O modelo Onix chegou a 30.879 unidades financiadas nos primeiros quatro meses de 2016 e se destaca como o modelo zero quilômetro mais negociado a crédito no acumulado do ano. O auto leve está à frente do HB20, da Hyundai, que soma 20.739 financiamentos, do Ford KA, com 16.032, e do Prisma, com um total de 14.276. O Palio, da Fiat, encerra a lista dos cinco mais financiados no quadrimestre, com 12.996.

Considerando somente o mês de abril, o Onix também esteve à frente dos concorrentes, atingindo 6.649 financiamentos. Completam a lista dos cinco mais financiados no mês o HB20, com 5.242 negociações a crédito, Gol, com 3.971, KA, com 3.478, e Prisma, com 3.462.

O levantamento é da Unidade de Financiamentos da Cetip, que opera o maior banco de dados privado de informações sobre financiamentos de veículos do país, o Sistema Nacional de Gravames (SNG). Os números contemplam os veículos comercializados por crédito direto ao consumidor (CDC), leasing e consórcio.

A Toro, da Fiat, subiu quatro posições no ranking de autos leves novos mais financiados, e foi o 13º mais negociado, com 1.993 unidades vendidas a crédito. Outro carro da montadora italiana que avançou foi o Palio, que saiu da nona colocação para sexto, somando 2.671 financiamentos.

Entre as marcas, a Chevrolet se manteve na liderança, com 16.004 autos leves negociados em abril. Fiat, com 12.396, e Volkswagen, com 12.162 fecham o top 3 de montadoras que mais venderam a crédito no mês. Destaque para a Hyundai que, com 8.666 negociações, subiu uma posição e passou a Ford, ocupando agora o quarto lugar.

Fonte: Assessoria

Como todos os componentes do veículo, o catalisador automotivo necessita de verificações periódicas. Embora a peça seja desenvolvida para ter a mesma durabilidade do automóvel, a parte química, responsável por fazer a conversão dos gases tóxicos emitidos pelo motor em vapores inofensivos, pode perder a eficiência durante o tempo de uso. Se isso acontecer, o carro passa a emitir gases poluentes acima dos limites legais, gerando danos, principalmente para a saúde da população. 

Fabricante mundial de catalisador, a Umicore orienta que não é recomendável aguardar a luz da injeção eletrônica acender no painel para verificar o componente. Segundo Cláudio Furlan, gerente Comercial da Umicore, a luz é um indício que o catalisador está completamente comprometido, ou seja, não está mais realizando a conversão dos gases de forma eficiente. 

Para ter uma ideia, o índice de poluição na cidade de São Paulo é duas vezes superior do recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Os dados fazem parte de uma pesquisa internacional que analisa a situação de 3 mil cidades ao redor do mundo. Ainda segundo a OMS, mais de 7 milhões de pessoas morrem anualmente por causa da contaminação do ar. 

“Com a suspensão da Inspeção Veicular é necessário a conscientização do motorista e dos profissionais da reparação para a importância de verificar os componentes do veículo que impactam o sistema de emissões”, diz ele. O executivo recomenda revisar o veículo em oficina mecânica de confiança, que possua as ferramentas necessárias para o correto diagnóstico. O scanner automotivo é uma peça fundamental. O utensilio lê o código armazenado na central do veículo, que funciona como um computador, registrando dados, incluindo falhas de sistema. 

“É recomendável que o diagnóstico do catalisador seja realizado aos 80 mil quilômetros e depois anualmente. O intuito é averiguar se há algum código de falha dos componentes do sistema de emissões, como sensores, sonda lambda e sistema de ignição, que podem abreviar a vida útil do catalisador automotivo”, complementa Furlan.

Peças genuínas

Segundo o gerente Comercial da Umicore, os carros produzidos depois de 2010 possuem diagnóstico a bordo (OBD), permitindo uma análise mais precisa do catalisador. Além disso, é necessário que o profissional tenha um bom conhecimento técnico para interpretar corretamente o código de falha. Se for constatada a necessidade da troca, o consumidor deve exigir catalisadores homologados pelo INMETRO, o que garante a procedência e evita a instalação de equipamentos falsificados. Um catalisador homologado custa de R$350,00 a R$1.350,00 dependendo do modelo do veículo. Outra dica importante é desconfiar de preços abaixo do mercado.

Outro fator que pode abreviar a durabilidade do catalisador é o abastecimento com combustível adulterado. Substâncias inadequadas presentes em óleos lubrificantes de má procedência também podem comprometer o componente.

Saiba algumas dicas de como comprar pneus novos sem ser enganado

Muitos motoristas, com o intuito de tentar maior economia, optam por trocar seus pneus carecas por usados e que estejam menos desgastados. Entretanto, isso pode acarretar uma série de problemas em relação à dirigibilidade, ao funcionamento do veículo e, principalmente, para a segurança do motorista e passageiros.

Apesar de desembolsar uma quantia menor para adquirir esse item, o custo-benefício dos pneus usados não vale a pena. Para este caso, o diretor de E-Commerce da KD Pneus, Carlos Molina, afirma que “o ditado ‘barato sai caro’ é bem aplicado”. Muitos deles podem ter um passado desconhecido ou duvidoso e mesmo aqueles que foram utilizados por pessoas conhecidas e cuidadosas geram riscos altos.

Ao reaproveitar os pneus, você pode estar adquirindo um produto já danificado. Muitas vezes, o item foi submetido à manutenções, armazenamentos e situações impróprias para o seu modelo. Esses tipos de avaria podem torná-lo, inclusive, impróprio para ser utilizado, afetando a resposta de frenagem do automóvel e aumentando as chances de aquaplanagem.

Os maiores riscos, entretanto, estão nos detalhes que não ficam aparentes, como o desgaste irregular, deformações, furos, pequenos rasgos, dentre outros. Eles só podem ser detectados, na maioria das vezes, por meio de uma avaliação realizada por um profissional e, muitas vezes, depois que um acidente for desencadeado.

O mais indicado, portanto, é optar por investir em segurança a partir da aquisição de um jogo novo de pneus, mas, para isso, é preciso saber avaliar adequadamente na hora da compra para não ser enganado. Confira algumas dicas:

Sulcos

Eles são responsáveis por afastar a água acumulada no asfalto antes que o pneu passe por ela, diminuindo os riscos de acidentes e proporcionando maior estabilidade nas estradas.

Em vista disso, Molina explica que a tecnologia aplicada por cada marca em seus pneus é o que os diferencia de responder bem em dia de chuva ou em terreno seco em suas variações. “Vale lembrar que, mesmo com essas questões de segurança, é importante sempre manter os limites de velocidade”, alerta.

Jogo completo

Muitas vezes, procurando economia, os motoristas não trocam todos os pneus ao mesmo tempo ou, então, optam por adquirir modelos diferentes em prol da economia. Adquirir itens diferentes um do outro pode gerar uma redução na segurança, além de comprometer o desempenho do automóvel.

“Os pneus devem ter o mesmo perfil e tamanho, pois quando você instala quatro pneus diferentes entre si, a durabilidade fica comprometida, ficam desgastados de maneira irregular e principalmente, o carro fica descompensado tornando mais provável um acidente. Quando se trata de segurança, vale tomar todas as providências possíveis”, afirma Molina.

Mantendo as medidas e indicies, pode apenas trocar de marca apenas entre eixos. Ou seja, o eixo da frente pode ter pneus da marca Michelin e os de traseira da marca Goodyear.

Nunca pode-se ter na dianteira esquerda uma marca e na dianteira direita outra marca, por mais que sejam da mesma medida. Isso descompensa o veículo.

Características

Ao comprar um pneu, você precisa saber do que está em busca e para qual finalidade. Só assim a segurança estará garantida para você e sua família durante as viagens e aventuras sobre quatro rodas.

Carlos Molina dá um exemplo: “se o seu propósito é realizar trilhas, o pneu deve ser específico para off road. Caso você queira circular no asfalto, existem modelos com características diferentes”. A KD Pneus conta com atendimento especializado para lhe auxiliar nestas decisões.

Velocidade

Existem pneus que atendem a questão da velocidade que o veículo pode atingir, apesar de poucos motoristas saberem e considerarem esta informação no momento de comprar um jogo de pneus. “Esses itens são voltados especificamente para o desempenho do automóvel e são mais indicados para os esportivos. De uma maneira ou outra, vale ficar atento”, aconselha.

T = Até 190 km/h

H = Até 210 km/h

V = Até 240 km/h

W = Até 270 km/h

Y = Até 300 km/h

ZR dentro da designação do tamanho = acima de 240 km/h

Viagens de carro podem ser tediosas para as crianças. E nem todos os pais são cuidadosos no trânsito dirigindo dentro do limite de velocidade. Pensando nisso, a Nissan do Brasil lança o aplicativo "Ne.bot - Nissan Educational Robot", que pretende entreter as crianças e ajudar os adultos a dirigir com mais segurança ao mesmo tempo. Trata-se de um jogo com um robô chamado "Ne.bot", que coloca as crianças como o novo "item de segurança" de um veículo da Nissan.

O Ne.bot "acompanha" o carro como se voasse ao lado dele, e é capaz de reconhecer a velocidade permitida na via para analisar se o motorista está dirigindo dentro do limite. Caso não, o robô não "aguenta" o ritmo, para de voar e se "quebra". Um quiz educativo, com perguntas sobre segurança, energias limpas, entre outros assuntos, também faz parte das brincadeiras. Quanto maior o percurso feito dentro das normas de segurança, mais pontos serão conquistados pelo jogador. O aplicativo foi desenvolvido em parceria da Nissan com a sua agência de publicidade Lew'Lara\TBWA.

O filme (assista no link: https://youtu.be/CSHR83YaFro) será veiculado nas redes sociais da Nissan. O aplicativo, que faz parte do Safety Shield, conjunto de tecnologias de prevenção de acidentes da Nissan disponível nos modelos Altima e Sentra 2017, está disponível gratuitamente para download na Apple Store.