O prefeito de Foz do Iguaçu, Chico Brasileiro, reuniu-se na manhã desta sexta-feira (27), na sede da Itaipu em Curitiba, com o diretor-geral brasileiro da binacional, Marcos Stamm. Na pauta do encontro, a continuidade das parcerias entre o município e a empresa nos mais diversos campos, como turismo, cultura, meio ambiente, entre outros. 

“A Itaipu é imprescindível para Foz. Graças ao envolvimento da binacional, tivemos, por exemplo, um crescimento e uma qualificação do turismo, que é uma das principais atividades econômicas do município”, afirmou o prefeito.

“Hoje, Foz e Itaipu estão totalmente alinhadas”, completou o diretor Marcos Stamm. Também acompanharam o encontro o secretário de Planejamento de Foz, Elsídio Cavalcanti, e o diretor administrativo da Itaipu, João Pereira dos Santos.

Fonte: Assessoria

Pelo segundo ano consecutivo, Foz do Iguaçu vai aderir ao Fashion Revolution Day, um movimento criado por um conselho global de líderes da indústria da moda sustentável que se uniram depois do desabamento do edifício Rana Plaza, em Bangladesh, no dia 24 de abril de 2013. O acidente deixou 1.133 mortos e 2.500 feridos.

A Cobli, especializada em controle de frotas, telemetria e roteirização, oferece solução de monitoramento em tempo real

A startup Cobli estreou no mercado brasileiro no ano passado e tem tido uma ascensão meteórica. A empresa trabalha com o controle de frotas, telemetria e roteirização em tempo real e enxerga um imenso potencial no Brasil, onde apenas 5% dos veículos contam com algum tipo de sensor.

"A Cobli vem para ser uma solução completa. O sistema te dá informações úteis, análises, relatórios, até informações da bateria do veículo", detalha Rodrigo Mourad, sócio da startup.

Mourad desenvolveu a Cobli em sociedade com um empresário norte-americano que já atuava no mercado automotivo e enxergou no Brasil uma carência logística muito grande.

"Ele estudou o mercado logístico no Brasil e viu que tinha muita tecnologia a ser implementada, então eu entrei com ele nesse nicho. Levamos, mais ou menos, 1 ano e meio no desenvolvimento do sistema", relata.

Pioneira, a Cobli já conta com clientes em mais de 100 cidades em todos os Estados do País. No Paraná são 11.

Mourad explica que o equipamento desenvolvido por eles é semelhante a um pen drive, por isso, pode ser enviado por correspondência ao motorista, que fará a instalação no veículo.

Equipamento da Cobli é instalado no computador de bordo dos veículos

Lei do Descanso

A Cobli se propõe a monitorar todo o tipo de frota. No caso de caminhões, o sistema pode ser ainda mais útil a partir de agora, quando a Lei nº 13.103/2015 passou a valer em todas as estradas do País. Esta lei acrescentou ao Código de Trânsito Brasileiro (CTB) o artigo 67-E, que dispõe: 

“O tempo de direção será controlado mediante registrador instantâneo inalterável de velocidade e tempo e, ou por meio de anotação em diário de bordo, ou papeleta ou ficha de trabalho externo, ou por meios eletrônicos instalados no veículo, conforme norma do Contran”.

Mourad detalha o funcionamento do sistema da Cobli:  "A gente vai mandar um dispositivo para o caminhoneiro, ele vai instalar no carro dele (na entrada USB do computador de bordo), e o equipamento manda informação para a gente. A gente vai devolver para a empresa dentro de um site e também um app e a empresa pode monitorar e dar sugestões".

O empresário estima um crescimento muito rápido para a startup, em função dos gargalos logístico no Brasil. "Nosso objetivo é aumentar a segurança no trânsito", finaliza.

Começou a contagem regressiva. A Fespop, uma das festas populares de maior expressão no estado do Paraná, será realizada entre os dias 10 a 13 de maio em Santa Terezinha de Itaipu. O evento acontece no Parque de Exposições e Eventos. Cerca de 150 expositores são esperados nesta edição da feira, entre os quais estão empresas do agronegócio, comércio, indústria e serviços.

Há pouco mais de um ano no cargo de diretor financeiro executivo de Itaipu, o advogado londrinense Marcos Vitório Stamm é o novo diretor-geral brasileiro interino da Binacional. Ele assume no lugar do engenheiro eletricista Luiz Fernando Leone Vianna, exonerado a pedido, na última sexta-feira (6), para atuar na iniciativa privada.

O Procon de Londrina divulgou hoje mais uma pesquisa de preços de combustíveis realizada em postos da cidade. De acordo com os dados oficiais, 95 estabelecimentos foram pesquisados, porém, 12 não forneceram as informações questionadas e outros dez não possuem contato ativo, resultando em um número final de 73 postos pesquisados.

O preço médio da gasolina comum foi de R$ 4,19, o que corresponde a um aumento de R$ 0,05 (1,29%) em relação à pesquisa feita no dia 26 de fevereiro deste ano. Já o preço mínimo observado foi de R$ 3,89 e preço máximo, R$ 4,59.

Em relação ao etanol, o preço médio identificado foi de R$ 3,05 por litro, o que reflete um aumento de R$ 0,02 (1,01%) se comparado à pesquisa anterior. O valor mais alto cobrado pelo litro do etanol foi de R$ 3,29 e o menor valor foi de R$ R$ 2,84. 

De acordo com o coordenador-executivo do Procon, Gustavo Richa, o objetivo do Procon a partir da divulgação da pesquisa é dar transparência com relação aos preços aplicados, o que ajuda o cidadão a decidir qual estabelecimento é o mais conveniente na hora de abastecer.

“O principal objetivo é fazer com que as pessoas fiquem informadas a respeito dos valores aplicados nos postos de Londrina e se possível procurem aqueles que sejam mais convenientes”, disse. 

A pesquisa foi realizada no período de 29 de março a 2 de abril deste ano, e pode ser consultado no site do Procon-Ld. Para acessá-la, basta clicar no link localizado no canto esquerda da página, chamado “Setor Pesquisa”. 

Fonte: N.Com da Prefeitura de Londrina

Executivos da General Motors (GM) estiverem na ExpoLondrina na última quinta-feira (5) visitando o estande da Metronorte, concessionária Chevrolet na cidade. A reportagem da Sobre Rodas conversou com Rodrigo Perencin, gerente de marketing, e Rogério Sasaki, gerente de marketing de produto da GM Mercosul, sobre liderança, expectativa de mercado e planos de eletrificação.

Para os executivos, os 30 meses de liderança da marca no mercado brasileiro têm tudo a ver com pioneirismo e tecnologia embarcada nos veículos, com destaque para o conjunto multimídia My Link e On Star. Com o My Link, a Chevrolet introduziu os sistemas multimídia no segmento de automóveis de entrada; recentemente, inovou com a disponibilização do Waze para os motoristas.

 

Carro mais vendido na América Latina, o Chevrolet Onix já emplacou mais de 40 mil unidades no Brasil em 2018 e caminha para o 4º ano consecutivo como mais vendido do País.

“Mas não é isso que nos move. A liderança é consequência de um trabalho que a gente já vem fazendo ao longo de quase cinco anos, de uma renovação total do nosso portfólio, que colocou o Onix como carro mais vendido do Brasil por diversos atributos que ele traz como diferencial”, argumenta o executivo.

De acordo com Perencin, o Onix – lançado em 2012 - foi pensado para ser um carro com qualidade e tecnologia, característica que tem sido fundamental na decisão de compra do consumidor. Ele aponta, ainda, a economia de combustível como um dos fatores determinantes na escolha.

“Hoje o consumidor tem uma cabeça muito financeira,  sobretudo nos últimos três anos”, diz. 

Rodrigo Perencin no estande da Metronorte. Fotos: Cecília França

SUVs

Já no segmento de SUVs, o que mais cresce hoje no Brasil, a Chevrolet vive uma situação paradoxal: é uma das poucas marcas com portfólio completo, ou seja, representantes nas três categorias (compactos, médios e premium), porém, nenhum entre os mais vendidos. Perencin destaca os diferenciais da família, composta por Tracker, Equinox e Trailbrazer.

“Eu trago a Tracker, único turbo da categoria, baixíssimo consumo de combustível, dirigibilidade fantástica, um carro que pega tudo isso que o consumidor tem buscado; depois a gente entra com a Trailblazer, que disputa no segmento Premium, com dois motores, gasolina e diesel, e versão de 7 lugares com os bancos rebatíveis; e faltava a cereja do bolo, essa fatia do meio do mercado, e aí veio a Equinox. Ela traz motor 2.0 turbo, de mais de 250 cv. A gente tem dúvida se é um SUV ou um esportivo quando dirige”, garante.

Para Rogério Sasaki, gerente de marketing de produto, um posicionamento melhor neste segmento é apenas questão de tempo. “Não despontamos na liderança mas a gente vai surpreender. Completamos a família com Equinox, que é um tremendo sucesso, tem fila de espera. Já a Tracker está num mercado bastante competitivo, mas cresceu muito, de uns 3% de share neste segmento para cerca de 10%, 12%”, ressalta.

Rogério Sasaki na série especial 100 Years da S10

Elétrico

A GM tem planos de ser pioneira também em eletrificação, por isso, planeja trazer o Bolt para Brasil já em 2019. Segundo noticiou a revista Quatro Rodas no mês passado, a ideia seria ofertar o veículo 100% elétrico em um sistema de aluguel, o que o viabilizaria comercialmente, já que o preço não deve ser dos mais acessíveis.

A falta de infraestrutura no Brasil, no entanto, deve ser um empecilho para a tecnologia elétrica, já que o País conta com pouquíssimos postos de abastecimento. O Paraná conta com postos em Curitiba e, recentemente, anunciou investimentos em outros municípios do Estado, inclusive Foz do Iguaçu.

Os planos da GM também ainda podem esbarrar no Rota 2030, plano para o setor automotivo que está sendo gestado pelo Governo Federal e que vai tratar das cotas de importação, uma vez que o Bolt é fabricado nos Estados Unidos. Porém, ciente de tudo isso, Perencin enfatiza a visão de pioneirismo da montadora.

“A Chevrolet quer ser pioneira mais uma vez trazendo um carro 100% elétrico e que dá ao cliente a flexibilidade de poder carregar seu carro em casa, com poucas horas de carga na tomada normal”, destaca. O preço do Bolt nos EUA gira em torno de US$ 35 mil.

Chevrolet Bolt. Foto: Divulgação

Cecília França