Esporte

Piloto da Red Bull acelera o “apimentado” Sandero R.S 2.0

 

Kvyat pôde comprovar o acerto esportivo do Sandero R.S., que recebeu barras e eixo traseiro mais rígidos, além de novas molas mais firmes combinadas a amortecedores hidráulicos exclusivos, com batentes em poliuretano. O motor 2.0 aspirado, com 150 cv e 20,9 kgfm de torque, leva o hatch de 0 a 100 km/h em apenas 8 segundos. Três modos de condução podem ser selecionados através do botão “R.S. drive”: Standard, Sport e Sport+ com o ESP desligado.

O piloto russo aprovou o visual nervoso do Sandero R.S. 2.0. O hatch adota elementos de design esportivo específicos dos modelos da divisão esportiva da marca. O para-choque dianteiro, por exemplo, tem desenho das lâminas em estilo F1 e remete à máscara dianteira dos carros de Fórmula 1. Há ainda rodas 205/45 R17, saias laterais, spoiler traseiro, dupla saída do escapamento, espelhos retrovisores na cor preta brilhante e inscrição R.S. abaixo do logotipo Renault na grade dianteira e também na tampa traseira.

Outras alterações desta versão invocada são o assistente de arrancada em subida (HSA), o sistema de freios a disco nas quatro rodas, o controle eletrônico de estabilidade (ESP) com regulagem específica R.S. e o sistema de direção eletro-hidráulica (EPHS). O Renault Sandero R.S. 2.0 se destaca por sua capacidade de proporcionar sensações esportivas desde o primeiro toque no acelerador, além de muito prazer na utilização diária.

DANIIL KVYAT

O piloto russo começou sua carreira em provas de kart em seu país natal e também na Itália. Em 2010, estreou nos monopostos com bons resultados na Fórmula Renault Britânica. A partir daí disputou diversos campeonatos, inclusive a Fórmula Renault 2.0 Eurocup. Em 2013, se destacou na Fórmula 3 e, no mesmo ano, foi anunciado como piloto da Toro Rosso (STR) – que usa motores Renault – para a temporada 2014 da Fórmula 1.

Em seu ano de estreia na F1 bateu o recorde de mais jovem piloto a pontuar na história da competição: aos 19 anos, chegou em nono lugar no GP da Austrália. Kvyat ainda marcaria pontos nos GP’s da Malásia, China, Grã Bretanha e Bélgica, terminando a temporada na 15ª posição. Em 2015, assumiu a vaga que pertencia a Sebastian Vettel na equipe Red Bull, que também usa motores Renault. Seu primeiro pódio foi um segundo lugar no GP da Hungria, a melhor posição já conquistada por um piloto russo.

Fonte: Assessoria

 

 

Deixe uma resposta