Quase 2 mil anos atrás, em um dia como hoje, Jesus completava sua missão na velha Jerusalém, ressuscitando três dias após sua crucificação para espiar os pecados dos homens, dando origem à Páscoa. Sua agonia marcou para sempre a história da humanidade e pode ser revivida ainda hoje por fieis cristãos na Terra Santa, onde Jesus nasceu, viveu e morreu.

Localizada entre o rio Jordão e o mar mediterrâneo, a área atualmente é dividida entre Israel, Cisjordânia e Jordânia e tem seu valor histórico para as três grandes religiões monoteístas do mundo: Cristianismo, Judaísmo e Islamismo.

A caminhada de Jesus com sua pesada cruz de madeira é chamada de Via Sacra, Via Crúcis ou ainda Via Dolorosa, um percurso de cerca de 600 metros que tem início no Pretório e termina onde hoje é a Basílica do Santo Sepulcro, local da crucificação e do sepultamento de Cristo.

A reportagem da Sobre Rodas conversou com duas cristãs católicas que estiveram na Terra Santa: a professora Selma Costa e a advogada Camila Françolin de Souza. Após ouvir sobre o impacto da viagem em suas vidas e espiritualidade, concluímos: reviver os passos de Jesus Cristo é uma experiência transformadora.

Selma mostra uma foto de Jerusalém. Crédito: Cecília França

 

A professora Selma Costa, 51, esteve na Terra Santa em outubro do ano passado em uma excursão organizada pelo Padre Geraldino Rodrigues de Proença, da Diocese de Apucarana (PR). Ela descreve como "uma emoção indescritível" percorrer o caminho pelo qual Jesus carregou sua cruz. As condições das vias estreitas e o clima local, de calor intenso, conferem uma dificuldade extra ao percurso - e intensificam seu valor religioso.

"O sofrimento de Cristo naquela viela foi muito forte. Ele certamente escorregou muito, ficou muito esfolado. A gente tinha que parar para respirar", ressalta. Selma conta que um Frei alemão chamado Bernard, guia de seu grupo, trocou as vestes brancas por pretas para percorrer a Via Sacra, uma forma de simbolizar o sofrimento de Jesus.

"Percorrer a Via Sacra é entender o quanto Cristo nos amou", afirma a professora.

A intensa movimentação de turistas e comerciantes transformam a via em algo movimentado e barulhento. Para manter a concentração, o guia de Selma orientou o grupo a rezar e cantar, a fim de tirar o maior proveito da experiência.

"Para mim foi uma demonstração de fé única, cada estação uma pausa, silêncio, uma meditação catequética com o Padre Bernard, para que compreendêssemos o mistério do amor de Jesus por nós e que permanece ainda hoje".

O percurso

Nossas duas entrevistadas revelaram dificuldade em registrar com fotos a caminhada, em virtude da quantidade de turistas e da falta de tempo. O percurso da Via Sacra compreende 14 estações. Cada uma delas sinaliza um momento relevante do trajeto feito por Jesus carregando a cruz. Acompanhe.

1ª estação - Onde Jesus foi condenado: Pretório ou Porta do Leão.

2ª estação - Onde Jesus pega a cruz: dividida em duas capelas, a da Flagelação e a da Condenação.

3ª estação - Jesus cai pela primeira vez: no local foi construída uma igreja católica armênia.

4ª estação - Jesus encontra sua mãe: entrada da Igreja de Nossa Senhora do Espasmo.

5ª estação - Simão Cirineu ajuda Cristo a carregar a cruz: no local existe um pequeno oratório franciscano.

Entrada da 5ª estação, registrado por Camila Françolin de Souza

 

6ª estação - Verônica limpa o rosto de Jesus: no local há uma pequena capela de Santa Verônica.

7ª estação - Jesus cai pela segunda vez: uma coluna dentro da capela franciscana marca o local.

8ª estação - Jesus consola as mulheres de Jerusalém: local marcado por uma pequena pedra com uma cruz latina na parede do mosteiro de São Caralampo.

9ª estação - Jesus cai pela terceira vez: última estação fora da Basílica, é marcada por uma coluna onde uma cruz de madeira fica apoiada.

10ª estação - Vestes de Jesus são retiradas: a capela da Divisão das Verstes fica no pátio externo da basílica.

11ª estação - Jesus é pregado na cruz: no andar superior da Basílica, um mosaico no teto marca o local onde Jesus foi pregado na cruz.

12ª estação - Crucificação e morte de Jesus: uma pedra embaixo do altar marca onde seria o ponto exato em que a cruz de Jesus foi erguida.

13ª estação - Jesus é retirado da cruz: Pedra da Unção, onde Maria retirou Jesus da cruz para prepará-lo para o sepultamento.

14ª estação - Jesus é sepultado: espaço bastante reduzido, apenas uma pequena câmara no vão central da grande rotunda da Basília.

Abaixo, registros feitos por Selma Costa dentro da Basília do Santo Sepulcro:

 

Pedra onde foi fincada a cruz de Jesus

Selma em Israel. Fotos: Arquivo Pessoal

 

Camila Françolin de Souza, 33, visitou a Terra Santa em 2015 acompanhada dos pais, Benedito e Odete, em uma excursão organizada pelo Monsenhor da Diocese de Apucarana. Para ela, a entrada no Santo Sepulcro foi uma experiência única.

"O local fica dentro do santuário e é fechado como num verdadeiro jazigo. É pequeno, baixo e com pouca luz. Só é possível permanecer lá dentro por alguns instantes, mas é um momento em que você se sente plenamente conectada a Deus, onde você se põe a pensar em Jesus morto e na Sua Ressureição. É realmente Divino", resume.

Camila e os pais também percorreram a Via Sacra relembrando todos os momentos da Paixão de Cristo, porém, houve uma certa decepção. Como os cristãos são minoria na Terra Santa, muitas estações são controladas por judeus ou muçulmanos, além disso, o intenso comércio e o barulho nas pequenas vielas que levam ao Santo Sepulcro impedem a concentração dos que estão ali para peregrinar.

Emoção

Para Camila, um dos momentos de maior emoção na peregrinação à Terra Santa foi na visita ao Getsêmani, santuário do Horto das Oliveiras, onde há a pedra na qual Jesus teria orado a Deus para que afastasse o que viria, mas dizendo que obedeceria a sua vontade.

"Toquei naquela rocha e pensei no tamanho da Sua agonia por saber todo o sofrimento pelo qual passaria", afirma, citando Lucas: "(...) e seu suor tornou-se como gotas de sangue a escorrer pela terra.”

Camila resume a experiência como uma viagem transformadora, de fortalecimento da fé e como pessoa. "Voltei muito feliz por tudo que vivi e conheci, pelas sensações que experimentei e pelo muito que aprendi sobre a história, sobre a vida e principalmente sobre a humanidade", finaliza. 

Camila e os pais, Benedito e Odete, no Mar da Galileia

Renovação do batismo no Mar da Galileia. Fotos: Arquivo pessoal

Cecília França

A Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização (CMTU) de Londrina, administradora do Terminal Rodoviário de Londrina, estima em 25% o aumento na movimentação de passageiros no local durante o feriadão de Páscoa. Entre hoje (29) e a próxima segunda-feira (2), a rodoviária deve receber entre 35 e 38 mil pessoas nas operações de embarque, desembarque, trânsito e turismo. 

A expectativa é que os picos de movimento sejam registrados nesta quinta, no feriado da Sexta-feira da Paixão (30), além do domingo (1). Para suprir a demanda adicional, foram disponibilizados aos usuários pelas operadoras de transporte de 250 a 300 ônibus extras. 

São Paulo, Ribeirão Preto, Campinas, Santos, Bauru, Marília, Franca e São José do Rio Preto são as cidades mais procuradas por quem vai passar a Páscoa fora de Londrina. Completam o ranking dos destinos mais buscados Curitiba, Rio de Janeiro e municípios catarinenses como Itajaí, Balneário Camboriú e Joinville.

Para garantir a segurança na rodoviária durante os dias de circulação intensa de passageiros, a CMTU solicitou apoio da Guarda Municipal e da Polícia Militar no patrulhamento das dependências. Já a diretoria de Trânsito da companhia deve realizar atividades de orientação e fiscalização dos condutores nas imediações. 

Dicas

Para garantir uma viagem tranquila, a CMTU orienta que os clientes procurem chegar com antecedência à rodoviária para os embarques. Além disso, identifiquem as bagagens e permaneçam sempre próximos a elas. Caso necessitem se ausentar, a dica é que as malas sejam deixadas no guarda-volumes.  

Na hora de acessar os coletivos, é preciso ter em mãos os documentos pessoais, de preferência com foto.  Crianças acompanhadas dos pais também precisam de documentação para viajar, enquanto as menores de 12 anos, que estiverem desacompanhadas, carecem de autorização da Vara da Infância e Juventude para deixar a cidade. 

No endereço www.trl.com.br é possível consultar itinerários e o telefone das empresas de transporte. O setor de informações da rodoviária atende no número 3372-1800. 

Fonte: Núcleo de Comunicação da Prefeitura de Londrina

Brasileiros e estrangeiros realmente descobriram Foz do Iguaçu. A cidade terá um dos feriados de Páscoa mais movimentados dos últimos anos. Segundo uma pesquisa realizada pelo Sindhotéis, 24,7 mil leitos estarão ocupados entre a Sexta-Feira Santa, Sábado de Aleluia e Domingo da Ressurreição de Jesus Cristo. Ou, 88,4% das ocupações. 

A partir desta quinta-feira (29) até 30 de abril, moradores de Foz do Iguaçu, Ciudad del Este, no Paraguai e Puerto Iguazú, na Argentina, também dos municípios lindeiros ao Lago de Itaipu e ao Parque Nacional do Iguaçu, pagarão tarifa de R$ 10 para visitar cada um dos atrativos do Dreamland Foz: Museu de Cera, Vale dos Dinossauros ou Maravilhas do Mundo. Já para passar frio, a -11ºC, e tomar drinks artesanais no maior bar de gelo do mundo, o Dreams ice bar, o valor do ingresso será R$ 20.

A Ponte Internacional da Amizade, principal ligação entre o Brasil e o Paraguai, vai ganhar um sistema informatizado de monitoramento com cerca de 130 câmeras, capaz de identificar rostos e placas de veículos, acompanhar acessos e checar informações em bancos de dados eletrônicos dos dois países. A Itaipu Binacional vai custear o projeto, que terá um valor estimado em torno de R$ 2,5 milhões. 

A primeira segunda-feira (19) com desconto promocional para que moradores de Foz do Iguaçu e região pudessem conhecer o Dreamland Foz lotou o atrativo. Centenas de iguaçuenses que nunca tinham visitado o Museu de Cera aproveitaram o ingresso no valor de R$ 10 para viver um dia de lazer com a família.

Depois de muitos pedidos e a área há décadas abandonada, enfim, Foz do Iguaçu, uma das principais turísticas do Brasil, terá seu mercado municipal. O espaço está sendo reconstruído, na antiga Cobal- Companhia Brasileira de Alimentos, que funcionou como principal centro de bastecimento da cidade entre 1976 e 1990. A previsão é que esteja pronto em junho de 2019. No mesmo mês em que a cidade completa 105 anos. A obra custará R$ 13 milhões.

Durante todas as segundas-feiras dos meses de março e abril, os moradores de Foz do Iguaçu, Ciudad del Este, no Paraguai e Puerto Iguazú, na Argentina, também dos municípios lindeiros ao Lago de Itaipu e ao Parque Nacional do Iguaçu, terão tarifa especial para visitar o Museu de Cera e o Dreams ice bar.

O Vale dos Dinossauros, um dos atrativos do Dreamland Foz, em Foz do Iguaçu, abriu o espaço para realização festas infantis. No último sábado, 3, a blogueira iguaçuense Pamella Ferrari, que tem mais de 655 mil seguidores nas redes sociais, comemorou o aniversário do filho dela, Álvaro, no atrativo. A festa reuniu cerca de 100 pessoas. 

Os visitantes que quiserem adquirir o Passaporte Três Maravilhas agora têm a comodidade de comprá-lo também pela internet. Já está disponível a compra do bilhete no site de turismo da Itaipu. O combo dá direito às entradas na Itaipu, nas Cataratas do Iguaçu e no Marco das Três Fronteiras. Em breve, os outros dois atrativos também terão esta facilidade em suas páginas na internet.

Para fazer a compra do passaporte de forma online, basta acessar o site www.turismoitaipu.com.br e clicar em “ingressos”. Na página, o turista poderá escolher os vários passeios da Itaipu e, entre eles, optar pelo Passaporte Três Maravilhas. São cinco faixas de preços de acordo com idade e procedência do visitante, além da meia-entrada para estudante. Todos os preços estão em www.passaporte3maravilhas.com.br.

O sistema vai gerar um número e o visitante terá que retirar o Passaporte em um guichê especial, no Centro de Recepção dos Visitantes (CRV) da Itaipu. Quando os outros atrativos oferecerem este serviço, será possível retirar o Passaporte comprado online em qualquer um dos três locais. Vale lembrar que a venda física continua sendo feita nos guichês de entrada do Parque Nacional do Iguaçu, do Marco das Três Fronteiras e do Complexo Turístico Itaipu.

Passaporte Três Maravilhas

Lançada em outubro do ano passado, a novidade alavancou as vendas dos três atrativos do Destino Iguaçu. Espécie de “bilhete único”, o Passaporte Três Maravilhas dá acesso ao Parque Nacional do Iguaçu, ao Marco das Três Fronteiras e a dois atrativos da Itaipu: Visita Panorâmica e Ecomuseu. Além disso, o bilhete dá descontos em lojas, serviços de fotografia, restaurantes e estacionamentos dos três atrativos.

Assessoria