Um ensino básico de qualidade é direito de todas as crianças e adolescentes e está assegurado tanto pela Constituição, quanto pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Por isso, as diretrizes curriculares do ensino básico passaram por mudanças. Mas como realizar tais modificações pensando no papel e responsabilidade do professor dentro do espaço escolar?

O ambiente escolar recebe alunos de diversas culturas, relações familiares e com especificidades de sua região. E toda essa diversidade deve ser respeitada em sala de aula. Para lidar e atender esta complexidade é necessário que as instituições, por meio de seus docentes e equipe pedagógica, estruturem um currículo que tenha condições de atender a esta diversidade de maneira significativa, tanto para o professor, quanto para os alunos, pois a realização deve acontecer para ambos os lados.

Esse desenvolver implica no planejamento do professor e na atuação do aluno em sala, já que ambos têm sua própria subjetividade que influenciam nessa organização. Por isso, é tão importante que o professor planeje suas aulas e assim, possa compreender e refletir com o aluno seus valores, potencialidades, dificuldades, história de vida e aprendizagens prévias.

Hoje a educação pensa no aluno, que estabelece sua conexão com o aprender desde sua vida uterina, mas isso não basta, é importante levar em consideração todas as estruturas cognitivas, afetivas e sociais do professor. Para que assim ele tenha a oportunidade de dedicar um tempo às pesquisas, estudos e trocas de experiências direcionadas, dentro dos momentos de permanência sejam na escola ou na universidade.

Essa democratização do currículo acaba permitindo que tanto as escolas, quanto professores se organizem em uma variedade de representações. Além de se ajustar aos mais diversos interesses e visões de mundo. A organização do currículo deve acontecer independente da condição social, cognitiva ou geográfica em que se encontram professores, alunos e sociedade.  Nós como professores, devemos colocar nossos alunos no centro do diálogo sem assumir uma postura duvidosa da prática pedagógica.

*Ana Regina Caminha Braga (Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.) é escritora, psicopedagoga e especialista em educação especial e em gestão escolar.

O primeiro Centro de Medicina Tropical da Região Sul será inaugurado nesta terça-feira (10), às 10h, em Foz do Iguaçu. Resultado de uma parceria entre o Instituto de Ensino e Pesquisa (IEP) do Hospital Ministro Costa Cavalcanti (HMCC), Itaipu Binacional e Prefeitura de Foz, o novo centro é único do País com capacidade para realizar análise de amostras de material genético humano e animal.

No local, um laboratório de biologia molecular poderá identificar, em menos de uma hora, se mosquitos Aedes aegypti capturados pelo Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) do município estão infectados com o vírus de doenças como a dengue, a zika e a febre chikungunya.

Essa identificação será importante porque vai possibilitar que a prefeitura desencadeie ações de prevenção em áreas de risco apenas 24 horas após a captura, evitando que o mosquito transmita a doença. Hoje, essa análise é feita em Curitiba e os resultados demoram de um a seis meses para ficarem prontos.

A solenidade de inauguração terá a participação do diretor-superintendente do HMCC, Rogério Soares Bohm, da prefeita interina de Foz do Iguaçu, Inês Weizemann, e da diretora financeira administrativa de Itaipu, Margaret Groff – entre outras autoridades da região e profissionais da saúde. Também é aguardada a presença do secretário de Saúde do Estado, Micheli Caputo.

Fonte: Assessoria

Seres gigantes, famosos por cuspirem fogo e voarem em alta velocidade vão invadir o Shopping Catuaí Palladium em Foz do Iguaçu. A partir do dia 10 de janeiro o centro de compras irá reviver o mito e desvendar os mistérios dessas grandes criaturas com a “Exposição Internacional – Dragões”. O público será transportado ao mundo da fantasia com a mostra internacional e gratuita até 12 de fevereiro no Shopping localizado na Avenida das Cataratas, principal corredor turístico da cidade. Todos os dias, das 14h às 20h, as crianças poderão participar da Academia de Escudeiros, onde poderão fazer seu próprio escudo. Para participar dessa oficina, o ingresso custa R$ 5,00.

Na exposição serão apresentados dragões robotizados, o maior deles chega a medir cinco metros de altura e oito de comprimento. As características dos dragões fazem com que eles pareçam reais, pois emitem sons pela boca, simulam a respiração com os movimentos do tórax, movimentam os membros superiores, inferiores, asas, cabeça e calda. Além disso, alguns dragões soltam fumaça pela boca.

Presentes em filmes, livros e seriados de TV, os dragões despertam a curiosidade de adultos e crianças. Sucesso nas telonas com ‘Coração de um Dragão’ e com a animação ‘Como Treinar o Seu Dragão’, o tema está em alta em uma das séries de maior sucesso mundial do momento: em Game Of Thrones, onde os dragões são sinônimos de poder.

Figuras da mitologia dos mais diversos povos e civilizações, os dragões assumem funções e simbologia diferentes. Há culturas que os definem como fontes sobrenaturais de sabedoria e força, outras simplesmente como feras destruidoras. “Um dos símbolos mais multifacetados representado ao longo de toda a história da humanidade sendo o animal mais complexo criado pela imaginação humana, os Dragões são seres fantásticos, que possuem algo de misterioso e exaltam a nossa fantasia”, destaca Leonardo Guelman, produtor responsável pela mostra.

De acordo com Marcela Wahrhaftig de Souza, gerente de marketing do Shopping Catuaí Palladium, a exposição é a primeira atração do calendário de 2017 para o público de Foz e turistas. “A exposição é inédita no oeste do estado e tríplice fronteira. São dragões de dois a cinco metros de altura que emitem som e movimentos que encantam os visitantes e as pessoas poderão subir em um deles para tirar fotos. Esperamos que todos os iguaçuenses e região prestigiem nossa iniciativa de trazer grandes atrações a cidade”, afirma Marcela Wahrhaftig.

A produção fica a cargo da Artbhz Produtora, empresa com mais de 40 anos de mercado, pioneira em Entretenimento Familiar para shoppings. A empresa também é responsável por outras grandes exposições de sucesso que circulam pelo país, como: O Corpo Humano, Mundo Jurássico, Xperience – Ciência e Diversão, Supergames, Brinquedoteka, Nave Planetária entre outros.

 

Foto: Andress Ribeiro

A economia do país está em crise, mas há áreas que foram menos afetadas e continuam em expansão. Como a indústria de casamentos, que segundo o IBGE, entre 2014 e 2016 houve um crescimento de 25%, movimentando cerca de R$ 16 bilhões em todo o Brasil, e a tendência continua sendo de crescimento. 

As principais mostras de casamento, mostram que este setor tem muito ainda o que inovar e crescer, trazendo novas formas de celebrar a união dos casais. A especialista e empresária de eventos, Ilze Marie, afirma que neste momento de crise, é preciso ajustar o sonho ao orçamento do casal. “O mercado de casamento parece não sentir os efeitos da crise, mas os noivos precisam ajustar o sonho para caber no orçamento. Alguns acabam optando por um mini wedding, mas não deixam de comemorar e registrar a data”, coloca. 

Uma questão debatida no meio são as tendências que sempre estão movimentando o mercado, o que faz o setor oxigenar e não estacionar. Exemplos como carrinhos gourmet, coquetelaria fina, balões metalizados com frases no lugar das plaquinhas de pista, decoração com cores fortes, convites com presentes e mimos, elementos que contem um pouco da história do casal, entre outros artigos, chegam para dar mais opções. “A tendência que nunca vai deixar de ser tendência, é a de detalhar a cerimônia e a festa com a personalidade do casal. É importante pensar nisso no momento das escolhas e decisões”, afirma Ilze.

Porém, as tendências quase sempre, saem com um preço mais elevado, até mesmo pela procura. Por isso, para que tudo fique dentro do orçamento proposto, é preciso planejamento e certa antecedência, para que tudo fique do jeito que o casal quer. “Quem vai casar deve ter em mente que é importante uma certa antecedência no início dos preparativos para poder fazer tudo com calma e curtir o processo”, coloca Ilze. 

Por isso, a Lemon Pin, empresa curitibana, lançou o primeiro pin book do Brasil, desenvolvido especialmente para essa fase de preparativos. A publicação, que serve também como uma agenda, conta com sete capítulos especiais, entre eles check list, lista de convidados, finanças e lua de mel. Ilze Marie, uma das criadoras da “Madrinha de Bolsa", coloca que a organização faz diferença no processo de planejamento. “Costumamos dizer que noivas organizadas tendem a ser mais felizes e aproveitar melhor o momento noiva. Ter um checklist bem definido, cuidando de um item de cada vez para poder focar e ter segurança nas decisões, é importantíssimo”, explica.

O pinbook conta com oito capas diferentes, onde é possível personalizar o nome ou título. Os detalhes estão também no papel, que é o mesmo utilizado para impressão de livros, além do tamanho personalizado, perfeito para uma agenda feminina. Ele pode ser adquirido no site da Lemon Pin (www.lemonpin.com.br) e os preços estão diferenciados para este fim de ano.

Fonte: Assessoria

O Destino Iguaçu começa a respirar os encantos de uma magnífica transformação em sua gastronomia. A formatura da primeira turma do curso “Cozinhas do Mundo”, assinado pela tradicional Le Cordon Bleu, está espalhando o aroma da mais alta culinária internacional em Foz do Iguaçu. A revolução gastronômica ganhará novos ares porque já estão abertas as inscrições para 2017.

Durante cinco meses, um seleto grupo de 18 alunos brasileiros, argentinos e paraguaios adquiriu conhecimento prático referente às técnicas de excelência utilizadas nas cozinhas mais importantes do planeta e ainda recebeu um certificado com a grife da escola francesa.

Os chefs de cozinha, estudantes e amantes da gastronomia viveram uma experiência única e fizeram história na cidade. Eles tiveram acesso à parte prática das técnicas culinárias dos principais pratos das cozinhas francesa, italiana, mediterrânea, asiática e peruana.

Para Gilmar Piolla, superintendente de Comunicação Social da Itaipu Binacional e um entusiasta do projeto, a Le Cordon Bleu chegou para fazer da gastronomia um novo atrativo turístico de Foz do Iguaçu. “Esperamos que, num futuro próximo, os turistas venham pra cá para se deliciarem com a qualidade da nossa culinária".

A vinda da Le Cordon Bleu é resultado de um convênio firmado entre Sindhotéis e Uniamérica, responsável pela gestão pedagógica do espaço. É também fruto de parceria com as principais entidades do trade turístico local.

Fonte: Assessoria

Nesta sexta-feira (23) tem a última apresentação do Coral Som da Vida, a partir das 20 horas, no Shopping Catuaí Palladium em Foz do Iguaçu. A cantata de Natal será no Espaço de Eventos, do piso L1, ao lado da grande árvore de Natal e do trenzinho. Depois do show dá para curtir a oficina de bolinhas e cartões de natal, fazer uma foto e os pedidos para o “bom velhinho”. As crianças vão adorar o passeio de trenzinho entre as renas, brinquedos e ursinhos fazem parte do lindo cenário de Natal do shopping. Tem ainda muita diversão no parque Magic Games, montanha russa e pista de kart no Rock’n Roller e a aventura arrepiante Ilha do Terror. Vale a pena prestigiar!

Confira a seguir a programação de Natal até 24 de dezembro e a agenda de entretenimento no Shopping Catuaí Palladium para os próximos dias.

OFICINA DE BOLINHAS E CARTÕES DE NATAL

Aprenda a fazer e customizar sua própria bolinha ou Cartão de Natal.

- até 23 de Dezembro das 14h às 22h;

Atividade Gratuita - Realizada dentro da Caixa de Presentes Gigante no Piso L2.

 PAPAI NOEL

Venha visitar o bom velhinho e fazer seus pedidos de Natal.

Visitação Gratuita

Opção de serviço de Fotografia Profissional no local. R$ 12,00 por foto impressa na hora.

TRENÓ DO PAPAI NOEL

Tire fotos com a família no trenó do Papai Noel.

Visitação gratuita – Piso L2 em frente ao Cinemark.

TRENZINHO  DE NATAL

Aproveite um passeio de trem pelas Fantasias de Natal. Renas, brinquedos e ursinhos fazem parte deste lindo cenário.

Valor: R$ 10,00 por criança.

CINEMARK

Filmes em cartaz (até 28 de dezembro):, A Última Ressaca do Ano, Minha Mãe é uma Peça 2 (estreia); O Vendedor de Sonhos, Rouge One: Uma história Star Wars (estreia), Sing – Quem Canta Seus Males Espanta (estreia), Sully – O Herói do Rio Hudson.

Programação completa: www.cinemark.com.br

LIVRARIAS CURITIBA

Hora do Conto, todos os sábados às 15 horas

Exposição “Trono de Ferro de Westeros”, até 27 de dezembro

Os fãs de Game of Thrones terão a oportunidade de ampliar a experiência descrita nas obras do americano George R.R. Martin: sentar no disputado Trono de Ferro de Westeros.  Os fãs poderão vivenciar a “verdadeira justiça”, fazer fotos no assento mais famoso do cinema e compartilhar as imagens nas redes sociais. A atração é gratuita e pode ser visitada no horário de funcionamento do Shopping Catuaí Palladium.

MAGIC GAMES

O amplo parque da Magic Games tem um Soft Play (brinquedão)  diversificado, com escorregadores de fibra, um inflável gigante  Magic Xerif, um piano de chão de 6 metros e diversos games para as crianças e adultos.

ROCK’N ROLLER

O Rock’n Roller, composto por uma Montanha Russa Indoor e uma pista Crazy Kart,  é  o espaço para diversão das crianças de 4 (quatro) a 10 (dez) anos com até 50 quilos e altura máxima de 1,5 metro.

ILHA DO TERROR

O labirinto interativo Ilha do Terror convida o público a embarcar em cenários realísticos do século XVI em uma ilha abrigada por piratas. Uma aventura arrepiante.

Fonte: Assessoria

A Itaipu Binacional é a primeira hidrelétrica do mundo a gerar, em menos de um ano, 100 milhões de megawatts-hora (MWh). A marca foi alcançada nesta terça-feira (20), às 23h16 (Horário Brasileiro de Verão), 11 dias antes de fechar 2016. O volume de energia gerada de janeiro até agora é 33% superior ao previsto no Tratado de Itaipu, que estabeleceu como produção garantida 75 milhões de MWh anuais.

A meta inédita de 100 milhões de MWh foi colocada como um desafio no final de 2012, ano em que Itaipu chegou a 98.287.128 de MWh. Quatro anos depois, a meta não só foi alcançada como poderá ser superada em mais de 2,5 milhões de MWh até fechar o ano, levando-se em conta a média de produção diária registrada em dezembro.

Os 100 milhões de MWh produzidos até esta terça-feira pela usina de Itaipu seriam suficientes para atender o mercado brasileiro de eletricidade por um período de dois meses e 16 dias; o Paraguai, por sua vez, se pudesse armazenar toda essa energia, poderia abastecer seu mercado durante sete anos e 17 dias.

Desde janeiro a Itaipu vem batendo sucessivos recordes. No sábado (17), voltou a ser a maior produtora anual de energia elétrica do mundo, superando a usina chinesa de Três Gargantas, que produziu, em 2014, 98,8 milhões de MWh. Este título de Itaipu se soma ao de maior usina em produção acumulada, com mais de 2,4 bilhões de MWh desde que entrou em operação, em 1984.

No auge

Depois de 32 anos e sete meses de sua entrada em operação, Itaipu vive atualmente o auge da produção e produtividade, com o máximo de aproveitamento dos recursos hídricos. Este ano, a produção de Itaipu foi suficiente para atender nada menos que 18% de todo o mercado brasileiro de eletricidade e 82% do mercado paraguaio.

“O aumento de geração de Itaipu – e também da maioria das hidrelétricas brasileiras, beneficiadas pela regularização das chuvas no País, este ano – contribui para diminuir os gastos do consumidor brasileiro com a eletricidade”, diz o diretor-geral brasileiro de Itaipu, Jorge Samek. Segundo ele, "esse é um dos principais impactos positivos gerados pelo crescimento da hidroeletricidade este ano no País. Itaipu tem uma grande participação no impulso dessa matriz".  

De abril até outubro, o sistema de bandeiras tarifárias adotado nas contas de luz pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) passou para a cor verde, o que na prática significa que deixaram de ser cobradas as taxas extras previstas nas bandeiras amarela e vermelha. Agora, em dezembro, o governo voltou a sinalizar que a bandeira verde vai vigorar durante todo o verão.

Participação de Itaipu

A produção das usinas hidrelétricas, entre janeiro e novembro de 2016, foi 7,3% superior à do mesmo período do ano passado, segundo o Operador Nacional do Sistema. Itaipu participa com 22% de toda a energia hidrelétrica do Sistema Interligado Nacional (o índice é de 18% quando são consideradas também as outras matrizes elétricas – biomassa, eólica, fóssil, hídrica, nuclear e solar).

Só nos primeiros 11 meses do ano, Itaipu produziu 94,2 milhões de MWh e despachou ao Brasil 83,4 milhões de MWh (a diferença foi a energia enviada para o Paraguai). O aumento da produção em relação ao mesmo período do ano passado foi de 15%.

Potência do Brasil

O parque gerador de eletricidade, no Brasil, dispõe de 4.620 empreendimentos em operação, incluindo todas as fontes, renováveis ou não. Juntos, eles somam a potência instalada de 149.730 MW. Só o lado brasileiro de Itaipu (metade da usina pertence ao Paraguai), de 7 mil MW de potência instalada, representa quase 5% de todo o parque gerador brasileiro.

Mais da metade da potência instalada do parque gerador brasileiro – ou, mais precisamente, 61% – vem das usinas hidrelétricas, as UHEs. A maior parte da energia consumida pelo País ainda é garantida por elas. Somada, a potência instalada das 218 hidrelétricas brasileiras – entre elas, a Itaipu – chega a 91.459 MW. Os 7 mil MW das unidades geradoras do lado brasileiro da binacional correspondem a 7,6% do total da potência instalada deste grupo.

Diplomacia

No dia 17 de maio de 1974 era constituída a empresa binacional Itaipu, para gerenciar a obra e, futuramente, administrar o empreendimento hidrelétrico. Começaria ali a saga da construção de um megaempreendimento, que mobilizou milhares de pessoas e bilhões de dólares e transformou parte do Oeste paranaense e todo o Paraguai. Resultado de intensas negociações diplomáticas, Itaipu é também uma grande obra de engenharia política, financeira e jurídica, mesmo antes de os projetos começarem a sair do papel.

Fonte: Assessoria

Por Silvia Bez

Quando vamos sair de férias do trabalho, raramente pensamos como as coisas estarão quando retornamos às atividades. No entanto, imagine o quão desagradável será encontrar assuntos pendentes e situações que poderiam ter sido resolvidas previamente.

Para que você não tenha transtornos na sua volta, sugiro algumas dicas para deixar suas tarefas em ordem e ter um retorno muito mais agradável. E, claro, bem menos estressante!

1) Faça uma faxina nas gavetas

Tire tudo de dentro das gavetas e jogue fora os papéis que não têm mais utilidade, as canetas estragadas, etc. Arquive os documentos importantes e separe o que ficará pendente para a volta. Se você costuma guardar lanches, não se esqueça de levá-los para casa, evitando que percam a validade.

2) Resolva os assuntos pendentes

Isso inclui, especialmente, os e-mails que estão sem resposta. Esvazie sua caixa de entrada. Aproveite e ative a resposta automática do e-mail comunicando o período em que ficará fora e os contatos do seu(s) substituto(s).

3) Oriente seu(s) substituto(s) sobre como desenvolver as atividades

Crie um roteiro explicativo sobre suas tarefas. Isso facilitará muito para a pessoa que ficará no seu lugar. Deixe anotado também contatos importantes com quem você fala no dia a dia, caso ela precise entrar em contato.

4) Anote todas as suas senhas (e guarde em um local seguro)

Pode parecer bobagem, mas muitas pessoas não se lembram das senhas de acesso ao computador, rede e emails quando retornam das férias. É bom sempre tê-las anotadas.

5) Faça um backup dos arquivos do seu computador

Pode ser que a pessoa que te substitua, sem querer, apague algum arquivo. Por isso, tenha seguro seus documentos para que não perca nada importante.

Assim, com organização, você sairá mais tranquila para as férias e terá um retorno mais tranquilo ao trabalho.

 

*Silvia Bez é palestrante motivacional, especialista em vendas e marketing pessoal, além de Master Coach. Em seu trabalho, sempre foca o lado humanista. Formada pela Sociedade Latino Americana de Coaching e pela IAC (International Association of Coaching), é autora dos livros “Paixão em Vender – 5 Segredos do Vencedor”, “7 passos para se apaixonar pelo que faz” e “5 Passos para fortalecer sua Memória”. Site: www.silviabez.com.br

 

S

Aos dez minutos deste sábado, 17 (horário brasileiro de verão), ou 23h10 de sexta-feira (horário normal da usina), 16, a Itaipu Binacional atingiu 98.800.319 megawatts-hora (MWh) e desbancou a usina de Três Gargantas, na China. A marca foi alcançada 13 horas depois que a Itaipu superou seu recorde de 98,6 milhões de MWh, registrado em 2013.

O recorde mundial em geração anual de energia se soma ao título que Itaipu já detinha: o de maior produção acumulada. Desde a entrada em operação de sua primeira unidade geradora, em maio de 1984, há 32 anos e sete meses, Itaipu já produziu mais de 2,4 bilhões de MWh, energia suficiente para atender a demanda do mundo inteiro por 40 dias.

A 14 dias para fechar 2016 e operando a plena carga, Itaipu deve atingir na quarta-feira, 21, a meta inédita de 100 milhões de MWh estipulada no recorde de 2013. A produção total de 2016 deve ficar acima de 102,5 milhões de MWh, algo jamais imaginado até mesmo pelos que projetaram a usina.

Para o diretor-geral brasileiro, Jorge Samek, "a capacidade dos técnicos da usina e a boa gestão dos recursos mais uma vez provaram que temos mesmo vocação para os recordes". Para ele, a partir de agora, "vai ser muito difícil superar Itaipu. Não basta ter a maior estrutura para ser a melhor do mundo. Nós conseguimos isso com muito esforço e comprometimento, atendendo aos interesses do Brasil e Paraguai, e, claro, com a ajuda das boas condições hídricas do Rio Paraná”.

Para o diretor-geral paraguaio, James Spalding, Itaipu é extremamente importante para o Brasil,  mas cada vez mais torna-se vital também para o Paraguai, que cada vez mais rapidamente irá utilizar a metade da energia a que tem direito. 

O diretor técnico executivo, Airton Dipp, diz que os dois títulos de maior do mundo (geração anual e acumulada) representam não apenas um status para Itaipu, mas significam que a usina traz ainda mais benefícios ao Brasil e ao Paraguai. A produção maior deste ano, destaca, fez com que aumentasse a participação de Itaipu nos mercados do setor elétrico brasileiro e paraguaio. “Hoje, Itaipu responde por 18% do consumo nacional, quatro pontos percentuais a mais do que o registrado no ano passado, e por 82% da demanda do Paraguai, ante 76% em 2015”.

O aumento da produção também se reflete em mais royalties (indenização pela exploração do uso da água para a geração de energia elétrica), pagos ao Brasil e ao Paraguai. Como o cálculo é feito com base na variação do dólar – e como a moeda americana se valorizou frente ao real -, o repasse de royalties a partir da produção deste ano será 15% maior. Desde o início do pagamento, em 1985, a soma dos royalties pagos pela Itaipu para os dois países passa de US$ 10 bilhões.

Para o diretor técnico, o paraguaio José Sánchez Tilleria, 2016 representa um ano sem precedentes para a história de Itaipu. "É um marco para a operação da usina", afirma.

Itaipu versus Três Gargantas

Este ano, Três Gargantas, que fechou novembro com a geração em torno de 83  milhões de MWh, prevê uma produção total de 90 milhões de MWh. Confirmadas as projeções de Itaipu, a vantagem final colocada frente à cinesa será de mais de 10 milhões de MWh, o equivalente a mais de um mês de geração.

Com 22 mil megawatts (MW) de potência instalada, ante 14 mil MW da usina de Itaipu - ou seja, 60% a mais -, a usina chinesa de Três Gargantas começou a operar em plena carga em 2012. No entanto, embora com capacidade instalada de equipamentos muito superior, Três Gargantas só conseguiu produzir mais do que Itaipu em 2014.

Fonte: Assessoria

A Ponte Internacional Tancredo Neves, que liga Foz do Iguaçu a Puerto Iguazú, na Argentina, também recebe um novo sistema de iluminação, com luminárias de LED. A instalação está sendo concluída nesta sexta-feira (16). No total, a ponte recebeu 21 luminárias de LED.

O sistema é semelhante ao que foi instalado em novembro deste ano na Ponte Internacional da Amizade, que liga Foz do Iguaçu a Ciudad del Este, no Paraguai. As novas luminárias, além de aumentar a sensação de segurança de motoristas e pedestres, destacam as cores e os detalhes das pontes.

A troca do sistema de iluminação das duas pontes é resultado de negociações do Codefoz e do Fundo Iguaçu com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), que administra o lado brasileiro da Ponte da Amizade e da Ponte Tancredo Neves. O acordo inclui a participação da empresa MD Eletro, representante oficial em Foz do Iguaçu da empresa canadense LED Roadway Lighting, que doou as luminárias e também ficará responsável pela manutenção.

Ambas as pontes precisavam de uma iluminação mais eficiente, já que por ali transitam milhares de pessoas todos os dias. O superintendente de Comunicação Social de Itaipu e secretário geral do Codefoz, Gilmar Piolla, diz que "as duas pontes são consideradas ícones da relação entre o Brasil e os países vizinhos, símbolos turísticos e de integração econômica regional”.

Vantagens

As novas luminárias são do modelo NXT 72M e apresentam uma série de características que as tornam superiores às utilizadas normalmente para a iluminação pública, como consumo de energia elétrica até 70% menor e grande durabilidade (a garantia de fábrica é de 20 anos). Além disso, essas luminárias obedecem às diretrizes RoHs (sem chumbo, cádmio, mercúrio, cromo hexavalente e bifenilos polibromados), o que beneficia o meio ambiente.

Há ainda outras vantagens. A luz branca ilumina bem mais e de forma uniforme. Para o olho humano, a iluminação é mais agradável, permitindo enxergar melhor todas as cores; e é mais sensível para as câmeras de segurança, que conseguem captar melhor o ambiente iluminado.

A ativação e desativação das lâmpadas será automática, por meio de fotocélulas, como as que já são usadas hoje na iluminação pública. Porém, as fotocélulas também vêm de fábrica com garantia maior, de dez anos. A tendência mundial – o que também deverá ocorrer no Brasil – é de substituição de todas as lâmpadas de mercúrio e halógenas da iluminação pública por sistemas semelhantes aos adotados nas duas pontes.

A empresa

A canadense LED Roadway Lighting foi fundada em 2002 e está presente em 40 países. A empresa, líder mundial em design e fabricação de sistemas de iluminação de ruas, já comercializa luminárias de LED no Brasil, importadas de suas fábricas no Canadá, a partir de componentes de LED originários do Japão.

Fonte: Assessoria