Foto: Marcos Labanca

Foz do Iguaçu deve registrar boa ocupação na rede hoteleira durante o carnaval. Levantamento feito pelo Sindhotéis (Sindicato de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares) revela que pelo menos 86,5% dos leitos estão reservados de sábado, 24, a terça-feira, 28.

A projeção para este feriado é superior à registrada no ano passado (74,7%). O resultado da pesquisa é maior inclusive ao levantamento realizado em 2015, quando 84,1% dos leitos foram previamente reservados.

 A amostragem revela que os brasileiros são responsáveis por 78,8% das reservas nos meios de hospedagem. As solicitações feitas por estrangeiros, principalmente argentinos, correspondem a 21,2% do total.

Para o presidente do Sindhotéis, empresário Carlos Antonio da Silva, a pesquisa reflete a preferência dos turistas pelo destino. “Temos uma diversidade de atrativos turísticos, uma rede hoteleira e gastronômica de alto nível e com preços competitivos para todos os bolsos”, afirma.

O estudo foi concluído na segunda-feira, 20, com base no movimento projetado em 28 estabelecimentos. A cidade possui 176 meios de hospedagem e 27,5 mil leitos, conforme a versão mais recente do inventário da Secretaria Municipal de Turismo de Foz.

 Atrativo

A boa ocupação hoteleira refletirá nos atrativos turísticos de Foz. O Parque Nacional do Iguaçu abrirá uma hora mais cedo neste sábado (25) e domingo (26) de carnaval. A partir das 8h, as pessoas poderão ter acesso à unidade. A bilheteria funcionará até às 17h. A medida tem o objetivo de melhor atender o grande fluxo de turistas e moradores da região que visitam as Cataratas nesta época do ano.

Segundo o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), responsável pela gestão da unidade de conservação (UC), o número de funcionários, a frota de veículos e a estrutura que atende aos visitantes serão reforçados conforme a movimentação de cada dia.

Em 2016, o parque recebeu 32.405 visitantes nos quatro dias de carnaval. Neste ano a expectativa é que o movimento se repita, podendo alcançar 33 mil visitantes entre sábado e terça-feira, com maior volume no domingo, em que a previsão é de 13 mil visitantes.

Fonte: Assessoria

Um total de 1,5 mil agentes de viagens da CVC veio a Foz do Iguaçu para participar da Convenção Anual de Vendas da operadora.

A prefeita Inês Weizemann participou da abertura da Convenção Anual de Vendas da CVC em Foz do Iguaçu. Durante o evento, ela ressaltou a importância do trabalho dos agentes.

 ‘’ Os agentes de viagens são responsáveis pela geração de emprego e renda em nossa cidade. Agradeço de coração a cada um dos 1500 profissionais da CVC por trazerem turistas que vivenciarão as maravilhas do nosso destino’’, ressaltou.

Ainda de acordo com a prefeita, a experiência dos profissionais, que atuam em mais de 1100 lojas franqueadas da CVC, em conhecer Foz, vivenciar os atrativos e analisar a estrutura, será fundamental na conclusão de futuros negócios.

“ A vinda da convenção da CVC, com apoio do Iguassu Convention Bureau, e todas entidades da Gestão Integrada, possibilitará aos agentes acreditar ainda mais no potencial de nossa cidade através da comercialização de pacotes’’, reforçou Inês.

O presidente da CVC, Valter Patriani, destacou que a escolha do destino reflete o crescimento da Terra das Cataratas no mercado de viagens. Foz do Iguaçu está entre os 10 destinos nacionais mais vendidos pela operadora e hoje é uma das rotas mais procuradas por clientes da empresa.

“ A cada ano trazemos cerca de 100 mil turistas ao destino. Trouxemos nossos agentes para conhecer as belezas naturais e todos atrativos da fronteira”, disse.

Foz venceu a disputa para sediar a convenção da maior operadora de turismo da América Latina contra destinos turísticos, como Nova York e Buenos Aires.

Os agentes participarão de palestras de executivos e irão conhecer as tendências do mercado de viagens. Eles também visitarão os pontos turísticos da cidade até o dia 22. 

Também acompanharam a abertura do evento o secretário de Turismo, Lourenço Kurten, o presidente do Sindhoteis, Carlos Silva, o presidente do Comtur, Felipe Gonzalez, o presidente do Fundo Iguaçu, Gilmar Piolla e o fundador e presidente do Grupo CVC, Guilherme Paulus.

Fonte: Com assessoria

Uma série de fatores explica por que o Aeroporto Internacional e os atrativos de Foz do Iguaçu (PR) fecharam com recordes mensais históricos de movimento. Entre eles, a expectativa com a melhoria da situação econômica no Brasil, a divulgação de pesquisas que mostram a excelente relação custo-benefício da hotelaria, a mídia espontânea positiva ao longo do ano e a promoção CataratasDay2016, que atingiu 140 milhões de pessoas em todo o mundo.

Em relação ao crescimento do número de visitantes brasileiros, especialmente, o superintendente de Comunicação Social de Itaipu, Gilmar Piolla, que é também secretário-geral do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social de Foz do Iguaçu (Codefoz), tem uma explicação bem simples: “Foz do Iguaçu virou uma unanimidade nacional”.

Houve também maior movimentação de turistas estrangeiros, segundo dados da Polícia Federal. No total, passaram por Foz do Iguaçu cerca de 150 mil visitantes de outros países, especialmente da Argentina, 20 mil a mais do que no mesmo mês de 2016. A maior contribuição, neste caso, é do câmbio, que continua favorável para os turistas dos países vizinhos, principalmente.

Embarques e desembarques

O Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu registrou, no mês de janeiro, a melhor movimentação mensal de passageiros de sua história. Foram 229.313 embarques e desembarques, 17,54% a mais que o número registrado em janeiro de 2016 e 26,09% superior ao resultado de dezembro do ano passado.

Em todo o ano passado, o aeroporto recebeu 1.851.116 passageiros, considerando embarques e desembarques, numa média mensal de 154 mil passageiros. O terminal tem capacidade para 2,8 milhões de embarques e desembarques.

Rodoviária

O resultado foi surpreendente até mesmo no terminal rodoviário de Foz do Iguaçu, que passa por reforma, depois de sua operação ter sido entregue à iniciativa privada. Em janeiro, 109.857 passageiros utilizaram o terminal, contra 88.144 em janeiro do ano passado e 91.399 no primeiro mês de 2015.

Cataratas e Itaipu

Em janeiro deste ano, 216.465 turistas visitaram as Cataratas do Iguaçu, superando em 2,2% o recorde histórico de janeiro de 2015, quando o Parque Nacional do Iguaçu recebeu 211.076 visitantes. Na comparação com janeiro de 2016, quando as Cataratas receberam 201.076 turistas, o resultado foi ainda maior: aumento de 8%.

Na usina de Itaipu, a soma das visitas institucionais e pagas, em janeiro, resultou em 115.817 visitantes. O Complexo Turístico Itaipu, que administra os atrativos da margem brasileira da usina, registrou 76.745 visitantes, dos quais 63.855 brasileiros (crescimento de 5%).

O atrativo da usina com maior crescimento na procura foi o Kattamaram (10.131 pessoas, 85% a mais que em janeiro de 2016), graças à promoção que reduziu o preço para quem faz a Visita Panorâmica e o passeio de barco no reservatório. O Refúgio Biológico Bela Vista, que também foi beneficiado por uma campanha promocional, recebeu 4.166 visitantes, 53% a mais que no mesmo mês do ano passado.

Parque das Aves

Outro atrativo de destaque em Foz do Iguaçu, o Parque das Aves, teve o melhor resultado para janeiro desde sua criação, há 22 anos. Foram 92.704 visitantes. A expectativa para este ano é no mínimo repetir os números de 2016, considerados satisfatórios pela direção do parque.

Análise

Gilmar Piolla avalia que os números de janeiro são resultado de uma conjunção de fatores. Um deles “é a demonstração de confiança dos brasileiros na retomada do desenvolvimento econômico, porque a inflação e os juros baixaram”. Para os estrangeiros, o câmbio está mais favorável do que no início de 2016. E para os brasileiros, ainda, a queda do dólar para um patamar próximo a R$ 3 ajudou a reativar o turismo de compras, em Ciudad del Este (Paraguai) e Puerto Iguazú (Argentina).

Mas não é só isso, lembra Piolla. Outros fatores incluem “o boom da mídia espontânea ao longo de 2016” e, em novembro, a promoção CataratasDay, que atingiu 140 milhões de pessoas em todo o mundo. Há ainda o resultado de pesquisas, uma das quais mostrou a excelente relação custo-benefício da hotelaria de Foz do Iguaçu e outra indicou que quase 100% dos viajantes que conhecem a cidade pretendem voltar. Isso contribui para que haja uma propagação positiva e espontânea também nas redes sociais.

Para o ano

Ao longo deste ano, a tendência é de continuar o crescimento no número de visitantes, tanto pelos fatores já citados quanto por um detalhe especial: o número de feriados prolongados, os “feriadões”. Ao todo, serão dez feriados ou pontos facultativos nacionais, que permitem aos viajantes optar por destinos como Foz do Iguaçu, onde o mínimo necessário para visitar os atrativos são dois ou três dias.

Fonte: Assessoria

"Turismo e Cidades Criativas". Este será o tema que norteará as atividades do 11º Fórum Internacional de Turismo do Iguassu. O evento complementar ao Festival das Cataratas - que será realizado nos dias 28, 29 e 30 de junho, em Foz do Iguaçu (PR) - já se consolidou como um dos principais técnico-científicos do setor no Brasil. 

Em 2016, foram 264 trabalhos científicos recebidos, um recorde histórico e 36% superior em comparação a 2015. Os interessados terão entre 1º de maio e 7 de junho para submeter seus trabalhos nas categorias "Artigo Científico" e  "Resumo Expandido" por meio do site www.festivaldascataratas.com. Para aqueles que desejam apenas acompanhar como ouvinte, as inscrições começam em março.

A relação entre Turismo e os Megaeventos foi o tema principal do Fórum no ano passado, com destaque para a participação da sul-africana Mathilda Van Niekerk, PhD em Gestão de Turismo, que foi uma das responsáveis das áreas de marketing, comunicação, eventos e hospedagem, da Copa do Mundo de 2010, realizada na África do Sul. 

Fórum 

Único evento que oportuniza a academia interagir diretamente com o mercado do turismo, o Fórum Internacional de Turismo do Iguassu é promovido pela De Angeli Feiras & Eventos em parceria com o Programa de Mestrado e Doutorado em Turismo e Hotelaria da Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI). 

Nos últimos anos, o evento tem possibilitado uma importante discussão sobre os trabalhos produzidos em diversas instituições de ensino do Brasil. Os melhores trabalhos apresentados são publicados em livros (coletâneas), revistas científicas nacionais e anais on-line. Em breve, os anais da décima edição do Fórum devem ser publicados na página no Festival.

Fonte: Assessoria

No 4º trimestre de 2016, a Pesquisa Permanente de Satisfação do Passageiro feita pelo Ministério dos Transportes registrou que nove em cada dez passageiros que viajam de avião avaliaram como “bons” ou “muito bons” os aeroportos brasileiros. O Índice de Satisfação Geral do Passageiro do trimestre obteve o melhor resultado das 16 rodadas da série iniciada em 2013: 4,28 (em uma escala de 1 a 5). O Aeroporto Internacional Afonso Pena, em Curitiba, alcançou a melhor nota de satisfação geral destes quatro anos: 4,72. O terminal, escolhido como o melhor nos últimos três trimestres, é o melhor do Brasil em 2016.

Curitiba foi escolhido o melhor terminal do País pelos passageiros em 7 das 16 rodadas da pesquisa. Com 4,72 de satisfação geral no último trimestre de 2016, supera o recorde anterior, 4,68, alcançado pelo próprio terminal no trimestre anterior – o 3º de 2016. Dos 37 indicadores medidos no 4º trimestre, Curitiba ficou em primeiro lugar em 11 e segundo em 12. A satisfação geral funciona como um 38º indicador. É aferida com uma única pergunta em que o passageiro avalia de 1 a 5 a satisfação com os serviços prestados pelo aeroporto.

Nesta 16ª rodada, realizada em outubro, novembro e dezembro de 2016, foram ouvidos 14.085 passageiros nos 15 aeroportos que movimentam 80% dos viajantes. Desde que o estudo começou a ser realizado, mais de 253,5 mil pessoas já foram ouvidas. O levantamento é realizado pela Praxian – Business & Marketing, responsável pela pesquisa de campo, e o seu nível de confiança é de 95%, com margem de erro de 5%.

Gestão Eficiente

O Afonso Pena é o primeiro lugar em tempo de fila na inspeção de segurança – 4,85; o aeroporto mais bem avaliado em cordialidade e prestatividade dos funcionários da inspeção de segurança – 4,74; tem os sanitários mais limpos entre os pesquisados – 4,63; a melhor nota em qualidade da informação nos painéis das esteiras de restituição de bagagem – 4,83; a maior satisfação com o tempo de fila no check-in – 4,77; a melhor percepção na velocidade da restituição de bagagem – 4,81; o que entrega as bagagens mais íntegras – 4,71; o primeiro nos indicadores cordialidade dos funcionários da emigração – 4,96,  tempo de fila na emigração – 4,95, tempo de fila na aduana – 4,97,  e cordialidade dos funcionários da aduana – 4,96.

Ouvindo passageiros

 Já em melhoria em relação a si mesmo, Curitiba é o 8º lugar entre os 15 terminais nestes quatro anos de pesquisa, comparadas a primeira e a última rodadas. Melhorou 9,7%. Com 30,3%, Manaus (AM) foi o que mais melhorou, seguido pelo Galeão (RJ), com 23,6%, e Brasília, com 23,3%. “Quando se chega ao topo a melhoria é cada vez mais lenta, passa a ser feita nos detalhes. Uma vez lá, o objetivo é manter-se”, afirma o ministro dos Transportes, Maurício Quintella.

A gestão de qualidade é o que coloca os aeroportos brasileiros entre os melhores do mundo atualmente e a pesquisa tem a função de apontar aos gestores o que é necessário para melhorá-la. Nestes quatro anos, os terminais melhoraram 9,6% na opinião de 253,5 mil viajantes entrevistados. Considerando médias anuais do índice de satisfação geral do passageiro, a nota passou de 3,84 em 2013 para 4,21 em 2016, acima da meta estabelecida pelo Governo (4,00).

O ministro Quintella acrescenta: “Sempre que identificamos falhas em um serviço público trabalhamos para superá-las. Mas quando um serviço, que é público, é sucessivamente considerado “bom” e “muito bom” por quem o utiliza e ainda assim continua melhorando, significa que a gestão eficiente é um exercício diário para quem está por trás destes resultados. É esse desafio que nos move. Não há nada tão bom que não possa ser aprimorado”.

Depois de Curitiba, os passageiros escolheram como melhores do 4º trimestre os aeroportos de Recife/PE – 4,54, Brasília/DF – 4,44 e Santos Dumont/RJ – 4,39.

O que precisa melhorar

 As notas médias do 4º trimestre foram as melhores das 16 rodadas. Dos seis agrupamentos de indicadores que medem a qualidade dos serviços aeroportuários, os passageiros deram notas médias superiores a 4 a cinco deles. O grupo que não alcançou a média mínima estabelecida pelo Governo Federal é o chamado “Facilidades ao Passageiro”, que reúne oito indicadores para medir a qualidade do estacionamento, lanchonetes, restaurantes, comércio em geral e a disponibilidade de caixas eletrônicos, bancos e casas de câmbio. Os passageiros deram nota 3,5 ao agrupamento.

Os demais agrupamentos superaram a meta. O melhor deles é o “Órgãos Públicos” (seis indicadores), que mede a qualidade dos serviços públicos dentro dos aeroportos, com nota 4,49; seguido pelo “Companhias Aéreas” (seis indicadores), com 4,28%; “Infraestrutura Aeroportuária” (16 indicadores), com 4,22; e “Transporte Público” (um indicador), com 4,09.

Dos 38 indicadores que compõem estes agrupamentos – incluído o agrupamento/indicador em que o passageiro registra uma nota de 1 a 5 sobre a satisfação geral do passageiro, 29 tiveram notas médias maiores de 4.

CONHEÇA CADA AEROPORTO POR INDICADOR DE SATISFAÇÃO

Viste a nossa página – www.aviacao.gov.br/assuntos/pesquisa-satisfacao

Fonte: Assessoria

Viagens nos fins de semana prolongados por feriados que caem na segunda, terça, quinta ou sexta-feira devem injetar R$ 21 bilhões a mais na economia brasileira em 2017. A projeção é do Ministério do Turismo.

O levantamento, feito em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), considerou um acréscimo de 22 dias de folga no calendário, quando 10,5 milhões de viagens deverão ser feitas.

Na contramão de outros setores que projetam prejuízos com os feriados, como o comércio e a indústria, o Ministério do Turismo acredita que as viagens e o consumo nos dias de folga gerarão renda e emprego.

De acordo com o presidente da Associação Brasileira das Agências de Viagem (Abav), Edmar Bull, as empresas do segmento já começaram a sentir o impacto dos feriados com o aumento na procura por pacotes de viagens.

A entidade estima que a demanda por viagens de lazer em 2017 deverá crescer entre 8% e 14%. “Os brasileiros vão poder viajar mais, gastando menos, porque uma das vantagens da ocupação pulverizada ao longo do ano é o maior equilíbrio na equação oferta x demanda, o que impacta diretamente na composição das tarifas aéreas e hoteleiras”, comentou Bull.

Feriados

O feriado que deve gerar maior impacto é o Dia de Nossa Senhora Aparecida, em 12 de outubro, quando 1,94 milhão de viagens movimentarão R$ 3,9 bilhões na economia.

O levantamento leva em consideração os feriados de 21 de abril (Tiradentes, sexta-feira), 1º de maio (Dia do Trabalho, segunda-feira), 15 de junho (Corpus Christi, quinta-feira), 7 de setembro (Independência do Brasil, quinta-feira), 12 de outubro (Dia de Nossa Senhora Aparecida, quinta-feira) e 2 de novembro (Finados, quinta-feira).

O Carnaval, a Semana Santa, o Natal e Réveillon foram desconsiderados, porque via de regra geram fins de semana prolongados e a ideia da projeção foi levantar qual o valor a ser acrescentado na movimentação econômica nacional em 2017.

Fonte: Portal Brasil, com informações do Ministério do Turismo e da Agência Brasil

No ano em que Itaipu retomou a liderança mundial de produção de energia, o turismo também foi histórico: 954.572 visitantes passaram pelos atrativos turísticos de Itaipu em 2016, estabelecendo um novo recorde. O número supera os 952.356 visitantes registrados em 2013, coincidentemente o mesmo ano do antigo recorde de produção da binacional. A visitação de 2016 é também 16% maior que a de 2015, considerando as duas modalidades de visitas (institucional e turística) com entrada pelos dois países (Brasil e Paraguai).

“A Itaipu é uma usina de recordes e isso ficou comprovado em 2016. A perspectiva do recorde mundial de geração de energia impulsionou o aumento do número de visitantes”, afirmou o superintendente de Comunicação Social de Itaipu, Gilmar Piolla. Segundo ele, as campanhas de divulgação do turismo da usina e do Destino Iguaçu também ajudaram a impulsionar a visitação.

O destaque foi o Refúgio Biológico Bela Vista (RBV), que teve um crescimento de 82% em relação a 2015. Uma das novidades no turismo de Itaipu, no ano passado, foi a campanha “Meu Refúgio”, protagonizada pelo alpinista Waldemar Niclevicz. A ação incentiva os turistas ao plantio simbólico de sementes de árvores nativas da região. As mudas serão usadas no programa de reflorestamento da Itaipu, o maior do mundo realizado por uma usina hidrelétrica. 

No total, 522.003 pessoas visitaram todos os atrativos do Complexo Turístico da margem brasileira – Circuito Especial, Ecomuseu, Iluminação da Barragem, Visita Panorâmica, Polo Astronômico, Porto Kattamaram, Test Drive do Veículo Elétrico e Refúgio Biológico. O número é quase o mesmo de 2015. Em dezembro, a promoção “Itaipu em dose dupla”, que inclui a visita panorâmica da usina combinada com o passeio de Kattamaran, aumentou a visitação do atrativo em 18%.

No lado paraguaio, a reabertura do Museu da Terra Guarani aumentou em 96% as visitas do complexo turístico do país vizinho. Foram 207.430 turistas nos atrativos entrando pela margem paraguaia, quase 67 mil deles conheceram o Museu Guarani, que esteve fechado em 2015. Outros destaques foram o Modelo Reduzido da Barragem, com alta de 88%, e o Refúgio Biológico Tati Yupí (alta de 50%). 

A visitação institucional (aquela atendida pela própria Itaipu e feita para escolas, grupos de estudantes e de profissionais) da margem brasileira atraiu 46.198 visitantes, um crescimento de 38% em relação a 2015, ou quase 13 mil pessoas a mais. Este aumento reflete uma melhoria no fluxo dos visitantes dentro e fora da usina. As visitas institucionais da margem paraguaia tiveram um aumento de 11%.

Brasileiros e paraguaios

Como era de se esperar, brasileiros (54,32%) e paraguaios (32%) são os que mais visitaram Itaipu em 2016. Em terceiro lugar ficou Argentina (5,75%), seguida pelo Uruguai (1,03%). Alemães, peruanos, chilenos, chineses, norte-americanos e espanhóis completam a lista das 10 nacionalidades com maior número de turistas nos atrativos da binacional.

Um levantamento feito pela Paraná Pesquisas, em nove destinos turísticos brasileiros, confirmou por que Foz do Iguaçu está entre as que oferecem o melhor custo-benefício, o que inclui sua hotelaria. O levantamento mostrou que Foz do Iguaçu e Salvador (BA) são as cidades que oferecem os menores valores de diárias, em hotéis de categorias 3 e 4 estrelas, os mais procurados pelos turistas.

As informações da Paraná Pesquisas foram obtidas entre os dias 21 e 29 de novembro, utilizando os sites mais procurados pelas pessoas que planejam suas viagens de férias ou de negócios: www.booking.com, www.bestday.com.br, www.hoteis.com e www.decolar.bom\hoteis. Para chegar a esses resultados, a pesquisa simulou uma acomodação dupla, para dois períodos de hospedagem: entre 3 e 9 de janeiro e entre 24 e 30 de janeiro de 2017.

“A relação custo-benefício da hotelaria de Foz do Iguaçu é imbatível”, afirma o superintendente de Comunicação Social da Itaipu e secretário-geral do Codefoz, Gilmar Piolla. “Não só na questão de preços, mas na qualidade dos serviços oferecidos”. E conclui: “Nesse aspecto, não tem pra ninguém”.

O presidente do Sindicato de Hotéis, Carlos Silva, concorda. Para ele, Foz do Iguaçu oferece uma boa estrutura hoteleira e, cada vez mais, melhores serviços. “Com o Centro de Capacitação (mantido pelo Sindhotéis), estamos ampliando o conhecimento e a capacitação do nosso pessoal e, com isso, pretendemos atrair mais públicos, inclusive de outros países”. Ele conclui dizendo que “qualidade e preço são importantes para a decisão de escolher um destino turístico”.

A pesquisa

Além de Foz do Iguaçu e Salvador, a Paraná Pesquisas fez o levantamento de preços nos seguintes destinos: Fortaleza (CE), Natal (RN), Rio de Janeiro (RJ), Porto de Galinhas (PE), Costa do Sauípe (BA). De acordo com a Paraná Pesquisas, os valores apurados referem-se à média encontrada em cada site para a classificação de 3 e 4 estrelas (classificação também feita pelos sites, que não correspondem ao determinado pelo Ministério do Turismo).

O levantamento revelou que, nos dois períodos pesquisados, tanto em hotéis de 3 como nos de 4 estrelas, os menores preços encontrados foram em Salvador, vindo a seguir Foz do Iguaçu.

Comparativo

A média de valores do pacote para o período entre 3 e 9 de janeiro, em hotéis de 3 e 4  estrelas, foi de R$ 1.646,74 em Salvador; R$ 1.815,26 em Foz do Iguaçu; R$ 1.915,47 em Fortaleza; R$ 2.365,56 em Natal; R$ 2.454,65 no Rio de Janeiro; R$ 2.775,00 em Porto de Galinhas; R$ 2.947,60 na Costa do Sauípe; R$ 3.514,39 em Florianópolis; e R$ 3.607,73 em Gramado.

Para o período entre 24 e 30 de janeiro, a média geral apresentou valores mais baixos em sete dos nove destinos. Ficaram mais altos em Porto de Galinhas e em Salvador, que ainda assim apresentou a menor média de preços. O pacote para o período, em Salvador, ficou em R$ 1.533,81; em Foz do Iguaçu, R$ 1.650,84; em Fortaleza, R$ 1.785,83; no Rio de Janeiro, R$ 1.880,10; em Natal, R$ 2.039,26; na Costa do Sauípe, R$ 2.964,13; em Porto de Galinhas, R$ 3.195,03; em Florianópolis, R$ 3.311,09; e em Gramado, R$ 3.314,39.

Na média, a diária dos hotéis de 3 e 4 estrelas, para o período entre 3 e 9 de janeiro, foi R$ 234,49 em Salvador; R$ 302,54 em Foz do Iguaçu; R$ 319,14 em Fortaleza; R$ 391,27 em Natal; R$ 409,94 no Rio de Janeiro; R$ 491,27 na Costa do Sauípe; R$ 585,73 em Florianópolis; R$ 602,29 em Gramado; e R$ 655,74 em Porto de Galinhas.

Já para o período entre 24 e 30 de janeiro, a média de valores nos hotéis de 3 e 4 estrelas foi de R$ 255,64 em Salvador; R$ 275,29 em Foz do Iguaçu; R$ 297,64 em Fortaleza; R$ 329,56 em Natal; R$ 359,67 no Rio de Janeiro; R$ 494,02 na Costa do Sauípe; R$ 532,40 em Porto de Galinhas; R$ 551,85 em Florianópolis; e R$ 552,40 em Gramado.

Fonte: Assessoria

O Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu recebeu cerca de 70 voos extras para atender a temporada de férias, que se estende até o Carnaval. Houve também aumento no número de voos regulares, o que fez saltar de 270 pousos e decolagens semanais, em novembro, para mais de 350 em dezembro. 

Além da ampliação de voos para os destinos mais procurados, como Curitiba, São Paulo e Rio de Janeiro, houve a inclusão de novas rotas de verão, como Florianópolis (SC), Maceió (AL), Fortaleza (CE) e Salvador (BA). Só para Curitiba, incluindo os extras, há agora nove opções de voos, nos mais variados horários – sete da Azul e dois da Gol.  

“Seguramente, Foz do Iguaçu é o destino turístico não-praia com o maior número de voos extras nesta temporada de verão”, afirma o superintendente de Comunicação Social da Itaipu e secretário-geral do Codefoz, Gilmar Piolla. 

De acordo com Gisele Lima, da empresa Promo Marketing e Representação Turística, de São Paulo, “Foz consegue, através de sua diversidade, atrair visitantes para o turismo de natureza, que é uma tendência de crescimento mundial”.

Opções

De Norte a Sul do Brasil, turistas têm agora opções de voos diretos das capitais para Foz do Iguaçu. É o caso de Porto Alegre, por exemplo, atendida por voos da Azul. Da capital gaúcha para Foz, já havia três opções de voos. Agora, há também um voo às terças e quintas-feiras, às 8h, e um aos sábados, às 7h. De Foz para Porto Alegre, os voos normais são de segunda a sábado, às 9h06; na segunda-feira às 20h50; e no domingo às 9h20. A opção extra é na terça-feira, às 20h40.

A Azul também colocou um voo extra para o aeroporto de Viracopos, em Campinas, “hub” da empresa aérea para a maioria dos seus destinos. O avião sai de Foz do Iguaçu toda segunda-feira, às 5h15. Os outros nove voos da Azul para este destino continuam nos mesmos horários. 

O Rio de Janeiro, um dos destinos mais visitados por brasileiros e estrangeiros, é também a principal porta de entrada para turistas  europeus ou norte-americanos que vêm a Foz do Iguaçu. De Foz para o Rio, são nove voos extras, com opção de chegada tanto no aeroporto do Galeão (três voos) como no Santos Dumont. Normalmente, os voos diretos entre Foz e o Rio são apenas para o Galeão. 

Os voos extras saindo do Rio com destino a Foz do Iguaçu saem do Galeão todo sábado, às 14h, e às terças, às 16h50; e do Santos Dumont de segunda a sexta, às 11h55; no sábado, às 20h35; e no domingo, às 11h05.

Destinos de verão

A grande novidade desta temporada são os voos diretos entre Foz do Iguaçu e alguns dos principais destinos de verão. A Gol oferece mais opções. Um dos voos diretos liga com Salvador. A saída de Foz é na sexta-feira, às 23h15, e na segunda-feira, às 2h40. No sentido Salvador-Foz, os voos são no sábado (à 1h25) e no domingo (às 21h50).

Para Fortaleza, a Gol tem voos de Foz do Iguaçu toda quarta e domingo, às 23h50. De lá, a saída é na quinta e no domingo, às 23h45. A Gol também tem voo direto para Maceió, que sai de Foz na quarta-feira, às 23h25, e no sábado, às 18h. De Maceió para Foz, a saída é na quinta-feira, à 0h35, e no sábado, às 12h40.

Curitiba

O número de voos entre Foz do Iguaçu e Curitiba, que havia despencado no começo do ano, devido ao aumento do ICMS sobre o querosene de aviação (de 12% para 18%), foi ampliado nos últimos meses de 2016. Só a Azul passou a oferecer sete voos, enquanto a Gol, que havia suspendido a ligação com a Capital, retomou um voo normal e opera agora com mais dois voos extras.

A Azul oferece, de segunda a sábado, um voo que parte às 5h15; de domingo a sexta-feira, a saída é às 20h10; nos domingos, há opção de um voo às 8h55 e outro às 12h03; de segunda a sexta-feira, há outro voo às 15h10; às terças e quintas, tem um voo às 10h15; e de domingo a sexta-feira, a saída é às 16h15.

De Curitiba para Foz do Iguaçu, as opções são semelhantes. De domingo a sexta-feira, tem um voo às 23h10; no sábado, são dois voos, às 11h30 e às 15h50; de segunda a sexta, há um voo às 13h27; segunda, quinta e domingo, há uma opção de voo às 18h30; e na segunda, quinta, sexta e domingo, sai de Curitiba um voo às 23h50.

Da Gol, há um voo normal de domingo a sexta-feira, que sai às 16h15 de Foz com destino ao Aeroporto Internacional Afonso Pena, em São José dos Pinhais (Grande Curitiba). De Curitiba para Foz, o voo parte toda segunda, quinta e sexta, às 23h50. Já o voo extra da Gol tem saídas de Foz do Iguaçu toda segunda, terça, sexta e sábado, às 5h05. O extra sai de Curitiba para Foz de domingo a sexta, às 12h30.

Brasília e Lima

Vale destacar que a Latam é a única empresa aérea que oferece voo direto entre Foz do Iguaçu e Brasília. O voo sai toda segunda, quinta, sexta e domingo de Foz, às 16h49. De Brasília, nesses mesmos dias, a saída é às 12h50. 

A Latam é ainda a única a oferecer um voo internacional: Foz do Iguaçu-Lima, no Peru. Este voo sai de Foz toda terça, quinta, sexta, sábado e domingo às 21h50. De Lima a Foz do Iguaçu, nesses mesmos dias, a saída é às 12h10.

Fonte: Assessoria

A advogada Thaíse Tomme mais uma vez realizou uma de suas viagens sobre duas rodas repletas de aventura ao lado do marido Carlos. Desta vez o destino escolhido foi a Itália. E ela compartilha a experiência com os leitores da Sobre Rodas. 

Com a chegada das férias e festas de fim de ano a Sobre Rodas e a Rail Europe compartilham dicas de como viajar de trem pelo velho continente. Afinal, o trem é o modo mais eficiente, seguro e confortável para viajar entre os destinos da Europa. Mesmo que o turista não esteja habituado com este tipo de transporte, não há razão para se preocupar.