Foz do Iguaçu está entre os 12 destinos eleitos pelo Decolar.com como ideais para viajar na baixa temporada, com pacotes dinâmicos. O levantamento incluiu  21 países da América Latina em que está presente.

 “A lista não e um ranking, mas sim, uma seleção de destinos. É evidente que o Brasil é o país com maior procura para a baixa temporada na América Latina. A metade dos destinos listados são nossos. Isso prova que temos um atrativo, tanto nacional como internacional, fora da alta temporada de verão. ”, diz André Alves, Country Manager do Decolar.com.

 O que oferece cada um desses 12 destinos?

1. Buenos Aires

Turistas que decidem viajar para a capital da Argentina combinam, na maioria das vezes, voo + hotel + aluguel de carro nos Pacotes Dinâmicos. Os usuários que não optam pelo automóvel preferem traslados, taxis ou transporte público. 

De acordo com a análise do Decolar.com, com a combinação de produtos, o viajante conhecerá a cultura, arquitetura, gastronomia e espetáculos, além de realizar tours pela cidade.

2. Cancún 

Localizada no nordeste da Península de Yucatán, a cidade oferece aos turistas praias paradisíacas, relíquias arqueológicas e parques aquáticos e temáticos. Por isso, os Pacotes Dinâmicos para o destino combinam Hotel + Voo + Aluguel de Carro + Ticket. Cancún é um lugar em que os viajantes mais gastam, em qualquer época do ano. 

Com esse formato de viagem as possibilidades de aproveitar a viagem são amplas. Além de mergulho ou snorkelling, os turistas têm opções para todo o tipo de excursão, como por exemplo, ir para a Isla Mujeres, visitar as Ruinas de Chichén Itzá ou o parque arqueológicos Xcaret. Ter um carro à disposição em Cancun facilita ainda mais os passeios.

3. Fortaleza, Natal, Recife e Salvador

Voo + hotel + aluguel de carro é o Pacote Dinâmico predominante para visitar qualquer uma das quatro cidades do Nordeste brasileiro. 

Além de desfrutar das praias paradisíacas e do folclore local regado em sabores e ritmos, o carro também é essencial para deslocamento entre praias e diferentes cidades, com um rico patrimônio histórico como Recife e Salvador. Os usuários costumam escolher esses destinos para fugir do inverno.

 4. Puerto Iguazú e Foz do Iguaçu

Um dos destinos mais populares da América Latina, as Cataratas do Iguaçu são sempre de interesse para o turismo. Na região brasileira predominam as compras de Pacote Dinâmico que incluam hotel + tickets.

A riqueza da fauna e flora deste paraíso natural anima para combinar voo + hotel em regiões próximas aos parques naturais como Ruinas de San Ignacio, na Argentina, e a represa de Itaipú, que fica entre o Brasil e Paraguai.

 5. Orlando

Sem dúvida, esta cidade norte-americana é o destino ideal para quem quer curtir parques temáticos. Os usuários que compram Pacotes Dinâmicos no Decolar.com combinam 4 produtos: voo + hotel + aluguel de carro + ticket para os parques, incluindo Disney, Universal, Sea World e Legoland.

Mas, também é um destino de compras e, ter um carro para isso ajuda, além de diminuir muito o alto custo de outros serviços de transporte, como o taxi. Estudo do Decolar.com aponta que o viajante que compra Pacote Dinâmico, muitas vezes aproveitam a oportunidade para comprar ticket para espetáculos famoso, como o “Blue Man Group” (www.blueman.com) .

 6. Rio de Janeiro

A cidade carioca é um dos centros turísticos mundial. Voo + Hotel + Ticket é a combinação de Pacote Dinâmico feita pela maioria dos viajantes do Decolar.com para a temporada baixa.

Além de desfrutar da Cidade Maravilhosa e suas praias, os turistas podem realizar passeios para outras cidades próximas como Búzios, Angra dos Reis e Petrópolis e, também conhecer os principais pontos turísticos: Pão de Açúcar e Cristo Redentor.

7. San Carlos de Bariloche

Após a última nevada, a cidade de San Carlos de Bariloche continua sendo o destino de preferência para quem quer conhecer a Argentina. Na temporada baixa, o Pacote Dinâmico predominante é voo + hotel.

Nada melhor do que levar um mapa nos passeios para conhecer todos os pontos da cidade, seja de a pé, de carro ou de barco pelas águas do lado Nahuel Huapi. A visita ao Cerro Catedral e às altas montanhas é um roteiro clássico dos turistas.

8. Santiago do Chile

Na capital do Chile, voo + hotel + aluguel de carro é a combinação de preferência dos usuários do Decolar.com para a baixa temporada. Nos últimos anos, o destino tornou-se no destino líder para muitos turistas latino-americanos.

Com alta gastronomia e uma natureza encantadora, o aluguel de carro permite que o viajante conheça todos os atrativos da cidade e visitem as praias rochosas, algumas vinícolas importantes, centros de esqui e cidades pitorescas.

Fonte: Assessoria

 

A advogada Thaíse Thomé e o marido Carlos resolveram curtir a vida sobre rodas. Mais precisamente, sobre duas rodas. O destino foi a Serra do Rio do Rastro. E ela conta aos leitores da Sobre Rodas como foi a aventura do casal e um grupo de amigos motociclistas. Thaíse não é mais a mesma depois desta aventura. Confira: 

Após 50 dias, a usina de Itaipu voltou a abrir o vertedouro na manhã deste domingo (22). O vertimento, de forma intermitente, deve continuar pelo menos até o fim de semana. A última abertura havia sido registrada em 3 de julho.

A medida foi adotada para escoamento do excedente de água, provocado pelo excesso de chuvas na região que abastece o reservatório (bacia incremental). Há muito tempo não chovia tão intensamente na fronteira do Brasil com o Paraguai. Entre quinta-feira e domingo (18 a 21), choveu 93 milímetros (mm) na área do reservatório e 100 milímetros sobre a a bacia. Este é o mês de agosto mais chuvoso desde 2011.

Em 22 dias, só o serviço de Hidrologia de Itaipu registrou 91 mm de chuvas acumuladas em sua estação meteorológica, localizada no aeroporto da usina, em Hernandárias, no lado paraguaio da binacional. Apenas entre quinta a domingo (18 a 21) foram 65 mm. Apesar do grande volume de precipitação, a situação é normal, sem riscos de enchentes locais, por enquanto.

Vertedouro

Nesta terça-feira (23), o vertimento na calha direita era de 724 metros cúbicos de água por segundo (m³/s), o equivalente à metade da vazão média das Cataratas do Iguaçu, que varia entre 1.200 m³/s e 1.500 m³/s.

A tendência é que o volume de água suba gradativamente, atingindo um pico de até 3.000 m³/s (ou três milhões de litros de água por segundo) durante a madrugada desta quarta-feira (24). Durante o dia, o escoamento deve se manter em torno de 1.400 m³/s. De quinta a domingo, quem passar pela usina poderá encontrar o vertedouro aberto, em alguns períodos (para informações turísticas, acesse www.turismoitaipu.com.br).

Mesmo escoando o excedente de água, a geração de energia prossegue em alta em Itaipu. Nesta terça-feira, a usina já havia produzido quase 18% a mais em relação ao mesmo período de 2015. Neste ano, a binacional já gerou um total de 66.543.812 megawatts-hora (MWh), ante 56.440.054 MWh, entre 1º de janeiro e 23 de agosto de 2015. Nunca a meta dos 100 milhões de MWh anual esteve tão próxima de ser atingida como agora em 2016.

Fonte: Assessoria

Turistas domésticos e internacionais ouvidos pelo Ministério do Turismo durante os Jogos Olímpicos Rio 2016 elogiaram as opções de turismo e lazer, a diversão noturna e a hospitalidade do brasileiro. O estudo revela o perfil, gasto e tempo médio dos visitantes, além do índice de satisfação com itens como segurança, transporte público, infraestrutura e preços. De acordo com o levantamento, 87,7% dos turistas estrangeiros têm a intenção de voltar ao Brasil e 94,2% dos brasileiros querem voltar ao Rio de Janeiro. A pesquisa parcial foi divulgada nesta quinta-feira (18) no Rio de Janeiro. O conteúdo completo pode ser acessado em: http://www.turismo.gov.br/images/casabrasil/17_08_16_Apresentacao_Pesquisa_MTur_final.pptx

Para 98,7% dos turistas domésticos, a viagem ao Rio de Janeiro atendeu plenamente ou superou as expectativas. O índice de satisfação do público internacional é de 83,1%. A hospitalidade do carioca foi elogiada por 92% dos brasileiros e 98,6% dos estrangeiros. A diversão noturna também agradou. Para 93,6% dos viajantes nacionais e 96,2% dos internacionais o Rio de Janeiro é muito bom ou bom neste quesito.

“Os dados mostram que estamos realizando uma Olimpíada memorável. Para o turismo o resultado desta pesquisa é especialmente importante. Mostra que teremos um legado de imagem extremamente positivo”, comentou o ministro interino do Turismo, Alberto Alves. Ele ressaltou que o resultado do estudo representa um coroamento do ciclo de megaeventos no Brasil, com a Rio+20, Jornada Mundial da Juventude e Copa de Mundo.

A isenção de visto em caráter excepcional para a Olimpíada e Paralimpíada foi usada por 74,7% dos turistas internacionais dos países beneficiados (EUA, Canadá, Japão e Austrália) e 82,2% deles afirmaram que a medida facilitaria um retorno ao Brasil.

Infraestrutura

Os aeroportos foram elogiados por 94,6% dos turistas estrangeiros e 91,6% dos brasileiros. A segurança também foi bem avaliada por 88,4% dos visitantes internacionais e 87,1% dos nacionais, índices próximos aos registrados pelo transporte público, com 86,6% de aprovação do público externo, e 82,1% do interno.

Os locais de competição foram avaliados como bom ou muito bom por 89,6% dos brasileiros e 87,1% dos estrangeiros. O acesso para as arenas esportivas também foi aprovado por 79% dos viajantes domésticos e 80,2% dos internacionais. O item que recebeu a avaliação mais crítica foram os preços praticados nas áreas das provas olímpicas, com 50,8% de avaliação negativa por parte dos brasileiros e 42,4% por parte do público de fora.

Perfil do turista

A pesquisa revelou que o turista da olimpíada é um viajante qualificado, com renda média de US$ 3.581,00 no público internacional e acima de R$ 3,5 mil para 70% dos brasileiros. O brasileiro ficou em média 10,3 dias e teve um gasto diário de R$ 337,9. Já o estrangeiro permaneceu 11,7 dias e gastou US$ 103,7 por dia. O país que mais enviou turistas para o Brasil foram Estados Unidos (21,2%), seguidos da Argentina (14,8%) e da Inglaterra (4,8%). A maioria do público interno veio do Sudeste (51,1%), seguido do Nordeste com 18,5% e da região Sul, com 15,7%.

Os brasileiros que viajaram para o Rio de Janeiro na Olimpíada têm idade média de 37 anos, 51,3% são solteiros e 62,7% são homens. O trabalho também mostrou que os Jogos Olímpicos Rio 2016 permitiram que o brasileiro vivenciasse pela primeira vez a maior competição esportiva do mundo. Dos entrevistados, 96,3% nunca tinham participado de uma Olimpíada. Do público estrangeiro, 83,5% têm mais de 25 anos, 64,4% são homens e 56,5% estão no Brasil pela primeira vez.

A pesquisa do público doméstico, desenvolvida pela GMR Inteligência & Pesquisa, ouviu 4.150 pessoas de 03 a 16 de agosto nas arenas esportivas e Bouvelard Olímpico. O levantamento com os turistas internacionais, feita pela Fundação Instituto de Pesquisa Econômica (FIPE), ouviu 1.262 estrangeiros nos aeroportos entre os dias 6 e 16 de agosto.

A internet foi a principal fonte de informação para a organização da viagem dos dois públicos pesquisados – doméstico (70%) e internacional (63,4%). Para o público doméstico a casa de parentes e amigos foi o principal (48,6%) meio de hospedagem, seguida dos imóveis alugados com 21,2%. No caso do público internacional, 37,2% ficaram em hotéis ou flats e 25% em imóveis alugados. A principal atividade desenvolvida por brasileiros (74,8%) e estrangeiros (77,3%) foi a ir à praia.

Resultados parciais

As informações apresentadas nesta quinta-feira (18) foram extraídas da base de dados da pesquisa de demanda internacional e doméstica realizada pelo Ministério do Turismo para avaliar a experiência dos visitantes durante os Jogos Rio 2016. As entrevistas serão realizadas até os Jogos Paralímpicos. O resultado final será divulgado até o final deste ano.

Fonte: Assessoria

Nos últimos anos, Curitiba se consolidou como a capital brasileira das cervejas artesanais, concentrando algumas das principais cervejarias e mestres-cervejeiros do país. Agora, a cidade ganhará um inédito roteiro turístico e de degustação por suas principais cervejarias: o Beer Tour Curitiba. Promovido pela Capital Gourmet, empresa responsável pelas principais feiras gastronômicas da cidade, o projeto terá início em agosto com o objetivo de difundir, ainda mais, o trabalho de excelência do mercado cervejeiro curitibano.

O Beer Tour Curitiba será realizado aos sábados, a partir das 10h, com saída da Praça Tiradentes. Semanalmente, a atração trará um roteiro diferente, passando pelas principais cervejarias da cidade. Na primeira edição, os participantes terão a oportunidade de conhecer as cervejarias Bodebrown, onde também será servido o almoço, Bier Hoff e Nashville. O roteiro especial vai terminar na Swamp, onde será realizada uma confraternização com o grupo, que poderá saborear uma deliciosa costelinha barbecue.

Durante as visitações, que serão comandadas pelo guia e cervejeiro Gabriel Vasques, os participantes irão, é claro, degustar cervejas e conhecer um pouco mais sobre a história dos empreendimentos, além de ficarem por dentro do processo de produção das bebidas. 

O primeiro Beer Tour Curitiba será realizado neste sábado (13), a partir das 10h, com saída e retorno na Praça Tiradentes. O Tour completo custa R$ 150,00 por pessoa e as reservas podem ser feitas pelo telefone (41) 3501-2746. Cada participante terá direito a um Kit boas vindas e seguro viagem, degustação de 220ml em cada cervejaria, almoço (hambúrguer com chips) e lanche ao final do passeio. Mais informações na página oficial do tour no Facebook (http://bit.ly/2akBcPb ).

As Cataratas do Iguaçu fecharam julho com 179.678 visitantes, 2,3% a mais do que em julho de 2015 (175.638). É o melhor resultado da história para o mês de julho. A queda de 2,3% no número de visitantes brasileiros foi compensada com o aumento do número de estrangeiros, principalmente argentinos, paraguaios e norte-americanos, segundo balanço feito pela Cataratas do Iguaçu S.A., que administra a visitação no Parque Nacional do Iguaçu.

Da Argentina, vieram 62.097 turistas, 10,3% a mais que em julho do ano passado (56.279). Do Paraguai, o crescimento percentual foi mais expressivo: 101%. Foram 4.376 visitantes no mês, ante 2.173 em 2015. Já o número de turistas dos Estados Unidos, que em julho de 2015 foi de 2.304 pessoas, saltou para 2.747 em julho deste ano, aumento de 19,2%.

A participação percentual dos turistas argentinos na visitação do Parque Nacional do Iguaçu subiu de 32% em julho do ano passado para 34,5% em julho deste ano. Além dos hotéis e dos atrativos de Foz do Iguaçu, os argentinos também movimentaram o comércio da cidade, onde os preços da maioria dos produtos equivalem até à metade do que pagam em seu país.

Cataratas argentinas

No Parque Nacional Iguazú, onde estão as Cataratas do lado argentino, o movimento também foi grande em julho, embora inferior ao do mesmo mês de 2015, que registrou recorde histórico. No total, o parque recebeu 165 mil visitantes, ou 5% a menos do que os 173.665 registrados em julho de 2015. Mesmo assim, foi o segundo melhor mês da história do parque argentino.

A maioria dos visitantes – cerca de 75% – era procedente do próprio país, principalmente da província de Buenos Aires. Os demais eram estrangeiros, com destaque para os países do Mercosul.

No Brasil

No lado brasileiro, os dez países com maior número de visitantes em julho foram, pela ordem: Brasil (88.682), Argentina (62.097), Paraguai (4.376), Estados Unidos (2.747), França (2.154), Alemanha (1.558), Uruguai (1.335), Inglaterra (1.291), Espanha (1.274) e Peru (1.106).

Em relação a julho de 2015, os Estados Unidos perderam a terceira posição para o Paraguai, mas suplantaram a França, enquanto o Chile perdeu a posição de um dos “dez mais”. Veja como foram os números em 2015: Brasil (90.814), Argentina (56.279), França (2.712), Estados Unidos (2.304), Uruguai (2.280), Paraguai (2.173), Inglaterra (1.558), Alemanha (1.471), Peru (1.324) e Chile (1.160).

Olimpíada

A expectativa para agosto e setembro, no Parque Nacional do Iguaçu, é de aumento no número de visitantes estrangeiros. Muitos turistas que vieram ou ainda virão ao Brasil para assistir à Olimpíada do Rio de Janeiro deverão aproveitar para esticar a estadia e conhecer outros destinos turísticos do País. E Foz do Iguaçu tem como chamariz de visitantes as Cataratas do Iguaçu, conhecidas no mundo inteiro por sua beleza e pelo título de uma das sete maravilhas da natureza.

De outro lado, porém, a própria Olimpíada deve provocar uma redução ainda maior na visitação de brasileiros. Somada, ainda, à redução de voos para Foz do Iguaçu, que diminuíram a facilidade de acesso ao destino.

Fonte: Assessoria

Foto: Alexandre Marchetti

O Refúgio Biológico Bela Vista (RBV), uma das atrações da margem brasileira do complexo turístico da Itaipu Binacional, recebeu quase o dobro de visitantes em julho, na comparação com o mesmo período do ano passado. Foram 3.683 turistas, ante 1.859 em julho de 2015 – um aumento de 98%.

Considerando todas as visitas à Itaipu, turísticas e institucionais, das margens brasileira e paraguaia, a variação positiva foi de quase 20%. Foram 115.059 visitantes no mês passado, ante 96.177 visitantes registrados em julho de 2015.

No acumulado do ano, de janeiro a julho, o número de visitantes já passou de meio milhão, chegando a 507.372 pessoas – ante 462.941 registrados no mesmo período do ano passado. A variação positiva foi de 10%.

Para os gestores do turismo de Itaipu, além das férias escolares, o incremento na visitação reflete a campanha “Meu Refúgio”, protagonizada pelo alpinista Waldemar Niclevicz. A ação convida o turista a plantar uma semente de árvore nativa e a participar do “maior programa de reflorestamento do mundo realizado por uma usina hidrelétrica”.

“A campanha apresenta uma nova experiência ao visitante e isso foi amplamente divulgado, contribuindo para o aumento no número de visitação”, afirmou a gerente geral do Complexo Turístico Itaipu, Jurema Fernandes.

Segundo ela, a campanha é aberta também a moradores de Foz do Iguaçu e dos municípios lindeiros ao Lago Itaipu e da região trinacional (como Puerto Iguazú e Ciudad del Este), que não pagam nada para conhecer o atrativo.

Jurema acrescenta ainda que os bons resultados obtidos no refúgio devem gerar novas campanhas de divulgação. “Itaipu não é só a usina, temos muito mais a mostrar. Pretendemos também dar maior visibilidade aos demais atrativos e mostrar todo o potencial que cada um tem.”

 

Moradores da região não pagam

Os moradores dos municípios da região trinacional e lindeiros ao Lago de Itaipu não pagam ingresso para conhecer cinco atrativos do complexo turístico: Visita Panorâmica, Iluminação da Barragem; Refúgio Biológico; Polo Astronômico; e Ecomuseu.

Para o Circuito Especial e Porto Kattamaram, além do estacionamento no Centro de Recepção de Visitantes (CRV) de Itaipu, o desconto é de 50%.

São beneficiados os moradores dos seguintes municípios lindeiros: Capanema, Capitão Leônidas Marques, Céu Azul, Diamante do Oeste, Entre Rios do Oeste, Foz do Iguaçu, Guaíra, Itaipulândia, Lindoeste, Marechal Cândido Rondon, Matelândia, Medianeira, Mercedes, Missal, Pato Bragado, Ramilândia, Santa Helena, Santa Lúcia, Santa Tereza do Oeste, Santa Terezinha de Itaipu, São José das Palmeiras, São Miguel do Iguaçu, Serranópolis do Iguaçu, Terra Roxa, Vera Cruz do Oeste, todos no Paraná, além de Novo Mundo, no Mato Grosso do Sul.

Na região trinacional, são beneficiados com a gratuidade os moradores de Puerto Iguazu, Puerto Libertad, Puerto Esperanza e Wanda (todos na Argentina) e de Ciudad del Este, Presidente Franco, Minga Guazú e Hernandárias (no Paraguai).

Par ter o benefício, o morador deve apresentar comprovante de residência recente, acompanhado de documento com foto. Menores de 18 anos podem apresentar comprovante no nome dos pais.

Mais informações e reservas sobre os atrativos turísticos da usina podem ser obtidas pelo telefone do Turismo Itaipu (0800 645 4645) ou no site www.turismoitaipu.com.br.

Eles estão nos hotéis, nas lojas, nos atrativos. Foz do Iguaçu (PR) foi “ocupada” por argentinos, não só pelos que moram em Puerto Iguazú e vizinhanças, mas vindos de vários pontos daquele país, que vêm passar férias no Brasil e, no trajeto, aproveitam para permanecer dois ou três dias aqui, na ida ou na volta da viagem.

Os argentinos são a “esmagadora maioria”, na expressão de um hoteleiro, dos 42% de hóspedes estrangeiros que ocupam vagas nos hotéis, especialmente nos de categoria quatro estrelas. Foram eles, portanto, que garantiram para julho a ocupação média de quase 70% nos hotéis de Foz, conforme a pesquisa do Sindicato de Hotéis, Restaurantes e Bares (Sindhotéis), compensando a queda no número de turistas brasileiros.

No lado brasileiro das Cataratas, também houve aumento de visitantes da Argentina, na comparação com o ano passado. Segundo dados do Parque Nacional do Iguaçu, entre os dias 1º e 22 de julho, passaram pelos portões 44.194 argentinos, ante 36.537 no mesmo período de julho do ano passado. O crescimento é de 21%. Historicamente, os argentinos sempre foram o segundo país com mais visitantes nas Cataratas do lado de cá da fronteira, atrás apenas dos brasileiros.

No lado argentino, o número de visitantes do próprio país, no Parque Nacional Iguazú, surpreendeu, já que a previsão era pessimista, porque a Argentina também enfrenta uma crise econômica. Em alguns dias de julho, já foram superados recordes diários de visitantes, como no dia 19, quando 9.578 visitantes foram conhecer as Cataratas do lado argentino. E a expectativa, a partir daí, foi de novos recordes. Os hotéis de Puerto Iguazú também tiveram a agradável surpresa com a ocupação média inesperada, o que mostra que, na Argentina, as férias de julho são “sagradas”, com crise ou sem ela.

No caso da procura pelo Brasil, a explicação é simples. Os preços, para os visitantes, estão muito mais em conta. A diferença, em alguns casos, chega a 50%, o que faz com que os argentinos representem um grande percentual dos consumidores nas lojas e nos supermercados de Foz do Iguaçu. No novo Shopping Catuaí Palladium, por exemplo, os argentinos já representam 25% de todos os frequentadores.

Fonte: Assessoria

 

Foto: Alexandre Marchetti

A queda do dólar, que se mantém nos últimos dias abaixo de R$ 3,40, aumentou a vantagem de fazer compras no Paraguai, onde os impostos mais baixos permitem que os produtos sejam vendidos, em média, a preços 30% inferiores aos do mercado brasileiro. E, como algumas lojas praticam um câmbio diferenciado, para atrair consumidores, a vantagem pode ser ainda mais significativa.

E isso explica por que, nos últimos dois meses, aumentou em cerca de 30% o número de brasileiros nas lojas de Ciudad del Este, que faz fronteira com Foz do Iguaçu (PR), no lado brasileiro. Depois de ver o movimento despencar, quando o dólar superou a barreira dos R$ 4,00, os comerciantes paraguaios já estão mais animados e competem entre eles para atrair esses consumidores.

No caso dos produtos de luxo, por exemplo, a queda da cotação do dólar já reduziu os preços em até 40%, na comparação com os praticados no Brasil, segundo Armando Nasser, dono da Casa S.A.X.. A loja reúne mais de cem grifes internacionais, nas áreas de moda feminina, masculina, joalheria, perfumaria, decoração e bebidas e alimentos finos, decoração, bebidas e alimentos finos, e cerca de 60% de seus clientes são brasileiros.

Nasser diz que, quando o dólar subiu para mais de R$ 4,00, os preços de produtos de luxo, principalmente vestuários, vendidos no Paraguai e no Brasil, ficaram equivalentes. É que as importadoras brasileiras preferiram segurar os preços e não repassar o aumento de custos provocado pela alta da moeda norte-americana. Agora, a situação voltou ao normal, e os preços no Paraguai ficaram 40% mais baixos, já que no país vizinho a importação não sofre com a alta carga de impostos como no Brasil.

O comerciante paraguaio diz que, com o dólar variando entre R$ 3,30 e R$ 3,40, o comércio de Ciudad del Este já pode respirar. Mas ele entende que, para voltar aos níveis de vendas de 2014, ainda pode demorar um pouco mais, já que os consumidores brasileiros estão arredios devido à crise econômica e à insegurança provocada pela indefinição política. “Falta confiança para o consumidor sair gastando”, diz Nasser.

Comparações

Se em relação aos produtos de luxo a diferença chega a 40%, em outros é variável, mas sempre se pode chegar a um preço bem mais baixo que no Brasil, pesquisando as ofertas das centenas de lojas de Ciudad del Este. Como exemplo, o celular Iphone 6 de 16 GB. Em pesquisa na Internet, o preço mais baixo foi de R$ 2.069, à vista, em lojas no Brasil. Em Ciudad del Este, algumas lojas oferecem o mesmo aparelho por até R$ 1.600 (considerando o dólar a R$ 3,37. É preciso ver a cotação do dia, antes de fechar negócio). A diferença, portanto, foi de quase 30%.

Outro exemplo: o perfume masculino Pacco Rananne 1, de 100 ml, pode ser comprado em Ciudad del Este por US$ 45 (ou R$ 151); no Brasil, o valor mais baixo encontrado em pesquisa na Internet foi de R$ 219, nada menos que 45% mais caro, portanto. Já o perfume feminino Calvin Klein Euphoria Eau de Parfum 100 ml tinha preços variando entre 39 e 45 dólares, no Paraguai (R$ 131,43 a R$ 151,65, pela cotação de R$ 3,37 por dólar). No Brasil, a pesquisa mostrou que poderia ser comprado pelo valor mínimo de R$ 261,90, ou o dobro do valor mínimo encontrado em Ciudad del Este.

E o último exemplo, por sinal um dos itens de maior procura no Paraguai. O Sony Playstation 4.500 GB pode ser encontrado em Ciudad del Este por US$ 350, valor que, convertido pela cotação de R$ 3,37, chega a R$ 1.179,50. A pesquisa em lojas brasileiras, pela internet, encontrou o preço de R$ 2.069 como o valor mais baixo.

Fonte: Assessoria

Em 2015, o Brasil foi o destino escolhido por 6,3 milhões de turistas estrangeiros. Destes, 95,5% afirmaram que tem intenção de retornar ao país. A constatação faz parte da Demanda Turística Internacional, do Ministério do Turismo, divulgada nesta quarta-feira (20). Ainda segundo a pesquisa, 86,5% dos entrevistados avaliaram que a viagem superou ou atendeu plenamente as expectativas. Entre os fatores que contribuíram para o alto índice de aprovação estão: hospitalidade (97,7%), gastronomia (95,7%), hospedagem (95,6%) e restaurantes (94,7%). O detalhamento completo do estudo pode ser acessado na Agência de Notícias do Turismo.

O estudo mostra ainda que 51,3% dos visitantes escolheram o país para atividades de lazer, 20,2% para negócios e eventos e 28,5% para visita a amigos, familiares, atividades educativas, de saúde ou religiosas. No quesito lazer, as praias brasileiras foram o destino preferido de 69,4% dos turistas, um crescimento de 41% em relação a 2014, seguido de natureza, ecoturismo ou aventura (15,7%) e cultura (12,1%). Os atrativos naturais também despertaram mais interesse dos estrangeiros em 2015, um crescimento de 23% em relação a 2014. Os números reforçam a posição do país no Fórum Econômico Mundial como o número um em recursos naturais.

A Argentina foi o maior emissor de turistas para o país (2.079.823), seguido dos Estados Unidos (575.796), Chile (306.331), Paraguai (301.831) e Uruguai (267.321). Os vizinhos sul-americanos representaram 54,2% do total de visitantes estrangeiros. O número pode ser explicado em razão da facilidade de acesso, por terra e também por via aérea.

“Fortalecer o Brasil como destino turístico competitivo passa necessariamente pelo fortalecimento do turismo regional e a forte presença de turistas dos países vizinhos ao Brasil mostram que estamos fazendo bem esse trabalho”, explica o ministro interino do Turismo, Alberto Alves.

As cidades do Rio de Janeiro e de São Paulo permanecem como os destinos mais visitados por turistas estrangeiros no Brasil. Na categoria lazer, as 10 cidades mais procuradas tiveram, em 2015, a inclusão de três novos destinos: Bombinhas (SC), Angra dos Reis (RJ) e Paraty (RJ).

Perfil

A Internet foi a principal fonte de consulta dos visitantes internacionais que estiveram no Brasil em 2015, sendo utilizada por 44% dos turistas. Em 2011, ela representava 32,1% das fontes de consultas. Apesar da importância da internet, os turistas estrangeiros também recorrem a outras fontes de informação: amigos e parentes (29,5%), agência de viagens (6,1%) e guias turísticos impressos (2,9%).

Ainda segundo a pesquisa, 61,2% dos visitantes internacionais são homens e 70,4% tem nível superior ou pós-graduado. Na hora de viajar para o Brasil, 36,6% vêm sozinhos, 29,1% viajam em família e 18,2% são casais sem filho.

 

DEMANDA INTERNACIONAL - Foram ouvidos 35.133 turistas estrangeiros em 16 aeroportos internacionais, que representam mais de 99% do fluxo internacional aéreo; e 10 fronteiras terrestres, que representam cerca de 90% do fluxo internacional terrestre.

Leia mais sobre a Demanda Turística Internacional:

O estilo de viagem tradicional, com passeios pelos grandes centros urbanos, compras e quartos confortáveis de hotéis nunca esteve entre as preferências do casal Manuela Sanches (30) e Gabriel Coutinho (30). Juntos há dois anos e meio, os iguaçuenses sempre optaram por viagens mais radicais e em meio a natureza, daquelas em que basta uma barraca e os acessórios certos para se tornar espetacular.