Gustavo Martins

MiniContos perversos

 

– Ah, mas eu não quero que essa sensação acabe.

– Não vai acabar. E se você beber mais vai passar mal.

– Acabou o vinho e você não quer me dizer, né?

– Não acabou.

– Ah, então você não quer abrir mais uma garrafa.

– Posso abrir todas elas, mas não vou te dar mais. Agora deita aqui no sofá que eu quero te ensinar outra coisa.

 

Um dia não, outro também não

Ontem eu também precisava, mas não rolou. Tomei um banho perfumado, vesti uma camisola rosa com bolinhas pretas (só), bebi três taças de vinho, fiquei com calor, deitei com as janelas abertas, o vento balançava as cortinas. Li até altas horas esperando que ele entrasse no quarto. Vontade de sair voando e bater asas em outro lugar.

Deixe uma resposta