Uma grande festa no Gramadão da Vila A, no começo da noite desta quinta-feira (30), marcou o fim do revezamento da Tocha Olímpica Rio 2016 em Foz do Iguaçu (PR). Milhares de pessoas foram até o local para saudar a passagem da tocha e acompanhar os shows artísticos, entre elas, brasileiros, paraguaios e argentinos.

A Tocha Olímpica 2016 e o Nissan Kicks, carro oficial dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016, seguem nesta quinta-feira, 30 de junho, pelo estado do Paraná. No comboio que percorrerá as ruas dos municípios de Matelândia, Medianeira, São Miguel do Iguaçu, Santa Terezinha de Itaipu e Foz do Iguaçu, o caminhão especial da Nissan vai animar a todos que acompanharem a passagem da tocha com o show dos percussionistas do Patubatê, que tocarão músicas compostas exclusivamente para o evento em instrumentos produzidos com peças do Nissan Kicks. No total, a Nissan está cedendo 40 carros para o comboio do revezamento, além do inédito Kicks, modelos consagrados, como a picape média Frontier e os sedãs Sentra e Versa.

Navegando, pedalando ou encarando as belas trilhas off-road. Neste sábado, dia 2 de julho, a cidade de Curitiba (PR) terá muitas aventuras 4x4 com dois ralis da Mitsubishi: o rali de regularidade Mitsubishi Motorsports e o rali de aventura e tarefas Mitsubishi Outdoor. A largada será realizada no Parque Barigui a partir das 7h30.

"As provas reúnem famílias e amigos para um dia divertido a bordo dos seus Mitsubishi 4x4. O percurso está incrível, passando por regiões muito bonitas. Sem dúvida, todos irão aproveitar", destaca Fernando Julianelli, diretor de marketing da Mitsubishi Motors.

Os participantes percorrerão trechos off-road nas imediações da capital paranaense, passando por belas paisagens entre montanhas e vales. Para participar, não é preciso ter experiência.

No Mitsubishi Motorsports, o objetivo é manter-se dentro do tempo e velocidade estipulados pela organização. Piloto e navegador têm quer estar atentos à planilha para não perder pontos. Podem participar os modelos 4x4 das linhas L200, Pajero e também o ASX.

Já no Mitsubishi Outdoor, as equipes são formadas por dois carros e até 10 pessoas, que se revezam em atividades esportivas e culturais. Não há um trajeto definido e cada um faz o seu roteiro, utilizando um mapa, para conseguir realizar o maior número de atividades. Podem se inscrever os modelos 4x4 das linhas L200, Pajero, ASX e Outlander.

Participação especial

O montanhista Waldemar Niclevicz irá participar do Mitsubishi Outdoor em Curitiba com uma equipe de amigos e escaladores. Ele foi o primeiro brasileiro a escalar o Monte Everest o K2 e os Sete Cumes. Será a primeira vez que ele irá encarar o rali de estratégia e tarefas.

Como participar

As inscrições são abertas sempre 12 dias antes da competição. Os interessados devem acessar o site www.mitsubishimotors.com.br e preencher o cadastro. As vagas são limitadas. Não há taxa de inscrição e cada veículo faz a doação de 30 quilos de alimentos e um cobertor, que são destinados a associações assistenciais do município por onde passa o rali.

Na sexta-feira, véspera da competição, os participantes se encontram para entregar os alimentos, confirmar a inscrição e adesivar os carros. À noite, há um briefing sobre as trilhas e aula de navegação para todos os participantes. No sábado, a partir das 7h30, os competidores se reúnem para a largada.

Os campeões da temporada na categoria Graduados ganharão uma viagem inesquecível para Pousada TW Guaimbê, em Ilhabela (SP). Já os campeões da Turismo irão para a Locanda Della Mimosa, em Petrópolis (RJ). Os prêmios são oferecidos pelo Circuito Elegante.

O Mitsubishi Motorsports tem patrocínio de Petrobras, Itaú, Transzero, W. Truffi, Clarion, Pirelli, Unirios, Embracon, STP, Tecfil, Pilkington, Sideral, Dalgas, Mapfre, Rede e Projeto Sign.

Fonte: Assessoria

O Revezamento da Tocha Olímpica Rio 2016 continua viagem pelo Paraná nesta quinta-feira (30). Ao todo, serão cerca de 140 condutores, em um percurso de 170 quilômetros, incluindo deslocamento. As cidades Matelândia, Medianeira, São Miguel do Iguaçu, Santa Terezinha de Itaipu e Foz do Iguaçu estão preparadas para recepcionar a chama Olímpica.

O revezamento inicia o dia por Matelândia, na Avenida Paraná. O percurso da tocha Olímpica se encerra na cidade com evento de celebração agendado para a Praça da Cultura. De lá, o comboio segue para o município de Medianeira, com ponto inicial no colégio estadual Arthur da Costa e Silva e encerramento na praça Angelo Daroli.

São Miguel do Iguaçu promete presença nas ruas de toda a comunidade escolar para receber a chama Olímpica. No palco de celebração da cidade, apresentações culturais como danças indígena, gauchesca e alemã estão programadas.

Em seguida, o comboio chega a Santa Terezinha de Itaipu. A tocha Olímpica será conduzida desde a igreja Santa Terezinha até a Biblioteca Municipal.

Foz do Iguaçu é a última cidade na agenda da chama Olímpica nesta quinta. Na rota do revezamento estão a Praça do Mitre, o Clube Esportivo e Social de Foz do Iguaçu (Gresfi), a Mesquita Omar Ibn Al-Khatab e a Praça da Bíblia. A pira de celebração será acesa no Gramadão da Vila A, com a apresentação do grupo Rodas de Viola, em seguida.

 Acompanhe ao vivo: 

 https://www.rio2016.com/tocha-olimpica

Victória Nieradka é atleta iguaçuense

Está tudo pronto para a passagem do Revezamento da Tocha Olímpica Rio 2016 por Foz do Iguaçu, nesta quinta-feira (30). O comboio passa antes por Matelândia, Medianeira, São Miguel do Iguaçu e Santa Terezinha de Itaipu. O revezamento terá início às 15h, no Batalhão de Foz do Iguaçu, e a pira de celebração será acesa às 19h10, no Gramadão da Vila A, com a apresentação do grupo Rodas de Viola.

Nesta terça-feira (28), durante o encontro com a imprensa, alguns condutores tiveram o prazer de conhecer a tocha Olímpica. Estiveram presentes os condutores Victoria Nieradka, indicada pela Coca-Cola; Roberto Fava, indicado pela prefeitura; e Clóris Veiga, também indicada pela prefeitura. Ivone Barofaldi, vice-prefeita de Foz do Iguaçu; Roberto Costa, secretário municipal de Esportes; e Paulo Chrusciak, coordenador esportivos de Foz do Iguaçu também estiveram presentes ao encontro.

 “Estou super feliz pela chegada da chama Olímpica em Foz do Iguaçu. Como atleta, estou muito orgulhosa de poder participar dos Jogos Olímpicos no Brasil através do Revezamento da Tocha Olímpica. Será um marco não apenas para mim, mas para toda a minha família, que está muito orgulhosa de mim”. Victoria Nieradka praticou vôlei e taekwondo, mas foi no atletismo que ela se destacou. Hoje, tem 18 anos e é especialista em salto triplo e em altura. É considerada uma promessa do Paraná nas competições.

“É um momento ímpar para minha vida e da cidade. Só de pensar que o dia tão esperado se aproxima, a emoção no peito cresce e me enche ainda mais de alegria. Só quem está vivendo esse grande acontecimento em nossa cidade e que irá conduzir a tocha Olímpica pode ter a verdadeira noção do que estou sentindo”. Roberto Fava é ginecologista e jogador do campeonato de futebol máster de Foz do Iguaçu. Apesar dos seus 70 anos de idade, joga futebol nos finais de semana com os amigos na cidade. É um dos primeiros médicos de Foz de Iguaçu, tendo realizado mais de 15 mil partos na cidade.

“Fiz de tudo na minha vida. Fui até presidente de uma liga de futsal por 20 anos. Sempre amei o esporte e estou muito honrada por receber o convite para conduzir a tocha Olímpica aqui, em Foz do Iguaçu. Posso dizer para vocês que erguer a tocha Olímpica diante de todos, será o meu maior troféu”. Clóris Maia Veiga é aposentada, mãe de cinco filhos, onze netos e cindo bisnetos. Foi administradora do antigo Hospital São Vicente de Paula e presidente da Liga Iguacuense de Futsal por 20 anos.

“Nos preparamos muito bem para receber a chama Olímpica e tenho certeza de que a maneira como iremos receber o comboio do Revezamento da Tocha Olímpica será muito mais do que especial. Convidamos também as nossas nações vizinhas para participar desse evento que marca também o esporte na América do Sul”, disse Ivone Barofaldi, vice-prefeita de Foz do Iguaçu.

A TOCHA EM FOZ DO IGUAÇU

Rota: 19,4 km de percurso

Início do revezamento: 15h, no Batalhão de Foz do Iguaçu.

Mais de 80 condutores em Foz do Iguaçu.

Cerimônia de celebração: 19h10, no Gramadão da Vila A, com a apresentação do grupo Rodas de Viola, em seguida.

A TOCHA NO BRASIL

- Mais de 300 cidades recebem o Revezamento da Tocha Olímpica Rio 2016, envolvendo 90% da população brasileira em todos os 26 estados além do Distrito Federal.

- 12.000 condutores, escolhidos por meio de campanhas públicas ou nomeações diretas (do Rio 2016 e dos patrocinadores oficiais - Coca-Cola, Nissan e Bradesco).

. São 95 dias circulando pelo Brasil, desde a saída em 3 de maio, em Brasília. A chegada ao Rio de Janeiro será em 4 de agosto. No dia seguinte, as ruas da cidade olímpica serão palco do Revezamento até a chegada ao Estádio do Maracanã, quando o último condutor acenderá a pira Olímpica na Cerimônia Oficial de Abertura dos Jogos Olímpicos Rio 2016.

. Serão percorridos 20 mil quilômetros por estradas e 10 mil milhas aéreas no trecho ao Norte e Centro-Oeste, entre Teresina e Campo Grande. Essa distância é mais da metade de uma volta ao redor da Terra pela linha do Equador (40.075km).

. Alguns lugares icônicos receberão a Tocha, como Fernando de Noronha, Chapada Diamantina, as Ruínas de São Miguel das Missões, Inhotim, Chapada dos Guimarães, Lençóis Maranhenses, entre outros;

. O objetivo do Revezamento é levar os Jogos Olímpicos Rio 2016 para todo o país. O Revezamento da Tocha no Brasil quer mostrar a essência, o calor e a diversidade dos brasileiros. A ideia é atrair os brasileiros para a rua, mostrar a multiplicidade cultural, natural e popular do povo.

Fonte: Assessoria

 

 

 

 

Felipe Tozzo é mais um que entra para o panteão dos vencedores da Copa Petrobras de Marcas. O catarinense, que fez em Tarumã a sua segunda etapa na temporada - enquanto o campeonato acaba de concluir a quarta rodada dupla -, conquistou a primeira vitória de sua carreira e a primeira do Ford Focus desde a etapa de abertura de 2015 em Goiânia, quando o hoje chefe de equipe César Bonilha venceu com o mesmo carro.

Tozzo controlou a corrida. O oitavo lugar do sábado o garantiu na pole da manhã deste domingo (26). Ele largou na frente e de cara conseguiu abrir pouco mais de um segundo para o trio da Honda que surgiu atrás do Ford Focus, com Carlos Souza, Vicente Orige e Gustavo Martins. Orige depois subiu ao segundo lugar, e Tozzo tratou de manter a margem. Segundo ele, foi esta a estratégia determinante para sua primeira vitória na categoria.

"Eu vim poupando o carro um pouco no início da corrida porque na primeira prova meu carro ‘acabou’ no meio da corrida. Isso me deixou preocupado, pois eu tinha um ritmo forte de início e depois o rendimento caía muito. Então eu tratei de dosar para não perder a corrida da metade para a frente", justificou. "Economizei pneus, vim marcando os adversários - quando eles forçavam, eu também apertava um pouco -, e graças a Deus saiu essa tão esperada vitória. Estou muito feliz, só tenho a agradecer a Deus, meus patrocinadores e ao Cesinha (Bonilha, chefe da equipe). O que ele fez por mim pouca gente faz. Tenho que dedicar a toda essa equipe maravilhosa, que fez um trabalho perfeito hoje", agradeceu.

Em segundo lugar ficou Vicente Orige, terceiro na prova anterior no sábado, e que tentou, no início da prova, pressionar Tozzo, sem sucesso. Passou a pensar no resultado e na boa quantidade de pontos somados. Continua como vice-líder da tabela, cinco pontos atrás de Gustavo Martins, que chegou na quarta colocação e soma agora 122 pontos.

"Olha, foi um final de semana excelente", afirmou o catarinense do Honda Civic #43 da JLM Sport. "Tive um prejuízo grande em Goiânia com um sexto lugar e um abandono, depois em Santa Cruz consegui recuperar bem e aqui os dois pódios - acho que fui o maior pontuador do final de semana. Então vamos seguir buscando a liderança do campeonato", disse Vicente, que somou 28 pontos em Tarumã. Ele e Nonô Figueiredo foram os maiores pontuadores do final de semana da quarta etapa.

Carlos Souza colocou outro Honda Civic no pódio com a terceira colocação. Companheiro de equipe de Orige, o paranaense ficou pela primeira vez entre os três primeiros nesta temporada. E ainda levou um susto nas voltas finais, quando seu carro escapou da pista, mas sem prejuízos quando à sua posição na corrida.

"Meu carro estava bem traseiro, difícil de guiar. Eu tinha que tomar cuidado com meus companheiros de equipe - eu tinha um à frente e outro atrás -, e enquanto a equipe me dava informações pelo rádio eu acabei me distraindo e tomei aquele susto no final. Graças a Deus deu tudo certo e pude conquistar meu primeiro pódio neste ano", concluiu.

Quarto colocado, Gustavo Martins mantém a liderança com 122 pontos contra 117 de Vicente Orige. Os dois quintos lugares de Nonô Figueiredo o alçaram ao terceiro posto com 107, enquanto Thiago Marques aparece em quarto com 102.

Entre os estreantes da temporada, o melhor foi Thiago Klein com o Toyota Corolla da Paraguay Racing. O paranaense do carro #88 terminou a prova na oitava colocação, à frente de seu companheiro de equipe Odair dos Santos.

Agora a Copa Petrobras de Marcas encara um intervalo de 75 dias até a quinta etapa, que acontece em São Paulo, no circuito de Interlagos, nos dias 10 e 11 de setembro.

Resultado Corrida 2:

1-) 57 Felipe Tozzo (Friato Racing Team/Ford Focus) - 20 voltas em 27min30s592 (média de 133,8 km/h)

2-) 43 Vicente Orige (JLM Sport/Honda Civic) - a 0s755

3-) 28 Carlos Souza (JLM Sport/Honda Civic) - a 1s541

4-) 0 Gustavo Martins (JLM Racing/Honda Civic) - a 2s655

5-) 11 Nonô Figueiredo (Onze Motorsports/Chevrolet Cruze) - a 3s055

6-) 1 Thiago Marques (RZ Motorsport/Toyota Corolla) - a 5s518

7-) 31 Willian Starostik (C2 Team/Renault Fluence) - a 7s000

8-) 88 Thiago Klein (Paraguay Racing/Toyota Corolla) - a 1 voltas

9-) 74 Odair dos Santos (Paraguay Racing/Toyota Corolla) - a 1 voltas

10-) 55 R.Gargiolo/B.Monteiro/ (Romara Sports/Chevrolet Cruze) - a 1 voltas

11-) 199 Marcelo Di Tripa (Friato Racing Team/Ford Focus) - a 3 voltas

12-) 22 Fabio Carbone (Greco/Renault Fluence) - a 5 voltas

NÃO COMPLETOU

13-) 33 P. Choate/L.Razia (RZ Motorsposrts/Toyota Corolla - 6 voltas

14-) 83 Gabriel Casagrande (C2 Team/Renault Fluence) - a 15 voltas

15-) 17 Daniel Kaefer (JLM Racing/Honda Civic) - a 17 voltas

16-) 21 Guilherme Salas (Greco/Renault Fluence) - a 20 voltas

17-) 555 Ayman Darwich (Romera Sports/Chevrolet Cruze) - a 20 voltas

18-) 12 Marcio Basso (Onze Motorsports/Chevrolet Cruze) - EXCLUÍDO

MELHOR VOLTA: Felipe Tozzo, 1min16s258 (144,8 km/h)

*Resultados sujeitos a verificações técnicas e desportivas

Classificação do Campeonato - PILOTOS:

1-) Gustavo Martins, 122 pontos

2-) Vicente Orige, 117

3-) Nonô Figueiredo, 107

4-) Thiago Marques, 102

5-) Gabriel Casagrande, 99

6-) Carlos Souza, 88

7-) Daniel Kaefer, 80

8-) Willian Starostik, 73

9-) Guilherme Salas, 65

10-) Fábio Carbone, 58

11-) Marcelo Rocha, 50

12-) Renan Guerra, 45

13-) Felipe Tozzo, 39

14-) Patrick Choate, 36

15-) Beto Monteiro, 32

16-) Luiz Razia, 27

17-) Ricardo Gargiulio, 22

18-) Thiago Klein, 21

19-) Márcio Basso, 20

20-) Cesar Bonilha, 19

21-) Renato Braga, 15

22-) Ayman Darwich, 15

23-) Odair dos Santos, 12

24-) Ricardo Sperafico, 9

Classificação do Campeonato - MARCAS:

1-) Honda - 285 pontos

2-) Renault - 256

3-) Chevrolet - 170

4-) Toyota - 153

5-) Ford - 108

Fonte: Assessoria

O GP da Esperança, quinta etapa dos campeonatos brasileiro e sulamericano de Stock Car, foi recheado de alternativas, disputas e ultrapassagens. As duas corridas realizadas na tarde deste domingo (26) no circuito de Tarumã, no Rio Grande do Sul, tiveram as vitórias de Max Wilson, da Eurofarma-RC e Júlio Campos, da Axalta C2 Team.

Fotos: Rubens Fraulini

O canoísta iguaçuense Felipe Borges, 22 anos, teve uma recepção digna de campeão olímpico, na tarde desta quinta-feira (23), no Parque da Piracema, na usina de Itaipu. Felipe é o único atleta de Foz do Iguaçu a integrar a equipe brasileira nos Jogos Olímpicos do Rio 2016. Ele foi recebido por familiares, autoridades e colegas do projeto social Meninos do Lago, de onde ele foi revelado. A mãe de Felipe, Isolde Borges, era uma das mais entusiasmadas. Durante a solenidade, a Diretoria de Itaipu anunciou a renovação do convênio do projeto por mais três anos.

Felipe desembarcou nesta tarde em Foz do Iguaçu e foi direto para o Canal Itaipu, onde treinou nos últimos anos. “Eu só tenho a agradecer ao Meninos do Lago por ter me tirado do berço e levado à Olimpíada”, disse o atleta, que faz parte do projeto desde seu  início, em 2008. Para conseguir a vaga na canoa individual (C1), Felipe concorreu com outro participante do Meninos do Lago, Leonardo Curcel, que tem uma trajetória parecida com a dele. “O Leonardo é um grande canoísta, ele me ajudou a crescer no esporte”, resumiu. A vaga foi conquistada na última sexta-feira, 17, na Europa.

O Projeto Meninos do Lago é uma parceria da Itaipu Binacional e da Confederação Brasileira de Canoagem (CBCa), com apoio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e General Electric (GE).  Pelo projeto já passaram mais de 500 jovens.

Bons resultados

 

“É uma felicidade muito grande saber que temos um representante do projeto nos Jogos Olímpicos”, disse o superintendente de Comunicação Social de Itaipu, Gilmar Piolla. “A classificação de Felipe engrandece o Meninos do Lago e mostra que tudo o que fazemos valeu a pena”.

Para Joel de Lima, assistente da Diretoria Geral de Itaipu e coordenador do Programa de Proteção à Criança e ao Adolescente (PPCA), a classificação de Felipe é uma prova de que é possível chegar ao ponto mais alto do esporte. “Há alguns anos, falávamos que nossa intenção era classificar um atleta para a Olimpíada. Hoje, renovamos nossa intenção com os atletas para os jogos de 2020. Mas, antes, vamos torcer por uma boa participação de Felipe no Rio”, disse.

O presidente da Confederação Brasileira de Canoagem (CBCa), João Tomasini Schwertner, credita a conquista de Felipe ao trabalho de parceria de Itaipu com o Meninos do Lago. “A canoagem brasileira sente-se em casa em Foz do Iguaçu. Esse projeto é um modelo que queremos levar para outros lugares. A canoagem só tem a agradecer a esse apoio”.

Para Tomasini, a canoagem slalom teve um grande salto dos Jogos de Londres 2012 até a Olimpíada Rio 2016. E ele não espera um torneio fácil na pista olímpica carioca. “O nível olímpico é muito forte, é a nata do esporte. Mas acredito que Felipe terá condições de avançar na competição”. Além do atleta iguaçuense, integram a equipe da canoagem slalom Pedro Henrique Gonçalves (caiaque individual – k1), Ana Sátila (k1), Anderson Oliveira e Charles Corrêa (canoa em dupla – c2).

Surpresa

Felipe Borges já tem longa participação em provas nacionais e internacionais. Em 2010, ele ganhou sua primeira competição, na segunda etapa da Copa Brasil, em Primavera do Leste (MT). Em 2015, veio a consagração profissional, com dois bronzes, um nos jogos pan-americanos, no Canadá, e outro no Mundial Sub-23, em Foz do Iguaçu.

Ainda assim, ele ficou surpreso com a conquista da vaga olímpica, durante a terceira etapa da Copa do Mundo de Canoagem Slalom, na França. “Tenho este sonho desde 2012, quando não consegui classificação para os Jogos de Londres. Eu assistia à atleta Ana Sátila competindo e fiquei com muita vontade de estar lá. Quando fiquei sabendo da classificação, não acreditei, não sabia o que estava acontecendo, mas logo caiu a ficha”, contou.

Inspiração

Ter uma atleta iguaçuense nos jogos olímpicos é uma inspiração para quem treina perto deste exemplo quase todos os dias. O jovem Willian Soares de Oliveira, de 18 anos, está há quase quatro no Meninos do Lago, na mesma modalidade de Felipe, a canoa simples (C1). “Ele já me deu boas dicas sobre como remar”, conta Willian, que parece ter aprendido bem a lição.

O objetivo de Willian, claro, é também chegar a uma competição de nível internacional, a exemplo do conterrâneo Felipe. “Toda atleta sonha estar numa olimpíada. Esse é meu projeto para 2020”, contou.

Agora em 2016, o atleta representará, pela primeira vez, a seleção brasileira, no Campeonato Mundial Sub-23 e Júnior, na Polônia. “Será minha primeira viagem internacional. Antes, o máximo que eu fazia era atravessar a Ponte da Amizade”, brincou. A fronteira liga o Brasil ao Paraguai.

A pouca idade de Gabrieli Aparecida dos Santos, 13 anos, esconde a experiência da atleta no esporte: ela faz parte do Meninos do Lago há sete anos e também terá uma oportunidade de representar o Brasil no Mundial, este ano. “Sonho chegar à seleção desde pequenininha”, disse a adolescente, que participa de provas de caiaque (k1) e canoa (c1). Ela também tem em Felipe uma inspiração para atingir suas próprias conquistas.

Meninos do Lago

O projeto social Meninos do Lago reúne esporte, estudos e resultados. Os treinos acontecem no Canal Itaipu, dentro da usina, em Foz do Iguaçu.

Já o Instituto Meninos do Lago (Imel) veio depois, em 2011, para representar os atletas do projeto homônimo e canoístas de Foz do Iguaçu – inclusive os integrantes da seleção brasileira permanente, que tem sede na cidade – em competições nacionais e internacionais.

O instituto se consolidou como a principal escola de canoagem slalom do Brasil e vem dominando o ranking nacional da Confederação Brasileira desde 2010.  O Imel também tem o apoio da Itaipu.

Fonte: Assessoria

Três eventos em um dia com muito 4x4. A Suzuki Veículos prepara um domingo repleto de aventuras e muitos desafios em Curitiba (PR), no próximo dia 03 de julho.

As provas são destinadas a famílias e amigos e percorrem as trilhas e estradas da região. Serão realizados o rali de regularidade Suzuki Off-Road, competição de desafios Suzuki Extreme e o passeio 4x4 Suzuki Day.

"O objetivo é a diversão e unir a família. É muito bom fazermos algo juntos e aproveitar", afirma Arlington Clementino, que participa da prova com seu Grand Vitara.

Para todos os eventos, a inscrição é gratuita e pode ser feita no site www.suzukiveiculos.com.br. Cada carro faz a doação de dois cobertores, que serão destinados a associações do município.

"Estamos preparando três provas com muito off-road para os proprietários dos veículos Suzuki. A região é repleta de belas paisagens naturais e inúmeras trilhas em meio à natureza. Sem dúvida, será um domingo muito prazeroso", exalta Fernando Julianelli, diretor de marketing da Suzuki Veículos.

"É muito bom participar do Suzuki Day, pois une o turismo na cidade com o evento. O passeio é mais tranquilo, dá para aproveitar", afirma Paulo Afonso Garcia, que participa com a esposa, Helenice Garcia.

Veja como funcionam as provas:

Suzuki Off-Road

O Suzuki Off-Road é um rali de regularidade para veículos Suzuki 4x4 das linhas Grand Vitara, Vitara, Jimny, Samurai e Sidekick. Não há divisão de categorias e a premiação é do 1º ao 5º colocado. Podem participar até quatro pessoas por carro, sendo que o navegador tem que ter no mínimo 16 anos e os acompanhantes, pelo menos, 10 anos.

Suzuki Day

Um divertido passeio 4x4. Não tem planilha, nem tempos a serem seguidos. O objetivo é passear com toda a família percorrendo lugares fantásticos. Também não há idade mínima para participação. Podem se inscrever os veículos Suzuki 4x4 das linhas Grand Vitara, Vitara, Jimny, Samurai e Sidekick.

Suzuki Extreme

Um rali mais radical para os Suzukeiros que têm experiência em práticas off-road. Além das provas dentro do veículo, os participantes também são desafiados em atividades físicas variadas. Esta prova é destinada a proprietários dos modelos Jimny, Samurai e Vitara (1° e 2° gerações) e é recomendável que o carro seja preparado com pneus off-road e tenha guincho. Podem ir até quatro pessoas por carro, com o navegador tendo mais de 16 anos e os acompanhantes mais de 10 anos.

Após os eventos, os participantes são recepcionados com um grande almoço e acompanham a cerimônia de premiação do Suzuki Off-Road e Suzuki Extreme.

As competições da Suzuki Veículos têm patrocínio de Itaú, Mobil, Clarion, Pirelli, Projeto Sign e W. Truffi.

Fonte: Assessoria

 Equipe Renault Sport de Fórmula 1 partiu para o ataque durante o primeiríssimo Grande Prêmio da Europa disputado no circuito urbano de Baku. As diferentes estratégias utilizadas produziram resultados semelhantes, com o 14º lugar para Kevin Magnussen, que largou dos boxes e fez apenas uma parada, e um lugar à frente para Jolyon Palmer, que fez duas paradas.

Após ter sido feita a troca da caixa de câmbio e regulagens no monoposto, Kevin largou da reta dos boxes, com um conjunto de pneus supermacios novos (vermelhos). Na volta de número seis, ele mudou para macios (amarelos), que foram mantidos até o término das 51 voltas.

Jolyon largou da 21ª fileira, com pneus supermacios novos, passando para macios novos na 11ª volta, antes de mudar para supermacios novos na volta de número 31.

Kevin Magnussen - R.S.16-01 n° 20 – Largada: 22º – Chegada: 14º.

“Acho que foi uma boa corrida em relação ao resultado que conseguimos. Fui quase o último classificado, larguei dos boxes e terminei em 14º. Nada mal. Aprendemos sobre o carro em situações de regulagem extrema, o que é uma boa coisa, mas a principal lição que levamos deste fim de semana é a forma como a equipe soube manter o sangue frio e se manter positiva.  São todos campeões, que já conquistaram vários títulos mundiais, por isso foi muito difícil para eles terem se classificado na penúltima posição. Mas, mesmo assim, eles mantiveram o ânimo”.

Jolyon Palmer - R.S.16-02 n°30 – Largada: 21º – Chegada: 15º.

“Novamente mostramos que nosso ritmo na corrida é bem melhor do que nos treinos classificatórios, e isso é muito bom! Um dos meus pneus macios foi parar literalmente no chão e, por isso, tive que trocar o conjunto, mas o ritmo foi muito bom até então. Os supermacios tiveram um bom comportamento também, mas ficou mais difícil recuperar o tempo perdido nos boxes. Junto com o erro cometido na largada, isso meio que definiu minha corrida. Esta é uma pista bem agradável de pilotar e é uma pena que não tenhamos tido o carro em condições para isso hoje”.

Frédéric Vasseur, Diretor de Competições

“Tendo em vista nossas posições na largada, foi um bom resultado. Os dois pilotos se mantiveram concentrados e conscientes da situação, para fazer o melhor possível. No sábado, alteramos as regulagens e a caixa de câmbio do Kevin, o que fez com que ele largasse da reta dos boxes. Por isso, definimos para ele a estratégia de uma parada e ele soube gerenciar a corrida de forma inteligente em função disso. Já Jolyon também largou com uma estratégia de uma parada em mente, mas tivemos que pará-lo novamente depois de um pneu murcho, mas também para que ele tentasse melhorar sua posição no final da corrida. O resultado de hoje demonstra a tenacidade da equipe. Independentemente da situação, não vamos abandonar e vamos continuar lutando incansavelmente”.

Fonte: Assessoria

Foto: Alexandre Marchetti

Atleta revelado pelo projeto social Meninos do Lago, Felipe Borges, de 22 anos, vai representar Foz do Iguaçu nos Jogos Olímpicos Rio 2016. Ele é o único iguaçuense classificado para a Olímpiada. O Meninos do Lago é uma parceria da Itaipu Binacional e Confederação Brasileira de Canoagem, com apoio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e General Electric (GE).

A conquista da vaga olímpica veio na Canoa Masculino Individual (C1) e foi confirmada nesta sexta-feira (17), na terceira etapa da Copa do Mundo de Canoagem Slalom, na França. Com bons resultados obtidos nas duas etapas anteriores, Felipe já tinha pontos suficientes para a classificação e precisava apenas entrar na água e cumprir tabela.

Da França, Felipe não escondeu a emoção. “Sempre foi um sonho conseguir uma vaga olímpica”, disse. “Só tenho a agradecer ao Projeto Meninos do Lago e à Itaipu, pelo apoio desde o início, e agora também ao BNDES e à GE por estarem conosco. É uma felicidade enorme representar Foz do Iguaçu nos Jogos.”

Felipe desembarca na semana que vem em Foz, onde está sendo preparada uma recepção para o atleta. No dia 30, ele desfilará com a tocha olímpica pela cidade.

Repercussão

O diretor-geral brasileiro da Itaipu, Jorge Samek, comemorou comentando a importância da socialização pelo esporte. “Quando fizemos essa parceria, não imaginávamos que seis anos depois nossa região estaria representada na Olimpíada, onde estão sempre os melhores do mundo. Saber que um filho da terra, criado nas barrancas dos rios Iguaçu e Paraná, estará lá é uma grande satisfação.”

Samek parabenizou todos os envolvidos na preparação do atleta. “Quero parabenizar todos os professores, a equipe da Canoagem Brasileira, todos seus colegas e os centenas de jovens do Projeto Meninos do Lago, que estão aprendendo e estudando. Que o exemplo do Felipe de superação seja inspirador para os demais atletas.”

Para o presidente da Confederação Brasileira de Canoagem (CBCa), João Tomasini Schwertner, a conquista de Felipe Borges é uma comprovação de que investir no social por meio do esporte pode render atletas e jovens promissores. Tomasini reforçou outro caráter do projeto. “Não temos como foco somente formar atletas olímpicos, mas sim transformar a vida de jovens e crianças.”

Disputa acirrada

Entre todas as categorias da canoagem slalom, a disputa na C1 Masculino foi a mais acirrada. Felipe tinha um concorrente de peso, Leonardo Curcel, que tem uma trajetória de vida parecida com a de Felipe. Os dois têm a mesma idade, foram revelados pelo Meninos do Lago e há anos disputam o primeiro lugar nacional na categoria. Faltava definir a vaga mais importante. Enquanto Felipe garantiu sua participação nos jogos pan-americanos e uma medalha de bronze, Leonardo desbancou o conterrâneo e se classificou para o evento teste que aconteceu em novembro passado.

A boa performance de Charles Corrêa, de Piraju, interior de São Paulo, acirrou ainda mais a competição. Felipe foi melhor e garantiu vaga na seletiva nacional, em abril. Só que na primeira etapa da Copa do Mundo, em Ivrea, na Itália, cometeu alguns erros e viu Charles Corrêa colar na disputa pela vaga. Em La Seu d’Urgell, na Espanha, durante a segunda etapa da competição, Felipe conseguiu desbancar Leonardo e Charles. Com o bom resultado, precisava apenas garantir a participação na terceira etapa. “Eu vi de perto que poderia perder, mas voltei a ter foco total.” E deu certo.

De hiperativo a concentrado

Felipe sempre foi muito hiperativo na infância. A mãe do atleta, Isolde Borges, vislumbrou no esporte uma oportunidade para o filho gastar energia e ter mais concentração. Antes de se decidir pela atividade esportiva que o consagrou, Felipe tentou várias modalidades, como vôlei e xadrez, entre outras.

A primeira paixão foi o caiaque polo, uma prévia do que viria ser o Meninos do Lago. Na época, a atividade era praticada no antigo Caic do Morumbi, hoje Escola Municipal Irio Manganelli. “Foi neste projeto que nasceu o Meninos do Lago, ainda em 2009. Com a autorização do uso do Canal Itaipu para o esporte, começamos a trabalhar com a canoagem slalom”, relembra Argos Gonçalves Dias Rodrigues, superintendente da CBCa.

Das piscinas tranquilas para as corredeiras agitadas na usina, Felipe viu na canoagem slalom o desafio que se encaixava no seu perfil. O primeiro treinador, Antônio Alves dos Santos, lembra do antigo pupilo como um garoto esperto, de muita flexibilidade e foco. “Ele sempre chegava no horário, nunca deu trabalho”, comenta Toninho.

Consagração

Os resultados vieram em seguida. Em 2010, Felipe ganhou sua primeira competição, na segunda etapa da Copa Brasil, em Primavera do Leste (MT). Em 2015 veio a consagração profissional, com dois bronzes, um nos jogos pan-americanos, no Canadá, e outro no Mundial Sub-23, em Foz do Iguaçu.

Projeto de sucesso

Felipe Borges é um exemplo de sucesso de uma ação inovadora na Canoagem Brasileira, que alinha esporte, estudos e resultados. Pelo projeto social Meninos do Lago já passaram mais de 500 jovens carentes de Foz do Iguaçu. Ao longo do tempo, o projeto – que usa a estrutura do Canal Itaipu, dentro da usina, para treinar – se consagrou por revelar grandes talentos.

Para Valdecir Fernandes da Cruz, presidente da Federação Paranaense de Canoagem, o objetivo está sendo alcançado. Hoje, metade da equipe permanente de canoagem slalom é formada por ex-integrantes do Meninos do Lago. A Fepacan iniciou os trabalhos do projeto, que depois foi abraçado pela Confederação Brasileira de Canoagem, Itaipu, BNDES e GE.

Ana Sátila

A conquista de Felipe não foi a primeira comemorada em Foz do Iguaçu. No início do ano, a mineira Ana Sátila já havia garantido a vaga no K1 Feminino. Campeã mundial júnior em 2014, vice-campeã mundial Sub 23 em 2015, medalhista de ouro nos Jogos Pan-americanos 2015 e uma das favoritas ao pódio nos Jogos Olímpicos Rio 2016, a atleta é federada pelo Instituto Meninos do Lago (Imel).

A entidade foi fundada em 2011 para representar os atletas do projeto homônimo e canoístas de Foz do Iguaçu – inclusive os integrantes da seleção brasileira permanente, que tem sede na cidade – em competições nacionais e internacionais. O instituto se consolidou como a principal escola de canoagem slalom do Brasil e vem dominando o Ranking Nacional da Confederação Brasileira desde 2010. A exemplo do projeto, o Imel também tem o apoio da Itaipu.

Fonte: Assessoria