Entrevistas

Brasil perde Edésio Passos; um dos maiores advogados trabalhista do país. Confira entrevista:

 

 

 

Edésio Passos: preso durante a ditadura, ao lado de Lula criou o PT

O advogado Edésio Passos, diretor-administrativo da Itaipu Binacional, completou 50 anos como advogado. Sua trajetória foi contada no livro: “Edésio Passos – 50 Anos de Advocacia”. Ele, que começou a carreira profissional como jornalista, sempre lutou pelas causas trabalhistas. Foi preso durante a Ditadura Militar, mas ao lado de Luiz Inácio Lula da Silva ajudou a fundar o Partido dos Trabalhadores (PT). Edésio recebeu a equipe da Sobre Rodas em seu gabinete na Itaipu Binacional e contou detalhes de sua carreira profissional e política.

Sobre Rodas: Hoje o senhor é diretor-administrativo da Itaipu Binacional, cargo que relutou a aceitar, mas desde muito jovem já defendia os trabalhadores, seja no seu escritório ou nos sindicatos e associações. Dizia aos novos colegas que precisavam ser socialistas antes de serem advogados. O que sempre o motivou?

Edésio Passos: Defendi e defendo. O fato de ser diretor-administrativo facilita executar uma política favorável à empresa, ao governo federal e aos trabalhadores, justamente por conhecer toda a problemática e poder adotar políticas construtivas. Quando entrei na faculdade em 1957, optei pelo socialismo, e a defesa dos trabalhadores estava implícita, e decidi me dedicar ao Direito do Trabalho. Em 1961, quando terminei a faculdade, tinha apenas uma Junta de Conciliação do Trabalho no Paraná.

SR: Como foi a experiência de jornalista antes de ingressar na faculdade de Direito? Ser repórter o fez conhecer um pouco da realidade humana?

EP: O jornalismo te abre o mundo. Para ser um bom repórter é preciso olhar os vários ângulos de um mesmo fato, então te força a ver o que tem atrás da aparência e o que vai suceder em relação àquilo que está sendo observado. É uma escola de vida, uma forma de avançar socialmente, culturalmente e politicamente.

SR: Em 2011, o senhor completou 50 anos de advocacia, fato que transformou sua vida em um livro. Como foi receber este presente?

EP: Meu escritório é dirigido pelo meu filho André Passos e outros nove colegas que resolveram fazer um site e o livro. Foi ótimo. Só colocaram coisas boas de mim, uma maravilha. O que não devia ser revelado sobre minha pessoa, ninguém disse. Foi uma festa de amigos.

SR: Quais causas marcaram sua carreira?

EP: Se fosse nominar, me perderia, pois há ações antes da ditadura, durante e depois o período de reconstrução do país social e politicamente, bem como do Direito do Trabalho. O mais importante foi a relação de conseguir estabelecer uma unidade do Direito do Trabalho e o desenvolvimento da política. Consegui desenvolver uma atividade profissional em defesa dos trabalhadores e sindicatos, como também da fundação do Partido dos Trabalhadores (PT).

 

Ditadura

SR: Devido às suas lutas, o senhor e sua esposa, Zélia Passos, acabaram sendo presos durante a Ditadura Militar. Como foi este período?

EP: Fui preso quatro vezes, torturado e perseguido. Até a escola dos nossos filhos foi fechada, diziam ser uma educação marxista. Considero que nasci de novo, pois boa parte das pessoas foi morta e exilada. Alguns estão desaparecidos até hoje. As dificuldades foram muito grandes, desde 1974 quando deixei a prisão até 1980 quando saiu a anistia. Eu não consegui viver da advocacia. Ninguém me dava trabalho. Minha mulher era pedagoga, e conseguimos sobreviver.

SR: Após a ditadura, como um dos “construtores”, qual a sensação de escrever a Constituição Cidadã de 1988?

EP: O Brasil, com a anistia no final de 1979 e fundação dos partidos políticos, renasceu. Os grandes líderes políticos tiveram a oportunidade de voltar ao país, como Leonel Brizola, e, outros, como Lula, puderam se agregar. A Constituição é uma demarcação da formação brasileira. Divido o país em antes de 1988, 88 e depois de 88. Para mim é o documento histórico mais importante da época atual. É o que definiu as liberdades políticas, individuais, coletivas e do Estado de Direito, desenvolvimento nacional, e onde e como o povo participa. É uma das constituições mais perfeitas do mundo, a única em que os direitos dos trabalhadores são respeitados. Não fui constituinte porque me elegi deputado em 1990, mas participei do processo dentro do Congresso Nacional.

Partido dos Trabalhadores

SR: O senhor contribuiu para a criação da Central Única dos Trabalhadores (CUT) e do Partido dos Trabalhadores (PT), para evitar o crescimento do Movimento Democrático Brasileiro (MDB); inclusive sua casa foi sede do partido no Paraná. Quais as maiores dificuldades?

EP: O MDB é um partido democrático e tinha várias personalidades como Ulisses Guimarães e Roberto Requião, mas o PT era uma agremiação que nunca poderia existir no Brasil, pois o próprio partido comunista que pretendia representar os trabalhadores não conseguia se desenvolver. O PT foi um fenômeno. Foi o resultado de uma época, só existiu porque aquela época existiu. Reuniu os grandes líderes sindicais, lideranças socialistas, Igreja Católica e elementos do radicalismo de esquerda dos grupos revolucionários que atuavam na época da ditadura, bem como pessoas com postura nacionalista. A junção dessas camadas sociais é que permitiu a criação do partido, e a liderança do Lula, sem ele talvez o partido não saísse. No Paraná, precisaríamos constituí-lo em 65 municípios, mas conseguimos em 66.

SR: O PT de hoje tem a mesma ideologia de 30 anos atrás?

EP: A ideologia muda, não é estática, assim como a política e a economia. Hoje temos outro mundo, diferente de 1980. E não éramos o partido do poder e pequeno. Éramos formados de pessoas de todas as índoles, como hoje. Ideologicamente é o mesmo, mas se traduz de forma diferente. Sou diretor de uma empresa binacional, a Dilma Rousseff é presidenta do país, que também foi tão perseguida e torturada. Tanto ela como eu somos instrumentos da democracia, e o partido também. Não podemos comparar o que o PT era em 1980, e como o Lula era, e como somos hoje.

SR: Como deputado federal entre 1990 e 1994, ao lado de Pedro Tonelli e Paulo Bernardo, participando do impeachment de Fernando Collor, buscava-se pôr um fim na corrupção e dar início à inclusão social?

EP: A eleição do Collor foi uma surpresa, e o Lula ser o oponente dele, quando se esperava o Brizola. A revolta da população contra o Collor pelas denúncias e todo o processo de corrupção sensibilizaram de tal modo a sociedade que resultou no impeachment. Foi a primeira vez que um presidente da República foi cassado pelos meios institucionais; até então eram pelas armas, em golpes de estado. Considero que a legislatura de 90 a 94 foi coletiva. Se população e estudantes não tivessem ido às ruas, talvez não tivéssemos a cassação do presidente.

SR: Depois de lutar tanto ao lado de Lula, como foi conquistar a Presidência da República em 2003?

 

EP: Uma das virtudes do Lula é a persistência. Quando decidiu ser candidato à Presidência e perdeu para o Collor, em seguida nos reunimos e ele disse que continuaria sendo candidato. Esta decisão motivou o partido. Chegar à Presidência da República depois de quatro tentativas foi algo que só poderia ter sido. Não havia como não acontecer. Historicamente a sociedade estava preparada e precisava disso. Mais importante do que ter ganhado foi o exercício do poder a qual fomos levados. Nunca tínhamos exercido o poder. Fomos submetidos a um teste e passamos. O Lula se consagrou como o maior presidente que o Brasil já teve. Essa consagração foi decorrente de um trabalho de grande profundidade. Mas não sozinho, pois o PT se coligou com outros 12 partidos, e o presidente Lula tinha como vice um grande empresário. Acredito que a eleição só foi possível graças a esta união com os empresários. Uma das mudanças do PT foi entender que o desenvolvimento nacional depende dos trabalhadores e empresários. Não há como desvincular.

3 Comentários

  • Hi,

    I hope you are safe and well.

    I am reaching to publish a guest post article on your website and will send you some topic ideas for that.

    If my ideas interest you, I’ll send an article on any of the ones chosen by you. The article will be of great quality and is free of cost.

    I would just need you to provide me a backlink within the main article.

    Looking forward to your response.

    Thank you!

    Regards.

    Mary Jean

  • Hi,

    I hope you are in good health. I am a passionate reader and writer as well.

    I am writing you to present an offer that can benefit both of us.

    I want to publish a guest post article on your website and will send you some topic ideas for that.

    The article however, will be of great quality and is free of cost. If my ideas interest you, I would send the article on the selected topic idea chosen by you. I would just need you to provide me a backlink within the main article.
    Please get back with your kind response to this offer.

    I look forward to your prompt response.

    Have a great day!

    Regards.

    Ashlie Lopez

  • Hello,

    Do you want to market your product or service to 37 million USA businesses and 27 million executives with contact info, gender, credit score if available and more?

    Advertise directly to USA businesses and decision makers

    The ultimate marketing packaging for B2B, acquire these files once (with sortable categories and use unlimited
    with free updates for 1 year

    BRAND NEW UPDATED

    https://mailbanger.com/2020-usa-business-database-executive-edition

    We have many more leads packages for your business

    Mailbanger.com – Market research company since 2012

Deixe uma resposta