Variedades

Acadêmicos de engenharia criam protótipo de monowheel elétrico

Você sabe o que é um monowheel? Popularmente, é conhecido como uma bicicleta de uma roda só. Cientificamente, monowheel é um veículo de uma única roda muito parecido a um monociclo. Porém, ao invés de sentar-se acima da roda - como no modelo convencional - o piloto senta-se no interior da roda.

Ainda pouco conhecido no Brasil, normalmente o veículo é para apenas um piloto, embora modelos de passageiros múltiplos já tenham sido construídos. Normalmente, é usada para entretenimento e lazer em passeios, parques e ambientes abertos para andar.

Em outros países, esses monociclos diferentes são também chamados de wheelsurf (em tradução literal: “surfe sobre roda”). A construção desse tipo de veículo começou a ganhar força com a aparição de um monociclo no filme de ficção científica MIB 3 (Homens de Preto de 2012).

Sustentável

Procurando um projeto inovador para criar nas férias da faculdade, acadêmicos da UniAmérica – Centro Universitário em Foz do Iguaçu no Paraná, desenvolveram do zero uma monowheel. Colocando em prática conceitos de física, matemática e incluindo colegas dos cursos de Engenharia Mecânica, Elétrica e Eletrônica, a brincadeira tornou-se um Projeto Integrador Científico inédito na instituição.

“Esse foi um trabalho muito audaz, uma vez que vários aspectos construtivos são bastantes desafiadores, como por exemplo: a sua estabilidade e a conversão de energia em movimento. Porém, um passeio sobre uma única roda, como este veículo pode oferecer, é uma experiência totalmente diferenciada de qualquer outro transporte”, comenta o professor idealizador Guilherme Nabeyama.

O sistema de uma monowheel desenvolvido pelos acadêmicos Luciano Gonçalves Silveira, Matheus Felipe Rezende – com ajuda também do engenheiro Jorge Luis – é um veículo elétrico para motivar a aplicação dos conceitos de engenharias em um sistema singular, com foco também na sustentabilidade, já que toda a iniciativa foi desenvolvida com peças recicladas de outros aparelhos.
“Criar algo diferente que pudesse desenvolver novas habilidades foi o motivo pela qual escolhemos colocar a mão na massa, trabalhando todas as áreas da engenharia”, afirma o aluno de Engenharia Elétrica Luciano Silveira.

Atualmente, a maioria dos modelos construídos é motorizada, e aí que surge mais um desafio nessa jornada.

Desafio Elétrico

Ao invés de utilizar-se de peças novas e um motor comum, o estímulo da vez foi desenvolver um novo modelo elétrico sustentável. Utilizando-se de componentes adaptadas e reutilizadas, o projeto foi viabilizado com baixo custo e composto por três elementos básicos:

– Aro ou Roda;
– Polias de estabilização;
– Motor.

O Aro é a parte externa, ou seja, a roda que irá se movimentar para deslocar todo o sistema, confeccionada em aço e revestida com borracha para aumentar a aderência com o solo.

As polias (pequenas rodas) de estabilização tem o intuito de deixar todo o sistema preso ao aro; são colocadas dentro do aro com uma geometria projetada e dimensionada para que, em uma curva ou manobra, todas as peças não saiam de dentro do aro.

O motor utilizado é elétrico do tipo Brushless com uma potência de 250W. O sistema de controle do motor foi desenvolvido para garantir a estabilidade de aceleração, para melhoria do conforto do piloto e evitar acidentes. As vantagens de um motor elétrico são uma energia limpa e renovável, evitando a emissão de gases de efeito estufa, e nesse primeiro protótipo, a monowheel construída pode chegar até 20km por hora.

“O motor foi reutilizado de um hoverboard pela sua potência e capacidade de carga e também, pela questão da sustentabilidade em não poluir o meio ambiente”, explica o acadêmico de Engenharia Elétrica Matheus Felipe.

Próximos passos

As próximas etapas incluem montar um sistema de telemetria para monitorar o uso da bateria, velocidade e também a localização por GPS. Ao todo, o projeto levou cerca de seis meses para ser concluído e no futuro, a ideia dos estudantes é vender a proposta para empresas de turismo do país, além de incubação para a fabricação de novos modelos.

Fonte: Assessoria Uniamérica

Deixe uma resposta