Segundo dados apurados pela Fenabrave – Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores, entidade que representa mais de 7 mil concessionários de veículos no Brasil, a transferência de veículos seminovos e usados, em todos os segmentos automotivos (automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas e implementos rodoviários), cresceram 5,3% no comparativo entre julho e agosto deste ano. No total, foram transferidas 1.261.007 unidades, contra 1.197.562 de julho. No acumulado deste ano, as transferências já somam 8.653.973 unidades, com pequena queda de 1,8% em comparação com o mesmo período de 2015.

Para os segmentos de automóveis e comerciais leves, somados, o total transferido registrou aumento de 5,29% ante o mês de julho e quase 10% em relação a agosto de 2015. No total, foram negociadas 950.460 unidades no oitavo mês do ano, contra 906.799 em julho. No comparativo dos oito primeiros meses de 2015 e 2016, foi registrada queda de pouco mais de 2%, totalizando 6.609.042 no ano passado, contra 6.471.250 neste ano.

De acordo com o presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Júnior, o mercado de seminovos, composto por veículos de até 3 anos, se mantém aquecido. Isso ocorre, pois, o distanciamento de preços entre alguns modelos novos e seminovos é pequeno. “Dessa forma, alguns consumidores optam por comprar um seminovo mais completo em detrimento de um novo mais simples”, explicou Assumpção Júnior.

Esta tendência é refletida na diferença da venda de usados para cada novo. Segundo a Fenabrave, a cada automóvel e comercial leve novo, vendido nas concessionárias autorizadas, são realizadas 5,6 transferências de usados. “Esta proporção é ainda maior no segmento de caminhões, que chegou a 7,2 usados para cada novo vendido”, disse o presidente da Fenabrave.

 O novo Discovery é a mais recente representação do conceito “Above and Beyond” da Land Rover, ao combinar ampla versatilidade com um incomparável espírito de aventura.

Para Gerry McGovern chefe de design da Land Rover, “o novo Discovery é um veículo que redefine o segmento de SUVs de grande porte. Os times de design e engenharia da Land Rover conseguiram revolucionar o DNA do Discovery, ao criar um veículo com bastante apelo, extremamente versátil e incrivelmente capaz dentro do segmento de SUVs premium”.

A Ford assumiu a liderança do segmento de picapes na Região Sul com a chegada da nova Ranger, que tem mostrado excelente aceitação principalmente entre os clientes do agronegócio. Desde o lançamento da nova geração, em maio, as vendas da linha cresceram mais de 70% e lhe deram uma participação que chegou a 34,2% em julho nos mercados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.

“O agronegócio é um importante segmento da economia do País, que vem se destacando e crescendo mesmo em momentos de recessão econômica, como enfrentamos nos últimos tempos. Trata-se de um mercado muito importante para a nova Ranger e representa boa parte de suas vendas”, diz  Antonio Baltar, gerente nacional de Vendas da Ford.

Segundo ele, a Região Sul tem um peso importante na indústria nacional de picapes, com 15% das vendas. O desempenho nesse mercado também contribuiu para alavancar a participação nacional da Ranger, que vem crescendo de forma consistente e chegou a 22,9% em julho.

Versões diesel

A Ford Ranger vem conquistando mercado principalmente no segmento Diesel, que concentra a maior parte das vendas de picapes médias. Suas duas versões com motor 3.2 e o avançado 2.2 atingiram um volume 70% maior nos últimos dois meses comparado à média de 2015.  

No total, a Ranger emplacou 1.569 unidades Diesel em julho, ficando entre as duas mais vendidas do Brasil com essa motorização. A principal responsável por esse desempenho foi a versão topo de linha Limited 3.2, que cresceu nada menos que 2,5 vezes em volume comparado ao ano passado. Além de equipamentos como sete airbags e controle eletrônico de estabilidade e tração (AdvanceTrac), de série para toda a linha, a picape introduziu tecnologias como piloto automático adaptativo, alerta de colisão, sistema de permanência em faixa e farol alto automático.

A nova versão 2.2 Diesel XLS, com a opção de transmissão manual ou automática, também contribuiu para esse crescimento e hoje responde por cerca de metade das vendas. Ela foi muito bem recebida no mercado, principalmente pelos clientes do agronegócio, combinando robustez, desempenho, segurança e conforto com excelente custo-benefício.

Fonte: Assessoria

Cinco meses após a inauguração oficial da planta de automóveis no Brasil, a Mercedes-Benz dá início à produção de seu segundo modelo na nova fábrica de Iracemápolis. O SUV compacto GLA será produzido na mesma linha onde já acontece a fabricação do sedã Classe C. Ambos os modelos são best-seller da Mercedes-Benz no mercado premium do Brasil.

“Ao expandir a produção local no País estamos fortalecendo de maneira consistente nossa competitividade global”, afirma Markus Schäfer, membro do Board Mercedes-Benz Automóveis, Produção e Logística. “Com a produção do GLA em Iracemápolis, estamos estabelecendo novos padrões em termos de flexibilidade e eficiência: pela primeira vez em uma de nossas plantas, veículos de tração dianteira e traseira compartilham a mesma linha de produção. Isso torna Iracemápolis referência para a rede global de produção de automóveis da marca”. Esse modelo de produção extremamente flexível é possibilitado graças ao baixo grau de automação da linha.

Uma importante etapa para a qualificação da equipe brasileira para produção do GLA foi o período em que realizaram treinamentos na fábrica de Pune, na Índia, e Kecskemét, na Hungria. Durante a capacitação, os multiplicadores puderam se familiarizar com todos os processos produtivos com objetivo de replicar esse conhecimento internamente na fábrica de Iracemápolis. Essa foi mais uma medida adotada pela companhia para assegurar que todos os veículos atendam aos mais rígidos padrões de qualidade já característicos da Mercedes-Benz, independentemente de seu local de produção.

“Os funcionários estão bastante motivados”, diz Chris Wittke, gerente sênior de Engenharia de Manufatura da Planta de Iracemápolis. “Com o auxílio da rede global de produção, foi possível preparar a nova fábrica da melhor maneira para o início da fabricação do GLA. O time fez um excelente trabalho coordenando a produção dos dois modelos em um intervalo de poucos meses”.

Rede global de produção Mercedes-Benz

A fábrica de automóveis de Iracemápolis está localizada em São Paulo e foi inaugurada em março de 2016. Ela é parte da rede global de produção da Mercedes-Benz, que inclui também as plantas da Índia, Indonésia, Malásia, Tailândia e Vietnam. Nesses locais, a Mercedes-Benz produz veículos de diversas plataformas para atender aos mercados locais. O Classe C sedã e o GLA compartilham a mesma linha de produção na planta de Iracemápolis.

Fonte: Assessoria