brasileiro não tem tecnologia porque as montadoras não têm interesse em colocar, porque encarece o produto e eles vão ter menor lucro. Ponto final.”

O ano de 2017 marca a sedimentação da Jeep no mercado nacional. Depois da ascensão com o Renegade, a montadora se firmou de vez com a chegada do irmão maior, o Compass, que ocupa a 11ª posição entre os veículos mais vendidos (autos e comerciais leves) até o momento*. Já foram emplacados 44.886 Compass este ano, cerca de 10 mil a mais que o Renegade, mesmo custando R$ 30 mil mais caro.

Feito na Argentina, o hatch chega reestilizado e com itens como teto panorâmico e multimídia moderno de série. O jornalista Roberto Nunes participou do lançamento e traz todos os detalhes aos leitores da Sobre Rodas.

A Peugeot ataca os rivais Golf, Cruze e Focus no Brasil. O bote é certeiro com o novo 308, hatch médio produzido na Argentina com pacote cheio de equipamentos, opções de motores fortes e a tão propalada conectividade via multimídia. Agora, o 308 ganha cara reestilizada e se distancia do visual da versão europeia, que futuramente pode vir conviver com o hatch “brasileiro” no país.

Já é vendido nas versões Allure 1.6 flex manual, Allure 2.0 flex automática e Griffe 1.6 THP, a topo da gama. Desta vez, há mais novidades, como o teto panorâmico e o multimídia com tela de sete polegadas sensível ao toque, na lista de série. A conectividade está garantida pela tecnologia Apple CarPlay, desenvolvida para melhorar a conexão com celulares iPhone. Para aparelhos Android, a Peugeot fez uma parceria com a Sony, que desenvolveu a tecnologia Mirror Link para espelhamento de celulares com operacional Google.

O 308 Allure vem equipada com o motor 1.6 flex, de 122 cv a 5.800 rpm e 16,4 kgfm a quatro mil rpm, e câmbio manual de cinco marchas, sem o tanquinho de partida a frio. Traz ainda direção eletro-hidráulica, ar-condicionado de duas zonas, tela multifuncional sensível ao toque com Apple CarPlay, revestimento parcial de couro, banco do motorista com ajuste de altura manual, além de computador de bordo e sensores de chuva, ré e crepuscular. 

O motorista tem à disposição um volante multifuncional com regulagem de altura e profundidade, retrovisores elétricos, faróis de neblina, regulador e limitador de velocidade. De segurança, o hatch possui seis airbags, sistema Isofix e freios a disco. As rodas são de 17 polegadas.

O carro ganha um pacote de segurança com sistema de controle de estabilidade, já oferecido a partir da configuração intermediária Allure (R$ 75.990) com motor 2.0 flex, de 151 cv a seis mil rpm e 22 kgfm a quatro mil rpm, e câmbio automático de seis velocidades. 

Já o 308 Griffe traz o mesmo motor THP da PSA Peugeot Citroën. É um propulsor 1.6 turbo, feito em parceria com a alemã BMW, que gera 173 cv a seis mil rpm e 24,5 kgfm entre 1.400 rpm e quatro mil rpm, auxiliado pela transmissão automática de seis marchas. Sai por R$ 82.990 e tem ainda sensor de estacionamento dianteiro, câmera de ré, GPS, bancos de couro perfurado e rodas diamantadas.

Versões e preços

Allure 1.6 flex, de 122 cv, câmbio manual – R$ 69.990

Allure 2.0 flex, de 151 cv, câmbio automático – R$ 75.990

Griffe 1.6 THP, de 173 cv, câmbio automático – R$ 82.990

 

Direção certa...

Carros elétricos ganham vantagens no Brasil

Enfim o governo brasileiro ampliou as vantagens para quem deseja comprar um veículo com propulsor elétrico ou híbrido. No fim de outubro, a Câmara de Comércio Exterior conseguiu o acordo para zerar a alíquota do Imposto de Importação para carros elétricos ou movidos a células de combustível, que utilizam hidrogênio para recarregar o veículo. 

Até então, esses carros pagavam taxa de importação de 35%. A decisão foi publicada pela Camex, que é formada pelos ministros da Indústria e Comércio Exterior, Casa Civil, Fazenda, Relações Exteriores, Planejamento, Agricultura e Desenvolvimento Agrário. 

Na prática, modelos híbridos ou elétricos devem ganhar um belo desconto. O elétrico BMW i3, por exemplo, um dos poucos automóveis do mercado, teve o preço reduzido para R$ 199.950 e, na modalidade “full”, R$ 209.950 (são quase R$ 30 mil do preço cheio).  

 

Picape Toro desvendada pela Fiat

A Fiat revelou a primeira foto da picape Toro. O modelo só chega no começo do ano que vem e mistura visual de picape com elementos de crossover. A Toro será a rival direta da picape Duster Oroch. A Fiat usa a base do Renegade, com a tração 4x4, motor 2.0 diesel de 170 cv e câmbio automático de nove velocidades. Tem a opção do propulsor 1.8 flex e soluções inéditas, como uma tampa bipartida no porta-malas. A nova Toro sai da fábrica de Goiana com exatos 4,915 metros e capacidade para levar uma tonelada de carga.

BMW produz Série 1 em Santa Catarina

Primeira marca premium a produzir carros na nova fase automotiva brasileira, a BMW anuncia o início de fabricação do hatch Série 1. Da planta de Araquari, Santa Catarina, o Série 1 nacional se junta aos crossovers X1 e X3, Série 3, além do compacto Countryman, da inglesa Mini. 

O novo Série 1 chega nas versões 120i Sport ActiveFlex e 120i Sport GP ActiveFlex, com valores sugeridos de R$ 109.950 e R$ 119.950, respectivamente. Entra na onda dos carros flex com motor 2.0 turbo de 184 hp e câmbio automático de oito velocidades. Destaca-se pelo sistema Driving Experience Control com Eco Pro, função start/stop e tecnologia de regeneração de energia na frenagem. Traz também airbags, controle de estabilidade e pneus com tecnologia Run-Flat.