Turismo

Foz recebe certificado de Destino Seguro da Organização Mundial de Turismo

Desde o início da pandemia da Covid-19, quando o município precisou entrar em lockdown para evitar a propagação do vírus, os profissionais de turismo da cidade buscaram diversas maneiras de ampliar a segurança sanitária dos atrativos e redes hoteleiras. O resultado do esforço veio nesta terça-feira, 26, quando Foz do Iguaçu recebeu o selo “Safe Travel”, dado aos destinos mais seguros para visitantes.

A cerimônia de entrega ocorreu em Curitiba, no Palácio das Araucárias. O certificado foi concedido pela Paraná Turismo, embaixadora do selo no Paraná, e foi entregue pelo vice-governador Darci Piana ao secretário de Turismo e Projetos Estratégicos de Foz, Paulo Angeli.

O selo é uma chancela do Conselho Mundial de Viagens e Turismo – em inglês, World Travel & Tourism Council (WTTC) –, ligado à Organização Mundial do Turismo, dado para estados, municípios, organizações e empresas turísticas que respeitam todas as normas sanitárias exigidas pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Foz do Iguaçu seguiu todas as normas do “Manual de Conduta Segura na Prevenção da Covid-19”, como a disponibilização de álcool em gel espalhado para facilitar a higienização das mãos, distanciamento social, medição de temperatura e uso constante de máscaras, tanto de colaboradores como de visitantes.

O avanço da vacinação contribuiu também para que fosse possível, de acordo com as normas sanitárias, permitir a ampliação da capacidade de turistas durante os passeios. Hoje, Foz do Iguaçu já passa de 80% da população totalmente imunizada e os atrativos já voltaram a operar com 100% de público.

“Lutamos muito para obter essa conquista e sermos definitivamente reconhecidos como destino seguro. Foram meses de adaptação para darmos segurança aos nossos visitantes. Felizmente, conseguimos, e nenhum turista que nos visitou nossos atrativos neste período foi contaminado pelo coronavírus”, afirmou Paulo Angeli.

Retomada segura

Os atrativos turísticos da cidade chegaram a ficar mais de dois meses totalmente fechados. A partir de junho de 2020, a reabertura parcial foi sendo liberada, já com um cenário totalmente diferente, como ingressos vendidos apenas pela internet, passeios agendados, limpezas frequentes e aplicação de questionários sobre sintomas respiratórios.

“Nós sabíamos que era preciso formar uma força tarefa para acelerar a retomada. Debatemos todos os cenários, respeitamos as medidas sanitárias e agora estamos em outro momento, podendo criar campanhas que impulsionem o turismo iguaçuense”, ressaltou Yuri Benites, presidente do Conselho Municipal de Turismo (Comtur).