Líder do segmento de comerciais leves por 26 anos consecutivos, o Fiat Fiorino acaba de ganhar o título de campeão da categoria furgoneta de carga na terceira edição do Prêmio Maior Valor de Revenda – Veículos Comerciais. 

O utilitário registrou índice de depreciação de apenas 17% em três anos, segundo estudo feito pela agência Autoinforme, em parceria com a Editora Frota&Cia. Esse é o menor índice de depreciação entre os modelos da categoria.

Com a chegada da plataforma mais atual e exclusiva em 2013, que fez com que realçasse ainda mais suas boas características de veículo de trabalho, o Novo Fiorino cresceu no tamanho, ganhou maior capacidade para transportar cargas, o que aumentou a sua agilidade e versatilidade nos centros urbanos. O Fiat Fiorino vem equipado com motor 1.4 Evo Flex, que tem excelente torque em baixas rotações e baixo consumo de combustível. Tem nota “A” no Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular, do Inmetro, posicionando-o entre os mais eficientes e econômicos do país.

O Fiat Doblò Cargo, vencedor das últimas duas edições do prêmio, em 2015 e 2016 respectivamente, ficou em segundo lugar este ano com apenas 18,6% depreciação ao longo de três anos. Reconhecido por seu amplo espaço interno, conforto, versatilidade, robustez e pela ótima posição de dirigir, o Doblò ajudou a garantir a hegemonia da Fiat dentro da premiação deste segmento.

Para chegar aos campeões nas 11 categorias do Prêmio Maior Valor de Revenda – Veículos Comerciais, a Agência Autoinforme utiliza as cotações de mercado da Molicar. Considerando que o prazo de renovação de frota é de cerca de três anos, a publicação pesquisa o valor médio do modelo zero quilômetro há três anos e compara com o valor médio de venda deste ano.  O levantamento avaliou o comportamento dos 100 veículos comerciais mais vendidos no mercado brasileiro.

O índice de depreciação é um indicador importante, principalmente para o mercado de veículos comerciais, pois indica quanto do investimento inicial feito será preservado no momento da renovação da frota.

De 1º de janeiro a 30 de junho foram comercializados 991.475 automóveis e comerciais leves no Brasil. No mesmo período de 2016, foram 951.098. Um aumento de 4,25%, segundo dados da A Fenabrave – Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores

Em junho, as vendas ficaram praticamente estáveis, com leve queda de 0,47% em relação ao mês anterior. Foram emplacadas 189.229 unidades, contra 190.122 em maio de 2017. Se comparado com junho do ano passado (166.416 unidades), o resultado aponta alta de 13,71%. 

Vendas devem crescer 4,3%

Com base nos estudos realizados pela Federação, o setor como um todo deve apresentar pequena queda em 2017, chegando a -1,6% para todos os segmentos somados. Mas para as vendas de automóveis, a expectativa é de alta de 4,3%.

Os 10 + de junho

Confira a lista dos 10 carros mais vendidos em junho.

 

 

Modelo

Emplacamentos

Onix

14.923

HB20 

9.715

Sandero

9.087

Ka

7.812

Prisma

6.635

Mobi  

6.562

Gol

6.529

Corolla

5.734

Toro

5.579

Uno

4.414

 

O Kicks, SUV da Nissan que há um ano vem conquistando o mercado brasileiro, agora, está sendo fabricado na fábrica de Resende, no Rio de Janeiro. Ele ganhou mais versões, uma maior paleta de cores, com opção de dois tons, e mais equipamentos tecnológicos. A grande vantagem é que agora, com mais opções, os preços começam em R$ 70.500,00, na versão S, com câmbio manual de cinco marchas. 

O pelotão móvel das Polícias Militar e Civil ganhou um reforço. O Governo do Estado adquiriu mais 135 unidades da Volkswagen Amarok.  Elas se somam as outras 240 adquiridas em 2013. Com a entrega, todas as regiões paranaenses poderão ser atendidas pelos novos veículos

Embora seja referência em sua categoria em termos de design, conectividade, tecnologia e força, as unidades da Amarok das polícias receberam sinalizadores luminosos e sonoros, compartimento para transporte de detidos, juntamente com equipamento de radiocomunicação de acordo com as especificações utilizadas pela polícia paranaense. 

O interior conta com forração especial, de alta resistência, e tapetes laváveis, para atender às exigências de uso em condições extremas. A pintura e os grafismos são especiais, de acordo com o padrão adotado por cada uma das forças policiais.