Lançamentos

Plano de Mobilidade de Foz prevê implantação para 10 anos

O Plano Mobi Foz tem como princípio o desenvolvimento sustentável do município, visando como principal objetivo, tornar Foz do Iguaçu até 2028, uma cidade integrada e acessível com a implementação de políticas públicas alinhadas aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) das Nações Unidas. Atende a Lei Federal 12.587/2012, que estabelece diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana e institui a criação de Planos de Mobilidade que assegurem recursos para investimentos na área. Foz do Iguaçu precisa apresentar ao Ministério das Cidades o Plano pronto até abril deste ano.

“Estamos praticamente entregando o Plano, apresentamos um resumo de todo trabalho que realizamos até agora, e a participação popular com sugestões e apontamentos foi extremamente importante para que possamos compor o material que já temos. Tivemos pouco prazo, bastante trabalho, mas procuramos realizar da melhor forma possível, com a ajuda de nosso corpo técnico, para atender a Lei Federal e poder garantir que Foz tenha um Plano de Mobilidade Urbana”, disse o gerente de Infraestrutura e Obras do PTI, Rudi Eduardo Paetzold.

O presidente da comissão de coordenação do Plano de Mobilidade e Diretor de gabinete da Prefeitura de Foz, Kalito Stoeckl, enfatizou que apesar do curto prazo, a atual administração assumiu o compromisso da entrega do Plano de Mobilidade ao Ministério das Cidades para garantir recursos federais e para que Foz tenha condições de investir em projetos de mobilidade que melhorem a qualidade vida dos moradores e turistas que visitam a cidade.

“Desde que assumimos a gestão nos preocupamos em atender a Lei Federal e assegurar a vinda de recursos para Foz do Iguaçu. Por isso, realizamos as audiências públicas, assumimos um compromisso junto ao PTI de elaborar o Plano de Mobilidade e nos reunimos com presidentes de bairros para discutir condições e propostas de melhorias no trânsito e em mobilidade num geral. Nosso próximo passo é entregar ao Município, e enviar à Câmara para aprovação e votação final”, disse Stoeckl.

Para a representante do CREA, coordenadora da Câmara de Engenharia Civil do Estado do Paraná, Célia da Rosa, este processo foi muito importante para Foz do Iguaçu. “Considero a parceria da Prefeitura e do PTI muito importante, como também a participação de todos os organismos que ajudaram a pensar aquilo que a cidade precisa melhorar. Vejo Foz do Iguaçu como uma cidade diferente pela tríplice fronteira e pelo turismo, e por isso, precisa ter uma mobilidade boa”, avalia.

 

Plano de ação

Os técnicos avaliaram vantagens e desvantagens de projetos já existentes, e fizeram apontamentos de sugestões e melhorias. O Plano foi estruturado em seis categorias de mobilidade: do pedestre, cicloviária, do transporte público coletivo, transporte motorizado individual – público e privado, transporte de cargas e mobilidade turística.

A qualidade no deslocamento do pedestre, promover acessibilidade de uma maneira mais efetiva, a revisão da Lei Municipal de Calçadas, programas de incentivo ao uso de bicicletas, melhorias extremamente essenciais no transporte público coletivo, a redução do impacto dos veículos de carga circulando nas áreas centrais da cidade e a execução de grandes obras como, por exemplo, a construção da Perimetral Leste, o viaduto de acesso à Avenida Costa e Silva, duplicação da Avenida das Cataratas, a segunda Ponte entre Brasil e Paraguai, bem como a criação de um Plano de Mobilidade Internacional, foram temas amplamente discutidos nas audiências públicas com a comunidade e que fazem parte de ações e estratégias previstas no Plano.

A entrega final do Plano de Mobilidade está prevista para a próxima sexta-feira (23), às 10h, no espaço Milton Santos, no PTI, para posterior envio à Câmara e aprovação final do documento.

Fonte: PTI