Turismo

Mais uma viagem a sós! E, desta vez, de moto, por Thaíse Thomé

 

Em agosto, partimos com destino a Santa Catarina, mais especificamente para conhecer a Serra do Rio do Rastro. Após algumas conversas, reuniões e uma programação mínima, a viagem aconteceu. E não poderia ser melhor.

As crianças ficaram com meus pais que, mais uma vez nos deram total suporte para as nossas experiências e acompanharam a viagem pelas fotos e vídeos que mandamos. 

Formamos um grupo bem diversificado. Éramos dois casais casados, uma dupla com pai e filho, uma de pai e filha, dois casais de namorados e outro sozinho na moto. Fomos em 7 motos. 

Nossa primeira parada foi em Santa Tereza, onde encontramos o restante do grupo. Almoçamos em Pranchita (PR), local onde o grupo recebeu seu último integrante companheiro que viajava com a sua filha. Com o grupo completo seguimos, entre uma parada e outra, até Chapecó (SC). Lá, passamos nossa primeira noite. 

No dia seguinte, levantamos cedinho e seguimos até Bom Jardim da Serra para passarmos outras duas noites. Chegamos lá ao entardecer e resolvemos descer a Serra para acompanhar o pôr do sol e o trajeto iluminado. Foi um show à parte! Lindo e encantador. Recomendo. 

Em Bom Jardim, ficamos hospedados na Pousada Charme da Serra. O Aureo e a Goretti nos receberam super bem. 

No terceiro dia, voltamos a Serra para visualizar melhor os detalhes, como a luz do Sol. Saímos de Bom Jardim da Serra com destino a Lauro Muller. O trajeto é lindo mesmo e ter ido as duas vezes não foi nenhum pouco cansativo, até porque a cena era outra. Almoçamos em Bom Jardim, no Restaurante Cascata. Vale a pena conhecer a cascata que tem bem ao lado do restaurante. É linda. 

Após o almoço, uma parte do grupo foi até Urubici. O restante preferiu ficar no hotel para aquela recuperada. Nós fomos, claro. E não nos arrependemos. Urubici é linda! Muito mais estruturada do que Bom Jardim. Fomos conhecer a Pedra Furada e o Morro da Igreja. 

Como já estava tarde, não conseguimos conhecer os outros pontos e só fizemos uma pausa num Bar bem motoqueiro e já retornamos para Bom Jardim. O bar fica no Posto Serra Azul e é um charme. Fiquei encantada. Saímos para jantar no restaurante Carvalho, tomar um bom vinho e fomos dormir para o nosso retorno que estava marcado para o dia seguinte. 

Em Bom Jardim, servem muita truta. Nos locais que saímos para jantar, experimentamos por duas vezes e adoramos. 

Saímos de Bom Jardim às 7h e conseguimos chegar até Cascavel com algumas pausas para esticar as pernas, beber e comer alguma coisa. Como já estava de noite e o grupo se dividia em Cascavel, resolvemos dormir por lá. Dormimos no Ibis e jantamos num sushi que tem ali perto. Voltamos para casa depois de quatro dias de estrada. 

Parceria

A viagem de moto realmente me surpreendeu. O Carlos sempre gostou muito de moto e posso dizer que compartilhamos mais uma paixão. Seremos parceiros em mais esta caminhada. 

Começamos com uma viagem relativamente longa que exige disposição e um mínimo de preparo físico. Apesar da nossa moto ser muito confortável, passar o dia inteiro sentada nela não é tanto. Por isso, a casa 100 km fazíamos uma pausa. A sensação de liberdade compensa tudo. 

Adorei perceber como a moto promove uma sintonia quase automática com os outros motoqueiros que encontramos no caminho. Basta uma parada que o assunto já começa, independentemente de qualquer outra condição. 

Adorei perceber que na moto cabe apenas o necessário. Não tem espaço para supérfluos nem exageros. Seguimos a meteorologia e fomos. Esperávamos a chuva na volta que só nos pegou quando já estávamos chegando em casa. 

Como estou prestes a completar mais uma primavera, a viagem foi uma comemoração antecipada e me trouxe muito do que desejo para este novo ano que se inicia na minha vida. Ando num momento de me desfazer de tudo que não é essencial e nada mais significativo do que uma viagem de moto para refletir este momento. 

Já estou pronta para a próxima!

 

Deixe uma resposta