Para muitas indústrias automotivas o futuro já é agora e só existe um caminho: os veículos elétricos. A imagem de energia limpa que muitas carregam em suas campanhas é ofuscada muitas vezes quando observamos toda a trajetória de desenvolvimento para alcançar essa matriz energética como solução.

O veículo movido a eletricidade implica em grandes custos na aquisição das baterias e alto investimento para implantação de infraestrutura de carregamento. Tudo isso precisa ser considerado. O mesmo acontece com os veículos híbridos, que demandam altos custos de aquisição e operação.

Há também o biodiesel como outra opção de combustível, porém, a alternativa enfrenta limitações técnicas em relação ao veículo. Outras possibilidades são o diesel de cana e o etanol aditivado, que possuem preços bastante elevados, além de soluções inviáveis economicamente, como o ônibus a hidrogênio, ou o HVO, espécie de óleo vegetal hidrogenado, ainda indisponível no Brasil.

A alternativa do veículo GNV/biometano é aquela que oferece as melhores condições de sustentabilidade ambiental, tecnológica e financeira.

Para os ônibus movidos a biometano e GNV, ou a mistura de ambos, não são necessárias alterações significativas nos projetos das carrocerias.

É necessário apenas a instalação dos cilindros de gás, que no caso dos veículos com piso normal, são colocados nos espaços disponíveis entre as longarinas do chassi (abaixo do assoalho) e em opções com entrada baixa, a implantação é sobre o teto.

Pioneira em oferecer produtos tecnológicos, a linha Scania com motor a gás (GNV/biometano) oferece opções sustentáveis para a mobilidade urbana.

É capaz de garantir importante redução de emissões de gases contaminantes, principalmente NOx e material particulado, que são os principais responsáveis pelo comprometimento da qualidade do ar.

Assista a matéria em vídeo:

Em comparação com um veículo similar a diesel, o ônibus a gás emite 85% menos gases se abastecido com biometano, e 70% menos se estiver com GNV.

Em complemento, garante importante redução de emissões de CO2 e poluição sonora, com diminuição em torno de 28% no custo operacional por quilômetro rodado.

“A possibilidade de operar ônibus a gás, diferentemente de outras tecnologias, é imediata, graças à disponibilidade abundante do combustível e da consistente estrutura de distribuição já disponível nas principais cidades, sobretudo São Paulo. O ônibus movido a GNV/biometano é uma contribuição sustentável para a mobilidade urbana, considerando os aspectos ambientais, tecnológicos e econômicos. Essa solução é amplamente utilizada na Europa, já cresce em vários países da América Latina, como Colômbia, México e Peru”, afirma Eduardo Monteiro, responsável pelo desenvolvimento de mercado no segmento urbano na Scania Brasil.

Os veículos a gás recebem um trem de força que não só atende, como supera a geração mais avançada da legislação de emissões da Europa, a Euro 6.

 

No Brasil, a Lei atual exige conformidade com a norma equivalente à Euro 5. Dependendo da autonomia necessária para cada operação, é possível avaliar a quantidade de cilindros de gás que deve ser instalada.

Tarcisio Dias é profissional e técnico em Mecânica, além de Engenheiro Mecânico com habilitação em Mecatrônica e Radialista, desenvolve o site Mecânica Online® (www.mecanicaonline.com.br) que apresenta o único centro de treinamento online sobre mecânica na internet, uma oportunidade para entender como as novas tecnologias são úteis para os automóveis cada vez mais eficientes.

Coluna Mecânica Online® - Aborda aspectos de manutenção, tecnologias e inovações mecânicas nos transportes em geral. Menção honrosa na categoria internet do 7º Prêmio SAE Brasil de Jornalismo, promovido pela Sociedade de Engenheiros da Mobilidade. Distribuída gratuitamente todos os dias 10, 20 e 30 do mês.

É cada vez maior a quantidade de brasileiros que observa a etiqueta de eficiência energética na hora de comprar um novo produto. Agora é a vez dos pneus receberem essa importante ferramenta para facilitar a decisão do consumidor.

O Programa Brasileiro de Etiquetagem (PBE) é coordenado pelo Inmetro e fornece informações sobre o desempenho dos produtos, considerando atributos como a eficiência energética, o ruído e outros critérios que podem influenciar a escolha dos consumidores que, assim, poderão tomar decisões de compra mais conscientes.

No caso dos pneus essa iniciativa permitirá que o consumidor tenha mais informações sobre um dos itens de segurança do pneu (frenagem no piso molhado) e o impacto sobre o meio ambiente (eficácia energética e ruído externo).

Ela também estimula a competitividade da indústria, que deverá fabricar produtos cada vez mais eficientes.

De forma geral, o PBE funciona da seguinte forma: os produtos são ensaiados em laboratórios e recebem etiquetas com faixas coloridas que os diferenciam.

No caso da eficiência energética, a classificação vai da mais eficiente (A) à menos eficiente (de C até G, dependendo do produto), onde se entende que os mais eficientes utilizam melhor a energia, têm menor impacto ambiental e custam menos para funcionar, pesando menos no bolso.

De posse dessa informação no momento da compra, os consumidores podem escolher os produtos mais econômicos e, consequentemente, favorecer a fabricação dos mais eficientes.

Depois dos eletrodomésticos e até mesmo do automóvel, de um modo geral, o PBE chega de forma definitiva aos pneus a partir de abril de 2018.

O objetivo é oferecer um padrão mínimo de desempenho dos pneus que rodam no Brasil, promovendo a melhoria da segurança viária, a redução da poluição ambiental e a eficiência energética.

A etiquetagem envolve os pneus radiais de passeio, caminhonete, ônibus e caminhão, produzidos aqui ou importados para o Brasil, e já estão recebendo essa etiqueta desde outubro de 2016 fornecendo transparência em três critérios de desempenho.

Quais são as performances avaliadas?

Eficiência energética

Medida indicativa de eficiência energética através de teste de resistência ao rolamento - Avalia a resistência exercida pela força oposta à rotação do pneu. Quanto menor essa resistência, o veículo demanda menos energia para se movimentar e, consequentemente, menor será o seu consumo de combustível. O teste é realizado em laboratório conforme a norma ISO 28580.

O coeficiente de resistência ao rolamento é medido em Kg/ton (Kilogramas/ Toneladas).

Segurança

Medida de segurança em frenagem de emergência através de teste de aderência em solo molhado - Avalia a distância de frenagem necessária para parar um veículo em uma frenagem emergencial em piso molhado. A medição é feita em metros.

Ruído

Medida de poluição sonora através de teste de ruído exterior emitido pelo pneu - Avalia o ruído exterior emitido pelo pneu de um veículo que passa com o motor desligado diante de um dispositivo de captação de som. A medição é feita em Db (Decibel).

Como ler os resultados?

Eficiência energética- São 7 os níveis de desempenho em eficiência energética na etiqueta, que vão do índice G (menos eficiente) até o índice A (mais eficiente).

Segurança- São 7 os níveis de desempenho em segurança indicados na etiqueta, que vão do índice G (maior distância de frenagem) até o índice A (menor distância de frenagem).

Ruído- Será avaliado também o nível de ruído dos pneus, com a indicação do número de decibéis. Quanto mais decibéis, mais ondas são marcadas em preto na etiqueta e pior é o desempenho de pneu. Consequentemente, quanto menos ondas, menos ruído e melhor é o desempenho do pneu neste quesito.

A etiqueta avalia todos os atributos dos pneus?

Infelizmente não. As performances indicadas nas etiquetas são importantes, mas existem outras necessidades do consumidor em relação aos pneus, em particular associadas à economia e à segurança, tais como: frenagem em piso seco, aderência em curvas sobre piso molhado, aderência em curvas sobre piso seco, durabilidade (treadwear) e robustez.

Apesar de ausente dos itens obrigatórios na etiquetagem, a durabilidade do pneu já é fornecida por muitos fabricantes. Na lateral externa é impressa a inscrição Treadwear e um número entre 60 a 700, que indica que os pneus foram submetidos a testes de durabilidade e cujo resultado maior indica sua maior vida útil.

 

Tarcisio Dias é profissional e técnico em Mecânica, além de Engenheiro Mecânico com habilitação em Mecatrônica e Radialista, desenvolve o site Mecânica Online® (www.mecanicaonline.com.br) que apresenta o único centro de treinamento online sobre mecânica na internet (www.cursosmecanicaonline.com.br), uma oportunidade para entender como as novas tecnologias são úteis para os automóveis cada vez mais eficientes.

Coluna Mecânica Online® - Aborda aspectos de manutenção, tecnologias e inovações mecânicas nos transportes em geral. Menção honrosa na categoria internet do 7º Prêmio SAE Brasil de Jornalismo, promovido pela Sociedade de Engenheiros da Mobilidade. Distribuída gratuitamente todos os dias 10, 20 e 30 do mês.

Carro parado, prejuízo dobrado. Essa frase é facilmente aplicável para qualquer veículo em nosso planeta, mas o que vai acontecer com o carro que foi lançado ao espaço no último dia 06 de fevereiro?

O carro pertencia ao empreendedor espacial, Elon Musk, que também dirige a Tesla Motors, e tinha em seu acervo o modelo da primeira geração do Tesla Roadster que ele usava para circular por Los Angeles.

Ele desejava o envio de uma carga teste no voo de demonstração do Falcon Heavy. O carro e o foguete foram ambos produzidos por empresas fundadas e dirigidas por Musk: o carro foi produzido pela Tesla Motors enquanto o foguete foi produzido pela SpaceX. O Roadster do Musk é o primeiro carro de consumo lançado ao espaço.

Dentre os objetivos do lançamento, a velocidade de saída da Terra foi suficiente para o Falcon Heavy entrar numa órbita elíptica heliocêntrica ao redor do Sol que cruza a órbita de Marte, alcançando uma distância de 1.70 UA do Sol.

O automóvel foi instalado numa posição inclinada acima do adaptador de carga com o objetivo de melhorar a distribuição de massa.

O esportivo Tesla Roadster já em sua primeira geração foi oferecido completamente elétrico. No período de fevereiro de 2008 a dezembro de 2015 foram vendidos aproximadamente 2.450 unidades em todo o mundo.

Dentro do próprio carro foram incluídos objetos engraçados como o boneco "Starman" (homem das estrelas) que está vestindo um traje espacial da SpaceX e sentado no banco do motorista, com a mão direita no volante e o braço esquerdo recostado à porta.

O nome do boneco remete à música do compositor David Bowie. O som do carro estava tocando repetidamente a música Space Oddity, também do Bowie, durante a decolagem, depois nada mais de som, pois o som não se propague no vácuo.

Também foi, literalmente para o espaço, uma cópia do livro "O Guia do Mochileiro das Galáxias" no porta-luvas, clássico da ficção científica espacial de Douglas Adams, além de toalha e uma mensagem no painel de controle escrito "Don't Panic" (não entre em pânico), ambos referências ao livro.

Outros objetos incluem uma miniatura do próprio Roadster, da Hot Wheels, uma miniatura do Starman, uma placa com os nomes dos funcionários empregados no projeto, a mensagem "Feita na Terra por humanos" gravada na placa de circuitos do carro, e uma cópia da série Fundação, de Isaac Asimov, um clássico também da literatura, armazenado em um disco de quartzo óptico à laser, feito a pedido da Arch Mission Foundation.

Nas horas seguinte ao lançamento do Falcon Heavy, câmeras instaladas no carro transmitiram sua viagem além da órbita da Terra ao vivo via Youtube, pelo canal da SpaceX. Era esperada uma duração de 12 horas de transmissão até que as baterias esgotassem, no entanto a transmissão durou apenas 4 horas.

O carro foi inicialmente colocado numa órbita de estacionamento ao redor da Terra, ainda preso ao segundo estágio do Falcon Heavy. Depois de um voo maior que o comum durando 6 horas pelo Cinturão de Van Allen, o segundo estágio fez uma nova ignição para uma trajetória de saída. O carro tinha três câmeras, que proviram "visões épicas".

Seguindo o lançamento bem sucedido, a carga foi dada com a descrição de "Tesla Roadster/Falcon SH".

O carro, a bordo do foguete, entrou numa órbita elíptica ao redor do Sol que vai além da órbita de Marte, tão longe quanto o cinturão de asteróides, mas não vai voar por Marte ou entrar em órbita ao seu redor.

Mesmo se o lançamento mirasse numa órbita de transferência marciana, nem o carro ou o estágio superior do Falcon Heavy foram projetados para funcionar em espaço profundo, faltando propulsão, manobra, potência e capacidade de comunicação requirida para operar no espaço interplanetário ou para entrar na órbita de Marte.

A proposta de lançar o Roadster em órbita heliocêntrica é para mostrar que o Falcon Heavy pode lançar cargas que alcancem Marte.

Agora, vamos ao futuro. E o que vai acontecer com esse carro pelo espaço? De acordo com Musk, o carro deve voar pelo espaço por um bilhão de anos.

"Não estou tão preocupado com o vácuo", disse William Carroll, químico da Universidade de Indiana e especialista em plásticos e moléculas orgânicas.

As forças reais que irão rasgar o carro ao longo de centenas de milhões de anos no espaço, disse Carroll, são objetos sólidos e, o mais importante, a radiação.

Mesmo que o carro evite colisões importantes, em horizontes muito longos, é improvável que o veículo possa evitar o tipo de colisões com micrometeoritos que deixam crateras ao longo do tempo, disse Carroll.

Mas, supondo que essas colisões não separem completamente o carro, a radiação irá.

Na Terra, um campo magnético poderoso e a atmosfera protegem em grande parte os seres humanos (e o próprio Tesla Roadsters) da radiação áspera do sol e dos raios cósmicos. Mas objetos espaciais não possuem tais proteções.

Orgânicos, neste caso, não significa os pedaços do carro que, obviamente, saiu de animais, como seus couros e tecidos. Em vez disso, inclui todos os plásticos no sport car e até mesmo o seu quadro de fibra de carbono.

"Esses materiais são constituídos em grande parte por ligações carbono-carbono e ligações carbono-hidrogênio", disse Carroll.

A energia da radiação estelar pode fazer com que esses vínculos se encaixem. E isso pode fazer com que o carro caia em pedaços de forma tão eficaz como se fosse atacado por uma faca.

"Quando você corta algo com uma faca, no final, você está cortando algumas ligações químicas", disse Carroll.

Uma faca corta essas ligações em uma linha reta. Mas a radiação irá dividi-los ao acaso.

E sob o forte brilho do sol não protegido, Carroll disse que esse processo pode acontecer rapidamente.

Os materiais com menos ligações que os mantêm unidos se desintegrarão primeiro, disse Carroll. Qualquer coisa escondida atrás de um escudo inorgânico (sem ligações de carbono) duraria mais, embora, eventualmente, mesmo o tecido de plástico nos pára-brisas de vidro do conversível vão descolorir e se separar. As peças robustas de fibra de carbono provavelmente seriam as últimas a sair, disse ele, durante um período de tempo muito mais longo.

Eventualmente, o Roadster provavelmente será reduzido apenas às suas partes inorgânicas bem seguras: o quadro de alumínio, os metais internos e quaisquer partes de vidro que não se quebram sob impactos de meteoro. (A idéia de que o vidro derrete durante longos períodos de tempo é um mito, disse ele.)

Ao longo do tempo, é esperado que o Roadster sofrerá danos estruturais de forma constante por radiação solar, radiação cósmica e por impacto de micrometeoritos.

Material orgânico, ou seja, qualquer material com ligação de carbono, incluindo as partes de fibra de carbono, vão começar a se quebrar devido o efeito da radiação. Pneus, pintura e o couro devem durar cerca de um ano. As partes de fibra de carbono devem durar consideravelmente mais. Eventualmente, apenas a estrutura de alumínio e o vidro não quebrado por meteoritos sobrará.

 

Tarcisio Dias é profissional e técnico em Mecânica, além de Engenheiro Mecânico com habilitação em Mecatrônica e Radialista, desenvolve o site Mecânica Online® (www.mecanicaonline.com.br) que apresenta o único centro de treinamento online sobre mecânica na internet (www.cursosmecanicaonline.com.br), uma oportunidade para entender como as novas tecnologias são úteis para os automóveis cada vez mais eficientes.

Coluna Mecânica Online® - Aborda aspectos de manutenção, tecnologias e inovações mecânicas nos transportes em geral. Menção honrosa na categoria internet do 7º Prêmio SAE Brasil de Jornalismo, promovido pela Sociedade de Engenheiros da Mobilidade. Distribuída gratuitamente todos os dias 10, 20 e 30 do mês.

http://mecanicaonline.com.br/wordpress/category/colunistas/tarcisio_dias/

Foto: Marcos Labanca

Foz do Iguaçu entrou definitivamente na cena gastronômica dos grandes eventos do segmento. Com o sucesso da primeira edição do festival Gastronomix, realizado neste sábado e domingo, 2 e 3, no Instituto Federal do Paraná, a segunda edição está confirmada para 2018.